Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Vento e maré destroem rampa da vela olímpica na Marina da Glória

Empresa responsável pela construção da rampa está fazendo avaliações para iniciar reconstrução. Estrutura servia a cinco classes da vela olímpica

Além de atingir o Centro de Transmissão de TV da Praia de Copacabana, a ressaca, combinada a ventos fortes, destruiu na manhã deste sábado uma das rampas da Marina da Glória, onde serão realizadas as competições de vela na Olimpíada. A estrutura é temporária e serve para o acesso dos barcos à Baía de Guanabara. A empresa que construiu a rampa está avaliando a avaria para dar início à sua reconstrução.

Segundo o Comitê Rio-2016, o problema não prejudica a Olimpíada porque a Marina tem outra rampa, esta fixa, de concreto. A temporária fora construída para agilizar as operações em dias de competições. O incidente foi nesta manhã de sábado e os atletas que já estão no Rio treinaram normalmente, conforme informou a organização dos Jogos Olímpicos, usando a rampa de concreto. As provas olímpicas começam no dia 8. A rampa que se partiu servia a cinco classes: Laser radial, Finn, 470, 49er e Skiff 49er.

No total, a competição terá dez eventos, cinco masculinos, quatro femininos e um misto. A Marina, localizada no Parque do Flamengo, ficou um ano e quatro meses em obras para se preparar para a Olimpíada. A instalação foi aberta em abril, com dois meses de atraso. As obras custaram 70 milhões de reais e foram motivo de contestação por parte de moradores, uma vez que o parque é tombado pelo patrimônio e a reforma modificou o projeto original.

Outra controvérsia é quanto às águas da baía, cujo plano de despoluição falhou. Em 2009, quando o Rio foi anunciado sede dos Jogos de 2016, foi firmado o compromisso de se limpar pelo menos 80% da baía, o que não foi cumprido. Os ambientalistas consideram que foi uma oportunidade única perdida.

(com Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Aloizio Barros de Souza

    E quem falou que precisamos de ataque terrorista? Já temos os nossos terroristas infiltrados em cada obra!

    Curtir

  2. Robson La Luna Di Cola

    Os nossos terroristas, em vez de seguirem o Alcorão, seguem os projetos de engenharia das nossas “construtoras”.

    Curtir

  3. Será que teremos que importar tb engenheiros de fora pois os daqui parecem não dar conta do recado para construirem ciclovias, edifícios ou rampas ?

    Curtir