Veja na História Vídeo Áudio
  A MORTE DE MARTIN LUTHER KING
NESTA EDIÇÃO
A morte do pastor no Tennessee
  Os distúrbios violentos nos EUA
  Os discursos marcantes de King
  Trajetória: do seminário à capital
  Rosa Parks: o ônibus da história
  A longa luta dos negros nos EUA
VÍDEOS
Índice
EDIÇÃO EXTRA
VEJA, Abril de 1968
Martin Luther King, líder da causa dos direitos civis nos
Estados Unidos, é morto com um tiro de rifle num hotel de Memphis.
A polícia caça um suspeito. O país entra em ebulição
Na cena do crime: King (o terceiro da esq. para a dir.) na sacada do Lorraine; um dia depois, ele morreria naquele exato local

O sonho radiante da conquista da liberdade, dos direitos civis reconhecidos e da harmonia racial nos Estados Unidos transformou-se num amargo pesadelo na tarde da última quinta-feira 4, em Memphis, no Tennessee. Martin Luther King Jr., de 39 anos, pastor batista e herói da luta dos negros americanos por igualdade, foi assassinado na varanda do segundo andar do Hotel Lorraine, onde estava hospedado. Laureado com o prêmio Nobel da Paz de 1964, o "doutor King", como era conhecido, conversava com integrantes de sua comitiva, pouco antes de sair para jantar, quando foi atingido no lado direito do pescoço por um único e fatal projétil de alto calibre, disparado de uma distância estimada entre 50 e 100 metros. A bala explodiu sua mandíbula e o arremessou contra a parede interna do edifício. King ainda foi levado para o hospital Saint Joseph, próximo dali. Menos de uma hora depois do brutal atentado, foi declarado morto. A polícia de Memphis, que ainda não identificou o atirador, está à procura de um homem de cerca de 30 anos, vestindo terno e gravata pretos, visto por testemunhas deixando as redondezas em um Mustang último modelo. O suspeito é branco.

Último discurso: 'Eu vi a Terra Prometida'

A chocante notícia do assassinato de Luther King causou tumulto em Memphis e levou o governador do Tennessee, Bufford Ellington, a convocar 4.000 homens da Guarda Nacional e impor um toque de recolher aos 550.000 habitantes da cidade - 40% dos quais são negros. Nas horas seguintes ao crime, 60 pessoas foram presas em Memphis. A agitação alastrou-se de imediato para outros 110 municípios americanos, nos quais foram registrados confrontos de civis com policiais, incêndios e saques a residências e comércios. O saldo de 39 mortos e mais de 2.500 feridos é o sombrio prenúncio de uma onda de violência racial que preocupa sobremaneira o governo de Lyndon Johnson. Num pronunciamento de televisão transmitido menos de uma hora depois do anúncio do assassinato, o presidente conclamou os americanos a rejeitar a "violência cega" que tirou a vida de King. "A divisão da população americana e o desrespeito à lei não nos levarão a lugar algum", observou Johnson, que no passado já havia recebido o líder negro no Salão Oval da Casa Branca.

Apelos semelhantes vieram de figuras eméritas e díspares da malha social americana. Roy Wilkins, diretor-executivo da National Association for the Advancement of Colored People (NAACP), maior e mais influente organização de direitos civis dos Estados Unidos, afirmou que King estaria "ultrajado" com os tumultos. Robert F. Kennedy, ainda em campanha para a indicação do Partido Democrata à eleição presidencial, fez um discurso emocionado em Indianápolis, onde clamou pela união popular. "Neste momento tão difícil, devemos nos perguntar que tipo de nação somos e para que direção queremos seguir. Podemos optar pelo ódio, pela polarização entre brancos e negros; ou podemos fazer um esforço, como Martin Luther King o fez, para entender e compreender, e para trocar a violência, essa mancha de sangue que se espalhou por nossa terra, por um esforço de compaixão e amor." Até mesmo militantes mais radicais, como Charles "37X" Kenyatta, do Harlem, e Ron Karenga, de Los Angeles, subiram em carros de som a fim de dissipar a animosidade latente na comunidade negra. "Vamos nos manter calmos pelo doutor", diziam a seu público.

Fora do controle: policial ataca saqueador

Premonição - Por ironia, foi justamente a tentativa de manutenção da calma e da ordem que levou Martin Luther King de volta a Memphis na última quarta-feira, véspera do crime. Uma semana antes, o admirado ativista dos direitos civis, que presidia a Conferência Sulista de Liderança Cristã (SCLC, na sigla em inglês), estivera na cidade para liderar uma marcha em apoio à greve de 1.300 funcionários negros da limpeza pública por melhores condições de trabalho e salários decentes - paralisação que já durava dois meses, sem concessões do intransigente prefeito Henry Loeb. Trabalhadores de diversas áreas e estudantes aderiram ao movimento, que, no início do mês, já reunira mais de 25.000 pessoas para um sermão do próprio reverendo. Entretanto, no dia 28 de março, a selvageria tomou conta da mobilização, que saiu por completo do controle dos seus organizadores. Lojas do centro da cidade foram pilhadas e houve um violento confronto entre os manifestantes e a polícia. Duzentas pessoas acabaram presas, 62 ficaram feridas e um rapaz de 16 anos foi alvejado à morte.

De acordo com seus auxiliares, Martin Luther King, que planejava para o final de abril um ato em Washington em favor dos negros e brancos assacados pela pobreza no Sul do país - marco inicial de sua "Campanha das Pessoas Pobres", nova menina dos olhos do pastor de Atlanta -, chegou a pensar em não voltar mais a Memphis depois dos distúrbios. Entretanto, decidiu que era necessária uma nova aparição na cidade de modo a colocar em prática seu discurso, mostrando à população local que a não-violência era a melhor arma na luta pela justiça econômica e social. "Memphis será uma Washington em miniatura", declarou. Os dirigentes da SCLC dividiram-se, mas por fim aprovaram a viagem de seu presidente ao Tennessee, esperando apagar a imagem negativa deixada uma semana antes pelos grevistas.

Traslado do corpo: a caminho de Atlanta

O líder desembarcou em Memphis na manhã do último dia 3, num vôo da Eastern Airlines cuja decolagem do aeroporto de Hartsfield, em Atlanta, foi atrasada por conta de ameaças de uma bomba a bordo - um esquadrão canino vasculhou as bagagens, sem nada encontrar. O reverendo se hospedou no quarto 306 do modesto Lorraine, de um casal de proprietários negros, localizado próximo à famosa Rua Beale e ao Templo Mason, sede da Igreja de Deus em Cristo e ponto de partida e de chegada das marchas pelos grevistas. Ali, naquela noite, estava programado um sermão de Martin Luther King aos trabalhadores. Uma tempestade atingiu Memphis ao escurecer, e um público frustrantemente pequeno acompanhou o que seria o último discurso do ativista, em que parecia estar pressentindo a própria morte. King mencionou o episódio da bomba no aeroporto de Atlanta e assegurou manter a serenidade diante das ameaças constantemente dirigidas a ele.

"Cheguei a Memphis e alguns já começaram a lançar ameaças, ou comentar as ameaças que estão por aí, ou o que alguns irmãos brancos doentes iriam fazer comigo", começou ele. Em seguida, o premonitório anúncio. "Bem, eu não sei o que virá agora. Teremos dias difíceis pela frente. Mas isso não importa para mim agora porque eu subi ao topo da montanha. Não me importo mais. Como qualquer pessoa, eu gostaria de ter uma vida longa. A longevidade é boa. Mas não estou mais preocupado com isso agora. Quero apenas cumprir a vontade de Deus. E Ele permitiu que eu subisse a montanha. E lá de cima eu enxerguei. Eu enxerguei a Terra Prometida. É provável que eu não entre lá com vocês. Mas quero que vocês saibam esta noite que nós, como um povo, chegaremos à Terra Prometida. Por isso estou feliz esta noite. Nada me preocupa. Não temo nenhum homem! Meus olhos viram a glória da vinda do Senhor!"

A visão de um assassino: foi desta janela que partiu o tiro fatal contra o reverendo

Som de dinamite - No dia seguinte, Martin Luther King e outros membros da SCLC, incluindo seu amigo e confidente Ralph W. Abernathy, passaram o dia inteiro no quarto 306 do Lorraine, traçando estratégias para uma marcha prevista para a semana seguinte. Encerrada a reunião, já no final da tarde, o presidente tomou um banho e saiu do quarto por volta das 18 horas, vestindo terno preto e camisa branca. Seu motorista, Solomon Jones Jr., esperava a fim de levá-lo à casa do reverendo Samuel Kyles, onde o pastor seria recebido para jantar. Antes de chegar ao Cadillac, entretanto, King demorou-se cerca de três minutos na varanda do hotel, em frente ao quarto. Um de seus auxiliares, Jesse Jackson, estava no térreo, ao lado de um músico chamado Ben Branch, que se apresentaria à noite em um evento no Templo Mason. Jackson apresentou Branch ao "doutor", que fez um pedido ao intérprete: "Quero que você cante a música Precious Lord hoje. E cante bonito". Também do térreo, o motorista Jones aconselhou o chefe a colocar um sobretudo para proteger-se do frio.

Não haveria tempo, porém. Um estampido parecido com uma explosão de dinamite, segundo o relato de uma das testemunhas, fez todos os presentes se jogarem no chão - exceto Martin Luther King, arremessado contra a parede verde do hotel pelo impacto mortal do tiro de um rifle Remington calibre 30.06, aparentemente vindo da hospedaria do outro lado da rua. Com a parte inferior da face desfigurada, a vítima caiu à beira da porta, no centro de uma poça de sangue. Seus assistentes trouxeram toalhas para tentar estancar o ferimento. Foi tudo em vão. A ambulância do Corpo de Bombeiros demorou cerca de dez minutos e levou King ao Saint Joseph. Nada pôde ser feito. Os médicos declararam sua morte às 19h05, segundo reportou o porta-voz do hospital, Paul Hess.

Em Atlanta, Coretta King, mulher do líder negro, foi avisada do atentado pelo prefeito de Atlanta, Ivan Allen Jr., que providenciou um avião para levá-la a Memphis. Os dois já estavam no terminal de embarque quando chegou a confirmação do óbito. Sem forças, Coretta preferiu então retornar à modesta residência do casal, no bairro negro de Vine City, em Atlanta - para onde Abigail McCarthy, esposa do senador Eugene McCarthy e amiga de longa data de Coretta, também se dirigiu assim que soube da infausta notícia. Telefonemas de condolências não demoraram a aparecer. O senador Robert Kennedy foi um dos primeiros a ligar, e prontificou-se a mandar um avião para transportar o corpo de volta a Atlanta.

Jesse Jackson e King: uma conspiração?

O quarto 5 - Enquanto isso, na cena do crime, investigadores esquadrinhavam as redondezas, especialmente a hospedaria do outro lado da rua Mulberry. Junto à janela do banheiro coletivo, a polícia encontrou uma cápsula vazia. O que os investigadores acreditam ser a arma do crime, além de uma maleta e binóculos, foram recuperadas não muito longe dali. A gerente do estabelecimento, Bessie Brewer, apontou o hóspede que se registrou como John Willard como um provável suspeito. Além de ter aparência física muito semelhante à de um homem visto por testemunhas deixando o local rapidamente após os disparos, Willard pediu especificamente na recepção para ficar no quarto 5 - o que tem a melhor vista para o hotel Lorraine. Dois homens chegaram a ser detidos pouco depois do crime, mas acabaram sendo liberados em seguida. O escritório local do FBI, por meio do agente Robert Jensen, entrou nas investigações do assassinato, a pedido do procurador-geral Ramsey Clark.

Na opinião de um dos auxiliares do líder ativista, os investigadores não precisariam ir muito longe para encontrar o criminoso. Jesse Jackson, um jovem de 27 anos da Carolina do Sul que integra a diretoria da SCLC, não se cansou de insinuar aos repórteres uma possível conspiração oficial, com participação da polícia no atentado. Integrantes da comitiva de King garantem que, segundos depois do tiro, policiais armados com rifles, metralhadoras e capacetes começaram a chegar à área do hotel - oficiais bem diferentes daqueles que já estavam dando plantão no local, fazendo a segurança de King na cidade. "Não precisamos chamar a polícia. Ela estava aqui em segundos. Eles me perguntaram: 'De onde veio o tiro?' Eu disse, 'Atrás de vocês'. A polícia estava vindo de onde veio o tiro." Jackson e o resto do mundo anseiam pelo resultado das investigações, que apontarão o responsável por assassinar não apenas Martin Luther King Jr., mas também um pouco da esperança dos americanos.

Video
Assassinato no Hotel Lorraine, Memphis

 

Versão para impressão Índice
Próximo texto
Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados