Os assuntos mais procurados pelos leitores
 
CULTURA
 

23/11/1994

Biblioteca nacional

A pedido de VEJA, quinze intelectuais
escolhem os melhores livros do Brasil

Rinaldo Gama

Lançado há três meses nos Estados Unidos, o livro Cânone Ocidental, do intelectual americano Harold Bloom, tem uma proposta ambiciosa: listar os livros mais importantes da história da cultura deste lado do mundo. 0 livro de Bloom aponta 26 autores que, segundo ele, seriam o supra-sumo literário. Apenas um nome de língua portuguesa conseguiu seu lugar entre os 26, o poeta Fernando Pessoa, que faz companhia a William Shakespeare e Marcel Proust. No fim do livro, Bloom aponta outros 824 escritores que, mesmo abaixo do primeiro escalão, também produziram obras cujo valor considera eterno. Um brasileiro conseguiu ingressar nessa segunda seleção, Carlos Drummond de Andrade. Não é pouca coisa. Bloom colocou Drummond na mesma faixa que o alemão Thomas Mann e o russo Fyodor Dostoievsky. 0 Cânone Ocidental já vendeu 10000 exemplares nos Estados Unidos e deve sair no Brasil no ano que vem, pela editora Objetiva.

Discutível como todas as listas de melhores em qualquer atividade humana, tanto na escolha dos melhores filmes de todos os tempos como na escalação da melhor seleção de futebol, o esforço de Bloom tem uma utilidade indiscutível. Abre uma polêmica sobre obras e autores, entre o que tem valor e aquilo que é fútil, o descartável e o duradouro. "Pode ser uma arte em extinção a de ler atentamente, com amor, com a emoção de ver como o texto se desdobra", diz Bloom. "Mas todo mundo tem ou deveria ter uma lista de obras que lhe serviriam de companhia numa ilha deserta."

Com esse mesmo espírito, VEJA montou um cânone brasileiro. Para tanto, solicitou a quinze dentre os intelectuais de porte do país que fizessem uma lista das vinte obras mais representativas da cultura brasileira, em todos os setores e em todas as épocas. Dessa forma, chegou-se a um cânone de 22 obras. (Veja quadro.) Além dos intelectuais cuja lista de vinte obras é publicada na íntegra, VEJA também ouviu o antropólogo e senador Darcy Ribeim, o historiador José Murilo de Carvalho; o cientista político Wanderley Guilherme dos Santos: e o crítico literário Fábio Lucas.


Obra Votos
 Os Sertões 15
 Casa-Grande & Senzala 14
 Grande Sertão: Veredas 13
 Macunaíma 11
 Dom Casmurro 8
 Raízes do Brasil 8
 Memórias Póstumas de Brás Cubas 7
 Vidas Secas 6
 Um Estadista do Império 6
 Formação da Literatura Brasileira 5
 O Tempo e o Vento 5
 Fogo Morto 5
 Formação Econômica do Brasil 5
 Gregório de Matos 5
 Os Donos do Poder 4
 Triste Fim de Policarpo Quaresma 4
 Formação do Brasil Contemporâneo 4
 O Ateneu 4
 Iracema 4
 Gabriela, Cravo e Canela 4
 Carlos Drummond de Andrade 4
 Manuel Bandeira 4


ADULTÉRIO E CANUDOS - O cânone brasileiro consagra um autor, Machado de Assis, lembrado por todos os ouvidos. Ele é o único a figurar na lista com duas obras: Dom Casmurro (1899) e Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881). Seus livros só não chegaram em primeiro lugar porque os votantes discordam sobre qual seria o melhor. Além dos que entraram no cânone, Machado também recebeu votos por Quincas Borba e O Alienista. 0 reconhecimento de Machado não chega a ser uma surpresa. Basta ler ou reler uma de suas obras principais. 0 que dizer de Dom Casmurro? Que é a maior história de um adultério jamais escrita em qualquer época? Que ali se reúnem os personagens mais bem definidos psicologicamente de toda a literatura nacional? Memórias Póstumas também desafia a coleção de adjetivos do idioma. 0 que pode haver de mais desconcertante do que um morto contando sua própria vida, começando pela descrição de seu próprio enterro? Ou do que um capítulo onde uma conversa entre Brás Cubas e sua paixão, Virgília, se resume a pontinhos, exclamações e interrogações?

Como obra isolada, o campeão de indicações foi Os Sertões, de Euclides da Cunha, com quinze votos. Repórter, Euclides da Cunha seguiu para Canudos em 1897, impressionado com as seguidas derrotas das forças do governo frente aos jagunços liderados pelo místico Antonio Conselheiro. Organizado bem de acordo com a filosofia positivista, em voga na época, Os Sertões é um livro rico em informações científicas, imagens bem construídas e narrativa eficaz. Até hoje os leitores de Euclides não esquecem alguns trechos, como a constatação definitiva: "Canudos não se rendeu. Exemplo único em toda a História, resistiu até ao esgotamento completo".

Entre os 22 do cânone, há onze romances, três livros de poesia e oito obras de não-ficção. Cento e cinqüenta e dois livros foram lembrados, dos quais 112 tiveram apenas uma indicação. 0 cânone não é jovem. Desconsiderando as Poesias Completas de Carlos Drummond de Andrade, que incluem obras de 1930 até 1987. o livro mais novo da lista é Formação Econômica do Brasil, de Celso Furtado, o único entre os votantes a figurar no cânone. Foi lançado em 1960, ou seja, há 34 anos. 0 autor mais antigo é Gregório de Matos, que viveu no século XVII. 0 cânone também tem apenas quatro autores vivos. Além de Furtado, de 74 anos estão nele o jurista Raymundo Faoro, 69 anos, autor de Os Donos do Poder, Antonio Candido, que escreveu Formação da Literatura Brasileira e tem 76 anos; e Jorge Amado, de 82, que figura na lista com Gabriela. A idade média dos intelectuais consultados beira os 66 anos. 0 mais jovem é João Ubaldo Ribeiro, de 53 anos. Os mais velhos, Josué: Montello e Roberto Campos, já completaram 77.

Com treze indicações, mais do que qualquer obra de Machado tomada de forma isolada, as 538 páginas de Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa, apresentam aquela que talvez seja a criação mais original que a literatura brasileira já produziu. Lançado em 1956. o livro conta, num texto caudaloso, que despreza o recurso da narração em capítulos, a fabulosa história de Riobaldo, um ex-jagunço do norte de Minas Gerais. Fazendeiro pacato, vivendo às margens do São Francisco, Riobaldo narra histórias de perseguição, violência e vingança, mas sobretudo a desventura de seu amor por Diadorim - que ele conhecera como Reinaldo e só com sua morte fica sabendo que se tratava de uma mulher.

ALEGORIA E VERSOS - As maiores qualidades de Macunaíma (1928), de Mário de Andrade, e Triste Fim de Policarpo Quaresma (1915), de Lima Barreto, são outras. Ambos se batem na questão da nacionalidade. Macunaíma, o "herói sem nenhum caráter", retrata, nas palavras do próprio Mário, "uma alegoria dos destinos do Brasil". Já o major Quaresma, senhor das riquezas do país, é tido como louco ao propor que o tupi seja adotado como idioma oficial em lugar do português. A ironia é evidente. Estruturado a partir de contos independentes e harmônicos, que encadeados formam um dos melhores romances já escritos no idioma, Vidas Secas é uma lição de como se deve contar urna história. É econômico, contundente e, como poucos, impecável na combinação entre o que narra e a forma de narrar à secura da vida de Fabiano e os seus se acopla a linguagem depurada de Graciliano.

Fogo Morto é uma síntese da obra de Lins do Rego, o mais acabado testemunho literário sobre a agonia do Brasil dos engenhos do Nordeste. Gabriela romance de costumes ambientado em Ilhéus e narrado numa linguagem que prima pela agilidade, desenvolve-se em dois planos: o das disputas políticas e o do amor, em especial do sírio Nacib pela fogosa personagem-titulo. Já O Tempo e o Vento é uma ambiciosa trilogia do escritor gaúcho Érico Veríssimo, iniciada em 1949 e concluída em 1962. Através da saga da família Terra-Cambará, Veríssimo conta a História do Rio Grande do Sul. Como ciclo romanesco é insuperável no Brasil e produziu pelo menos um personagem inesquecível, o capitão Rodrigo.

Iracema (1865) de José de Alencar, é, no fundo, um poema em prosa, como já observara Machado de Assis. O livro, composto de capítulos curtos, em linguagem trabalhadíssima. com vocabulário rico e imagens românticas, conta de forma lírica a história da personagem-título e de seu amor pelo branco Martim. O Ateneu (1888), de Raul Pompéia, é uma espécie de "romance de formação" de um adolescente. O jovem é Sérgio, que vive num internato e tem traços autobiográficos. A poesia aparece no cânone em três volumes de obras completas: de Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e Gregório de Matos. No caso dos dois primeiros, que publicaram livros em vida, a indicação das Poesias Completas foi justificada pelos votantes com o argumento de que temiam privilegiar apenas urna fase dos autores em detrimento de outra.




Celso Furtado

Economista e ex-ministro
do Planejamento


. Dom Casmurro
Machado de Assis
. O Guarani
José de Alencar
. Vidas Secas
Graciliano Ramos
. Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa
. Gabriela, Cravo e Canela
Jorge Amado
. Meninos de Engenho
José Lins do Rego
. Macunaíma
Mário de Andrade
. O Ateneu
Raul Pompéia
. Quarup
Antonio Callado
. O Lustre
Clarice Lispector
. Casa-Grande & Senzala
Gilberto Freyre
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Minha Formação
Joaquim Nabuco
. Raízes do Brasil
Sérgio Buarque de Holanda
. Formação do Brasil Contemporâneo
Caio Prado Júnior
. Formação da Literatura Brasileira
Antonio Candido
. Aves do Brasil
Augusto Ruschi
. Oscar Niemeyer
Oscar Niemeyer
. Exposição aos Credores
Visconde de Mauá
. Fluxo e Refluxo
Pierre Vergé
 

Wilson Martins

Crítico literário


. A Cultura Brasileira
Fernando de Azevedo
. Quincas Borba
Machado de Assis
. Formação da Literatura Brasileira
Antonio Candido
. O Guarani
José de Alencar
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Casa-Grande & Senzala
Gilberto Freyre
. Dom João VI no Brasil
Manuel de Oliveira Lima
. Primeiros Cantos
Gonçalves Dias
. Contribuição à História das Idéias no Brasil
Cruz Costa
. A Literatura no Brasil
Afrânio Coutinho
. Rio Branco
Álvaro Lins
. História do Positivismo no Brasil
Ivan Lins
. História da Inteligência Brasileira
Wilson Martins
. Panorama do Movimento Simbolista Brasileiro
Andrade Murici
. Um Estadista do Império
Joaquim Nabuco
. O Livro, o Jonrla e Tipografia no Brasil
Carlos Rizzini
. História da Literatura Brasileira
Sílvio Romero
. A Rosa do Povo
Carlos Drummond de Andrade
. Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa
. Populações Meridionais do Brasil
Oliveira Vianna

 

Alfredo Bosi

Professor de literatura, ensaísta e crítico literário

. Poesias Completas
Gregório de Matos
. O Uruguai
Basílio da Gama
. Poesias Completas
Gonçalves Dias
. Iracema
José de Alencar
. Dom Casmurro
Machado de Assis
. O Abolicionismo
Joaquim Nabuco
. O Ateneu
Raul Pompéia
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Triste Fim de Policarpo Quaresma
Machado de Assis
. Macunaíma
Mário de Andrade
. Vidas Secas
Graciliano Ramos
. Fogo Morto
José Lins do Rego
. Formação do Brasil Contemporâneo
Caio Prado Júnior
. Formação da Literatura Brasileira
Antonio Candido
. Casa-Grande & Senzala
Gilberto Freyre
. Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa
. Poesias Completas
Carlos Drummond de Andrade
. Poesias Completas
Manuel Bandeira
. Laços de Família
Clarice Lispector
. O Escravismo Colonial
Jacob Gorender

 

"HOMEM CORDIAL" - Entre os ensaios, o cânone publicado por VEJA apresenta obras-chave, três delas publicadas num espaço inferior a dez anos que, verifica-se agora, concentrou um príodo riquíssimo da cultura brasileira: Casa-Grande & Senzala, de Gilberto Freyre. de 1933; Raízes do Brasil. de Sérgio Buarque de Holanda, de 1936; e Formação do Brasil Contemporâneo, de Caio Prado Júnior, de 1942. Mais bem-sucedido arquiteto daquela visão do Brasil como um país diferente dos demais, onde as diferenças de cor e classe social sempre se harmonizaram com benefícios para ambas as partes, Gilberto Freyre fez uma obra que é, acima de tudo, muito agradável de ler.

Partindo da idéia de que "somos ainda hoje uns desterrados, em nossa terra", uma vez que as instituições brasileiras nasceram de sementes trazidas "de países distantes de nossas formas de convívio", Sérgio Buarque de Holanda, em Raízes do Brasil, explora o conceito de "homem cordial", a síntese do perfil do caráter do brasileiro. "A lhaneza no trato, a hospitalidade, a generosidade representa, com efeito, um traço definido do caráter brasileiro na medida ao menos em que permanece ativa e fecunda a influência ancestral dos padrões de convívio humano, informados no meio rural e patriarcal", escreve Buarque de Holanda.

DIDATISMO - Ler Formação do Brasil Contemporâneo, de Caio Prado Júnior, é entrar em contato com a obra mais importante de um dos raros intelectuais marxistas; de porte do país. No livro, Prado Júnior expõe uma visão pioneira, a época, do peso da colonização na constituição da nação e mostra, com brilho que permanece atual em vários momentos, que "os problemas brasileiros de hoje, os fundamentais, pode-se dizer que já estavam definidos e postos em equação há 150 anos".

Escrito com o propósito de ser "tão-somente um esboço do processo histórico de formação da economia brasileira", o livro Formação Econômica do Brasil, de Celso Furtado, tem uma qualidade rara em obras dessa área: a clareza. Em menos de 250 páginas, Furtado traz à tona mais de quatro séculos de história econômica do país. É de longe, a introdução mais didática e influente que se escreveu sobre o tema. Num espírito semelhante, Raymundo Faoro publicou em 1958 os dois volumes de Os Donos do Poder. Neles, repassa a formação sociopolítica do país, das origens do Estado Português até Getúlio Vargas. A prosa é difícil, tortuosa, mas o resultado final é um insuperável retrato do comportamento daqueles que, ao longo dos século se tomaram e reproduziram como, justamente, "os donos do poder".

Em Formação da Literatura Brasileira, de Antonio Candido, há um esforço notável em harmonizar duas visões dispares que em geral caracterizam ensaios desse tipo: a que se apóia na evolução histórica e aquela que privilegia os experimentos formais. Encerra o cânone uma biografia Um Estadista do Império, livro que Joaquim Nabuco escreveu sobre seu pai, senador José Thomaz Nabuco de Araujo. De todas as obras do cânone, é a única que saiu de catálogo e não se encontra disponível nas livrarias.




João Ubaldo Ribeiro

Escritor, membro da
Academia Brasileira de Letras


. Sermões
Antônio Vieira
. Formação do Brasil Contemporâneo
Caio Prado
. Espumas Flutuantes
Castro Alves
. Romanceiro da Inconfidência
Cecília Meireles
. O Tempo e o Vento
Érico Veríssimo
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Casa-Grande & Senzala
Gilberto Freyre
. Vidas Secas
Graciliano Ramos
. Poesias Completas
Gregório de Matos
. Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa
. Terceira Feira
João Cabral de Melo Neto
. Ensaios
João Ribeiro
. Mar Morto
Jorge Amado
. Invenção de Orfeu
Jorge de Lima
. Iracema
José de Alencar
. Triste Fim de Policarpo Quaresma
Lima Barreto
. Dom Casmurro
Machado de Assis
. Macunaíma
Mário de Andrade
. Obra Infantil
Monteiro Lobato
. Raízes do Brasil
Sérgio Buarque de Holanda
 

Roberto Campos

Economista e ex-ministro do Planejamento (1964-1967)

. Casa-Grande & Senzala
Gilberto Freyre
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Memórias Póstumas de Brás Cubas
Machado de Assis
. Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa
. Ensaios Analíticos
Mario Henrique Simonsen
. Formação Econômica do Brasil
Celso Furtado
. Liberalismo Antigo e Moderno
José Guilherme Merquior
. Um Estadista do Império
Joaquim Nabuco
. Instituições Políticas Brasileiras
Oliveira Vianna
. História da Literatura Brasileira
Sílvio Romero
. História da Inteligência Brasileira
Wilson Martins
. Raízes do Brasil
Sérgio Buarque de Holanda
. Os Donos do Poder
Raymundo Faoro
. Filosofia do Direito
Miguel Reale
. Princípios de Economia Monetária
Eugênio Gudin
. Comentários ao Código Civil
Pontes de Miranda
. Poesias Completas
Gregório de Matos
. Cartas da Inglaterra
Rui Barbosa
. O Índio Brasileiro e a Revolução Francesa
Afonso Arinos
. Poesias Completas
Carlos Drummond de Andrade
 

José Paulo Paes

Poeta e tradutor


. Poesias Completas
Gregório de Matos
. Marília de Dirceu
Tomás Antônio Gonzaga
. Memórias de um Sargento de Milícias
Manuel Antônio de Almeida
. Os Escravos
Castro Alves
. O Cortiço
Áluísio Azevedo
. Memórias Póstumas de Brás Cubas
Machado de Assis
. Dom Casmurro
Machado de Assis
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Eu
Augusto dos Anjos
. Triste Fim de Policarpo Quaresma
Lima Barreto
. Macunaíma
Mário de Andrade
. A Saga do Sítio do Picapau Amarelo
Monteiro Lobato
. Fogo Morto
José Lins do Rego
. Vidas Secas
Graciliano Ramos
. Poesias Completas
Manuel Bandeira
. Poesias Completas
Carlos Drummond de Andrade
. Casa-Grande & Senzala
Gilberto Freyre
. Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa
. O Tempo e o Vento
Érico Veríssimo
. Gabriela, Cravo e Canela
Jorge Amado


RURAL X URBANO
- Um primeiro exame da lista mostra que ali está representado apenas um pedaço do Brasil. Isso porque o Brasil do cânone é muito mais rural do que urbano. Lá está o grande sertão, os sertões, as vidas secas. Mas não há grandes espaços para o Brasil urbano. Uma explicação é histórica. O Brasil de hoje é um país urbano, mas foi no campo que se forjaram os veios mais ricos e permanentes de sua cultura. "O Brasil passou quatro séculos voltado para o campo. Nosso processo de urbanização e industrialização teve início há apenas cinqüenta anos. É natural que a reflexão sobre esse passado domine as preocupações dos intelectuais e tivesse gerado, por exemplo, o mundo de um Guimarães Rosa", explica Alfredo Bosi, professor da Universidade de São Paulo. A explicação faz nexo. mas também envolve uma questão de opinião. Clarice Lispector recebeu apenas três votos. insuficientes para colocá-la na lista. Será que sua obra não é superior à de José Lins do Rego?

O Brasil que a lista revela tem um aspecto semelhante ao país de todos os dias. que trouxe à teoria, mais uma vez, o debate em tomo da questão de sua identidade como nação. Dos 22 livros destacados, essa preocupação aparece em nove obras: Os Sertões, Casa Grande & Senzala. Raízes do Brasil, Formação do Brasil Contemporâneo, Formação Econômica do Brasil, Formação da Literatura Brasileira, Os Donos do Poder, Macunaíma e Triste Fim de Policarpo Quaresma. "Se uma pesquisa como essa fosse feita num país de identidade cultural solidificada, como a França, por exemplo, ninguém incluiria no cânone nenhum livro do tipo Formação da Literatura Francesa , a não ser que ele tivesse sido escrito por Charles Baudelaire - e aí entraria pela força do autor, e nunca por seu caráter canônico", raciocina o professor da PUC, de São Paulo, e editor Arthur Nestrovskí. "No fundo, se eu tivesse de definir o caráter do homem brasileiro, eu diria que se trata não do 'homem cordial', mas do 'homem inseguro' uma insegurança que nasce justamente dessa incerteza quanto ao que ele é-, diz o poeta Ferreira Gullar.

Lembrando que apenas um dos 22 livros não se encontra em livrarias, irias apenas em sebos, é lícito afirmar que o cânone está composto de obras que têm sido lida pelos brasileiros com tempo e gosto para isso. Como catorze dos 22 livros do cânone são obras de ficção ou poesia, é certo que boa parte de sua popularidade esteia relacionada. à escola ou aos exames vestibulares. É verdade que nenhuma das treze obras de literatura brasileira que integram a lista do vestibular da Fuvest, o principal do país, neste ano, aparece no cânone. Ocorre, porém, que a Fuvest estabelecem agora uma lista de 131 livros, de literatura portuguesa e brasileira, dos quais se escolherá a cada ano de oito a doze obras, que cairão no exame vestibular. De um ano para outro, de quatro a seis livros serão trocados.

A idéia da comissão que escolhe as obras é estimular a leitura de um maior número de livros. Naturalmente, da lista primária de 131 obras fazem parte os catorze livros de ficção ou poesia que aparecem no cânone. Já a lista de livros que cairão no vestibular deste ano da PUC de São Paulo contempla sete obras, de um total de onze, que se encontram no cânoine. As listas de vestibular refletem, em certa medida. o que o aluno lê no 2º grau. O currículo do colegial da rede pública carioca privilegia várias das obras do cânone. Neste ano, os alunos do Colégio Estadual André Maurois, por exemplo, do Leblon, Zona Sul do Rio, leram Vidas Secas e trechos de Os Sertões, além de entrar em contato com a obra de Guimarães Rosa e Lima Barreto através de contos. Já os alunos do 2' grau do Centro Educacional Anísio Teixeira Ceat, uma escola particular do centro do Rio, leram três obras do cânone: Memórias Póstumas de Brás Cubas, Macunaíma e Triste Fim de Policarpo Quaresma.




Ferreira Gullar

Poeta

. Memórias Póstumas de Brás Cubas
Machado de Assis
. Iracema
José de Alencar
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Últimos Cantos
Gonçalves Dias
. Eu
Augusto dos Anjos
. Macunaíma
Mário de Andrade
. Vidas Secas
Graciliano Ramos
. Fogo Morto
José Lins do Rego
. Gabriela, Cravo e Canela
Jorge Amado
. Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa
. Laços de Família
Clarice Lispector
. Libertinagem
Manuel Bandeira
. A Rosa do Povo
Carlos Drummond de Andrade
. Poesia Liberdade
Murilo Mendes
. Duas Águas
João Cabral de Melo Neto
. Vestido de Noiva
Nelson Rodrigues
. O Pagador de Promessas
Dias Gomes
. Formação Histórica do Brasil
Nelson Werneck Sodré
. Raízes do Brasil
Sérgio Buarque de Holanda
. O Cobrador
Rubem Fonseca
 

Francisco Iglésias

Historiador

. O Brasil na História
Manuel Bonfim
. História Concisa da Literatura Brasileira
Alfredo Bosi
. Formação da Literatura Brasileira
Antonio Candido
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Os Donos do Poder
Raymundo Faoro
. A Revolução Burguesa no Brasil
Florestan Fernandes
. Casa-Grande & Senzala
Gilberto Freyre
. Formação Econômica do Brasil
Celso Furtado
. Raízes do Brasil
Sérgio Buarque de Holanda
. Coronelismo, Enxada e Voto
Vitor Nunes Leal
. Macunaíma
Mário de Andrade
. Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa
. Um Estadista do Império
Joaquim Nabuco
. Consciência e Realidade Nacional
Álvaro Vieira Pinto
. Formação do Brasil Contemporâneo
Caio Prado Jr.
. Aspirações Nacionais
José Honório Rodrigues
. Memórias Póstumas de Brás Cubas
Machado de Assis
. A Política Geral do Brasil
José Maria dos Santos
. Introdução à Revolução Brasileira
Nelson Werneck Sodré
. O Tempo e o Vento
Érico Verísssimo
 

Roberto Damatta

Antropólogo

. O Alienista
Machado de Assis
. Os bruzundangas
Lima Barreto
. Gabriela, Cravo e Canela
Jorge Amado
. Sagarana
Guimarães Rosa
. Gato Preto em Campo de Neve
Érico Veríssimo
. Formação Econômica do Brasil
Celso Furtado
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Casa-Grande & Senzala
Gilberto Freyre
. Raízes do Brasil
Sérgio Buarque de Holanda
. Bandeirantes e Pioneiros
Viana Moog
. Dialética da Malandragem
Antonio Candido
. O Messianismo no Brasil e no Mundo
Maria Isaura de Queiroz
. O Negro no Mundo dos Brancos
Florestan Fernandes
. Tanto Preto Quanto Branco
Oracy Nogueira
. Da Monarquia a República
Emília Viotti da Costa
. Capitalismo Autoritário e Campesinato
Otávio Velho
. Quarto de Despejo
Carolina de Jesus
. Brasil aos Trancos e Barrancos
Darcy Ribeiro
. A Vida como Ela É
Nelson Rodrigues
. Macunaíma
Mário de Andrade


AVES
- A compreensão do que seria importante para a cultura do país variou muito de um para outro intelectual. Com isso, as listas individuais estão repletas de obras desconhecidas da imensa maioria do público e de outras que chamam a atenção pelo inusitado da escolha. Na seleção de Celso Furtado, por exemplo, aparece o livro Aves do Brasil, de Augusto Ruschi - o naturalista que, ironicamente, morreu envenenado por um sapo em 1986. Na lógica de Furtado, a inclusão de Aves do Brasil faz todo o sentido. "Não é possível que alguém que queira conhecer o país através de livros não leia nada sobre fauna ou flora brasileira, que são tão importantes em nossa cultura". ele explica. 0 mesmo critério levou Furtado a incluir em sua lista a autobiografia de Oscar Niemeyer. Ele foi o único a votar nessa obra. Roberto Campos votou em Comentários ao Código Penal, de Pontes de Miranda. um clássico dos estudos de Direito, "que marcou diversas gerações".

Quem se dispuser a comprar os livros do cânone disponíveis em livrarias irá desembolsar 530 reais. Obedecendo a um ritmo razoável, de 25 páginas por dia, levará cerca de um ano e meio para desincumbir-se da tarefa de ler as 22 obras da lista. Há várias formas para se enfrentar a empreitada. A exemplo do que recomendam os professores de cursinho, uma das maneiras possíveis é começar pelas leituras ficcionais mais leves, como Gabriela Cravo e Canela. Nesse método, ensaios densos e caudalosos, como Casa-Grande & Senzala, seriam deixados para o final da leitura.

Outra maneira de se empreender a leitura é seguir justamente o contrário, ou seja, começar pelos ensaios para depois se dedicar à ficção. "O leitor deve começar por Formação do Brasil Contemporâneo, que fornece um primeiro panorama da cultura brasileira num estilo claro e nada personalista", recomenda Antonio Medina Rodrigues, professor de Literatura da Universidade de São Paulo. Por último, Mediria recomenda a leitura de Drummond, que considera "a síntese mais fina e profunda da cultura brasileira".




Josué Montello

Escritor, presidente da Academia Brasileira


. Poesias Completas
Gregório de Matos
. Marília de Dirceu
Tomás Antônio Gonzaga
. Cantos
Gonçalves Dias
. Espumas Flutuantes
Castro Alves
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Memórias de um Sargento de Milícias
Manuel Antônio de Almeida
. Broquéis
Cruz e Sousa
. Um Estadista do Império
Joaquim Nabuco
. Jornal de Timon
João Francisco Lisboa
. Dom Casmurro
Machado de Assis
. Casa-Grande & Senzala
Gilberto Freyre
. Lira dos Cinquet'Anos
Manuel Bandeira
. Fogo Morto
José Lins do Rego
. O Tempo e o Vento
Érico Veríssimo
. Segredos da Infância
Augusto Meyer
. Os Velhos Marinheiros
Jorge Amado
. Macunaíma
Mário de Andrade
. Morte e Vida Severina
João Cabral de Melo Neto
. Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa
. Os Donos do Poder
Raymundo Faoro
 

Luís Costa Lima

Professor de literatura e ensaísta

. Iracema
José de Alencar
. Memórias Póstumas de Brás Cubas
Machado de Assis
. Quincas Borba
Machado de Assis
. Um Estadista do Império
Joaquim Nabuco
. Os Sertões
Euclides da Cunha
. Casa-Grande & Senzala
Gilberto Freyre
. Instituições Políticas Brasileiras
Oliveira Vianna
. A América Latina
Manoel Bonfim
. Macunaíma
Mário de Andrade
. Memórias Sentimentais de João Miramar
Oswald de Andrade
. Serafim Ponte Grande
Oswald de Andrade
. Libertinagem
Manuel Bandeira
. Sentimento do Mundo
Carlos Drummond de Andrade
. Poesia Liberdade
Murilo Mendes
. A Educação pela Pedra
João Cabral de Melo Neto
. Grande Sertão: Veredas
Guimarães Rosa
. Angústia
Graciliano Ramos
. Menina Morta
Cornélio Pena
. Visão do Paraíso
Sérgio Buarque de Holanda
. Triste Fim de Policarpo Quaresma
Lima Barreto
 
 
voltar



VEJA on-line | VEJA Educação
copyright © 2001 - Editora Abril S.A. - todos os direitos reservados