Veja na História Vídeo Áudio
 CRASH DA BOLSA
NESTA EDIÇÃO
SEÇÕES
Entrevista: Herbert Hoover
Gente: Groucho Marx, Diego Rivera, Frida Kahlo, Jimmy Doolittle, Francisco Alves
Holofote: Enzo Ferrari, Henry Ford, Giuseppe Martinelli, Joe Kennedy
Datas: Rockefeller Center, Norman Pritchard, Convenção de Genebra, NYRBA Line
  Ponto de Vista: Mahatma Gandhi
ESPECIAL
Pânico na Bolsa de Nova York
  A aposta de Rockefeller e Durant
  Babson, o oráculo do apocalipse
  Efeitos no Brasil: café em crise
  Em imagens: 'Roaring Twenties'
BRASIL
A chapa Getúlio-Pessoa para 1930
INTERNACIONAL
Vaticano, o menor país do mundo
GERAL
Sonegação pode pegar Al Capone
  Futebol terá uma Copa do Mundo
  Zeppelin vai fazer vôo comercial
ARTES E ESPETÁCULOS
Um novo romance de Hemingway
  Cinema e televisão agora em cor
  Nova York: inauguração do MoMA
Índice
Especial: BRASIL
VEJA, outubro de 1929
Turbulência americana acentua a crise do café no Brasil
e causa temor de quebras em cadeia na economia nacional. País está atolado
com produção e estoques muito maiores do que a demanda
Não se sabe o que fazer com tanto café: com demanda insuficiente, produtores brasileiros começam a queimar estoques

 

A periclitante situação da economia cafeeira já era assunto obrigatório em quase todas as esquinas paulistanas. Com a diminuição das exportações e a queda no preço do grão, chegam à ordem de centenas as empresas levadas a registrar falências e concordatas neste ano – apenas em setembro, foram 72, de acordo com o Correio da Manhã. Mas o amaldiçoado mês de outubro nos Estados Unidos tornou mais dramática a conjuntura do café no Brasil. Em primeiro lugar, ainda na quinzena inicial do mês, o preço do grão caiu 200 pontos em dois dias na Bolsa de Café e Açúcar de Nova York – de 19,25 dólares passou a 16,65. A queda vertiginosa no comércio futuro do café nacional foi explicada pelo vice-presidente da instituição, Benjamin B. Peabody, por "rumores inquietantes a respeito da situação do Brasil". Para completar o cenário funesto, o crash na Bolsa de Valores de Nova York, que colocou a economia americana à beira de um colapso, deve inviabilizar o empréstimo de 50 milhões de dólares que a Casa Branca planejava ceder ao governo brasileiro para ajudar os fazendeiros via Instituto do Café.

Os bons tempos de ouro negro estão mais distantes do que nunca. O Brasil não tem mais para onde escoar sua pantafaçuda produção, que deve chegar neste ano a mais de 21 milhões de sacas, superando e muito as previsões iniciais, que falavam em 13 milhões. São Paulo, orgulhoso de ser o "estado com um bilhão de pés de café", é responsável por quase dois terços da produção mundial da rubiácea. Tudo isso seria excelente se a demanda mundial crescesse em igual proporção. Mas as exportações seguem caindo – 15 milhões de sacas em 1927, 13,8 milhões em 1928. Pior: o café exportado hoje pelo Brasil é da safra de dois anos atrás, o que significa que ao menos 20 milhões de sacas estão estocadas. A diminuição massiva da venda do café tem tudo para desencadear um rombo na economia brasileira, baseada três quartos na exportação do grão. Quando a notícia da queda em Nova York chegou ao Rio de Janeiro, os operadores da bolsa local, também em acentuada baixa, não enviaram os resultados do fechamento diário para os Estados Unidos, como de costume, temendo que os números no vermelho ampliassem ainda mais o derrocada do café no hemisfério norte.

Plantação da rubiácea no interior paulista: o 'estado com um bilhão de pés de café'

Especialmente depois da debacle de Wall Street, o governo do presidente Washington Luiz encontra-se em uma sinuca de bico. O consumo mundial de café é estimado hoje em 22 milhões de sacas. O Brasil está atolado com uma produção e um estoque muito maiores do que a demanda – isso sem falar na quase certa recessão de um de nossos principais compradores, os Estados Unidos, e na concorrência de países que, atraídos pelos lucros obtidos aqui com a rubiácea, investiram na cafeicultura e começam a colocar no mercado grãos de qualidade a preços módicos. Manter o café nos armazéns para valorizá-lo, como foi marca registrada da política cafeeira paulista durante a década, já não surte efeito. O governo não tem mais dinheiro para comprar a produção e manter os preços em patamares razoáveis. Em compensação, simplesmente abrir a porta dos armazéns e despejar a produção no mercado faria depreciar ainda mais os valores já rasos do grão, e causaria certamente uma quebradeira em cadeia na economia paulista e nacional. Impulsionar a indústria e diversificar a produção são as saídas óbvias, mas ambas são soluções a, no mínimo, médio prazo, e não aliviam a pressão sobre a economia. A bolha especulativa do mercado financeiro já estourou, causando a quebra da Bolsa de Valores de Nova York. Será o precioso ouro negro o próximo alvo?


Video
O declínio da cafeicultura
O Brasil tinha condições de produzir café em escala maior do que o mercado externo, em crise, poderia absover.
Versão para impressãoTexto anterior
Próximo texto
Copyright © Editora Abril S.A. - Todos os direitos reservados