Edição 1 636 - 16/2/2000
 

A seguir, os depoimentos dos homossexuais que resolveram compartilhar suas histórias com nossos leitores. As entrevistas, realizadas pela editora-assistente Daniela Pinheiro, são exclusivas da edição on-line de VEJA

 

Minha vida é cada dia melhor

Alcancei hoje um patamar invejável. Tenho um excelente emprego, uma vida confortável e amigos excepcionais. Mas, obviamente, a coisa não foi assim desde o começo. É muito difícil esperar que se trate o homossexual de forma não agressiva. Parece que isso já está enraizado na cabeça das pessoas. Perdi as contas do número de vezes em que me senti em situações absolutamente constrangedoras ou que percebi muito bem a intolerância nos olhos das pessoas com quem eu conversava. Tento entender, mas não consigo. Como a minha sexualidade pode ser tão agressiva aos outros? Não fico aparecendo, sou discreto, procuro não incomodar ninguém. Mesmo assim, por muito tempo pareceu que as pessoas entendiam isso até como provocação. Quando parei de pensar, de me preocupar e me estressar com essa situação, a coisa ficou mais leve. E, desde então, minha vida é cada dia melhor. Tenho um namorado de 23 anos, saímos quase todos os dias, temos uma vida maravilhosa.
Clóvis Casemiro, 41 anos, gerente do Caesar Park Hotel de Fortaleza e presidente da IGLTA, a empresa que reúne todas as agências de viagens GLS no mundo
ccasemiro@truenet-ce.com.br

 

Não é uma escolha. É uma vontade

Aos 18 anos, resolvi contar para minha família. O motivo é que eu não agüentava mais viver uma vida de mentiras e fingimentos. Dos 16 aos 18 anos, foi só isso o que aconteceu. Eu ia a boates gays, ficava com vários caras, adorava, me divertia, mas quando chegava em casa eu tinha de dizer que tinha saído com fulano ou sicrana. Muitas vezes eu me perguntava por que as pessoas são homossexuais. É uma vida muito difícil, cheia de preconceito. Mas eu nunca encontrei uma explicação. O que de mais razoável vem à minha cabeça é uma comparação um tanto esdrúxula. Por exemplo: eu não gosto de peixe. Eu gosto de carne com gordura. Por que será que eu não gosto de peixe? É a mesma dúvida que se tem ao tentar entender uma coisa que é inerente à sua vida, à sua pessoa, não é uma escolha. É uma vontade.
Caio Varella, 26 anos, estudante de filosofia de Brasília

 

Minha situação é a exceção da exceção

Venho de uma família que nunca encarou de forma dramática minha homossexualidade. Foi tudo muito fácil, as conversas, a revelação, a convivência. Agora, é muita ingenuidade achar que o mundo gay é assim, sempre cor-de-rosa. Quando se tem notícia de que um homossexual estava andando na rua e só por isso foi atacado, espancado e morto, é a prova de que não é uma vida fácil. O preconceito burro e intransigente corre pelas veias de muitos. A minha situação pessoal e de relações com minha família é como se eu vivesse numa ilha. É a exceção da exceção da exceção.
André Fischer, 34 anos, diretor do Mix Brasil, o maior festival de cinema GLS da América Latina
www.mixbrasil.com.br
mixbrasil@uol.com.br

 

Tentei até me matar

Quando comecei a perceber que eu sentia atração por outros homens, aquilo se tornou horrível para mim. Eu me sentia mal, me sentia diferente, me sentia a pior das pessoas. Eu ficava trancado o dia inteiro em casa. Não queria encontrar outras pessoas nem falar com ninguém. Eu tinha vergonha de mim e dos meus desejos. Tentei até me matar. Eu me sentia uma pústula social. E nunca tinha nem beijado, nem encostado em outro homem com essa conotação sexual. Um dia, ouvi na televisão a história do Matthew Shepard, um garoto de 21 anos que tinha sido atado a uma cerca, barbaramente espancado e abandonado para morrer numa temperatura congelante por dois colegas de faculdade. Eles fizeram isso só porque o cara era gay. Aquilo despertou em mim um sentimento estranho. Decidi que eu tinha de me assumir e lutar pelo direito dos homossexuais de qualquer maneira. Como era possível uma pessoa morrer só porque ama outra? Só porque sente atração por alguém do mesmo sexo? Nesse dia, contei para a minha família, que teve uma reação muito mais amena do que eu imaginava.
Yuzuru Abreu, 23 anos, estudante de química e responsável por um dos mais visitados sites GLS do Brasil, o Pagla
www.pagla.com.br
yuzuru@base.com.br

 

O primeiro beijo foi inesquecível

Desde os 14 anos, eu sentia que era diferente. Não gostava das piadas vulgares nem do ambiente hostil que era o dos garotos. Fui morar numa república no Rio de Janeiro e conheci um homem mais velho, que se tornou uma referência para mim. Eu vivi esse amor platônico durante anos, mas a sexualidade era algo que me apavorava. Eu tinha medo e vergonha. Não me masturbava, não falava sobre sexo, não gostava de tocar nesse assunto. Aos 16 anos, me mandou para um curso preparatório para sargentos da Aeronáutica. O clima lá era estranho. Eu me sentia atraído por alguns colegas, mas ficava na minha. Foi assim durante anos. Eu sabia o que acontecia comigo, mas tentava me desviar dessa rota. Por isso, namorei várias garotas e cheguei a ficar noivo de uma delas. Minha mãe, quando estava em seu leito de morte, pediu para que eu me casasse logo. Até hoje não sei se ela era desconfiada da minha homossexualidade e, portanto, queria uma garantia ou se foi um pedido normal de qualquer mãe. Aquilo piorou minhas dúvidas. Finalmente, fui morar em São Paulo e lá conheci uma pessoa muito especial. Ele era casado com uma mulher e tinha um filho. Nós trabalhávamos juntos na parte administrativa da Legião da Boa Vontade, LBV. Ele é filho do Paiva Netto, o presidente, e por isso eu me mantinha a distância. Começamos a ficar muito amigos, muito próximos, e eu entendi que aquilo tudo era a explosão da minha sexualidade. Estávamos numa rua deserta, voltando de um jantar, quando eu segurei sua mão. Ele se virou, ficamos em silêncio e me beijou com muito amor. Apesar de todas as dificuldades, estamos juntos há seis anos.
Pedro Zarur, 28 anos, editor de livros
pedroafaro@zipmail.com.br

 

É muito difícil

Viver como homossexual é muito difícil. Você pode estar bem resolvido com sua família e amigos. Mas não conheço ninguém que não tenha sentindo o olhar de desprezo de um recepcionista de um hotel na hora de pedir um quarto com uma cama de casal para dois homens.
Davi Bertges, 36 anos, dono da agência de turismo GLS Tropicalis
tropivia@uol.com.br

 

Estamos noivos, de casamento marcado

Até os 20 anos, assumir minha homossexualidade foi uma barra pesadíssima. A gente só pensa na família, nos vizinhos, nos conhecidos. Eu imaginava quanto estaria a desagradando minha mãe com isso, já que meu pai morreu quando eu tinha 15 anos. Meus primos e irmãos faziam mil piadas sobre gays. Quando alguém os fechava no trânsito, a primeira coisa que gritavam era: ‘Veado!’Por isso, eu sempre me senti uma ovelha negra. Sentia que seria o único que não cumpriria a missão de casar, ter filhos, como tinham feito todos os meus irmãos. Quando vim para São Paulo fazer faculdade parece que tudo ficou mais fácil. Comecei a conviver com pessoas diferentes, de mentes abertas, que não achavam que todo gay é um marginal. Todo o período da minha faculdade foi de imensas descobertas. Mudei minha opinião sobre tudo. Aos 25 anos, resolvi contar para minha família. Contei separadamente para cada um. Menos para meus irmãos, que certamente iriam rir na minha cara. A primeira vez de falar é a pior. Me deu até falta de ar. Mas depois, à medida que ia falando, que ia me expondo, me sentia cada vez mais fortalecido. O fato de morar longe da família também é um amenizador de conflitos. Hoje, depois de dez anos, quando encontro minha mãe, o assunto é tratado de outra forma. Ela faz até brincadeiras falando que vai arrumar uma noiva para que eu não fique ‘pra titio’. Há oito anos, tenho um companheiro estável. Estamos noivos, usando aliança, e de casamento marcado. Vamos fazer uma linda celebração na Comunidade Cristã Gay.
Elias Lilikan, 34 anos, diretor do cursinho pré-vestibular GLS
caehusp@writeme.com

 

Saiba mais

Livraria Futuro Infinito
Literatura erótica e temas sobre sexualidade

ABGLT
Associação Brasileira de Gays, Lésbicas e Travestis
Comunidade Cristã Gay de São Paulo
Organização da Parada do "Orgulho Gay"
CEPCoS
Centro de Estudos e Pesquisas em Comportamento e Sexualidade
GAI
Grupo Arco-Íris de Conscientização Homossexual
Grupo Dignidade de Conscientização e Emancipação Homossexual
Claudio Picazio
Psicólogo especialista em atendimento de homossexuais
Nelson Feitosa
Editora da revista Sui Generis, voltada ao público gay
Franco Reinaudo
Proprietário da agência de turismo GLS Álibi Tours
Edições GLS
Literatura sobre sexualidade