Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Uma final de opostos

A final da Copa do Mundo entre Alemanha e Argentina confrontará no Maracanã, domingo, duas visões distintas do futebol. A alemã, baseada no trabalho planejado de longo prazo, na divisão harmônica de tarefas, na manutenção de uma filosofia que não navega ao simples sabor dos resultados. A argentina, tradicionalista, calcada na paixão, na garra e no talento individual que brota das calles e da capacidade de um gênio chamado Lionel Messi.

Leia também:

Argentina avança nos pênaltis e revê a Alemanha na decisão

Antes de Argentina x Holanda, provocações, riscos e luto

Siga no Instagram: uma seleção de fotos exclusivas em @vejanoinsta

São dois mundos também separados por um abismo financeiro. A Bundesliga é hoje o campeonato nacional que mais cresce no mundo. Nenhum bom jogador precisa sair do país para ganhar fama e fortuna. Sua média de público é a melhor da Europa. O Campeonato Argentino patina na falta de dinheiro, no êxodo de craques e na violência dos barrabravas.

A Alemanha, depois da goleada alienígena que impôs ao Brasil, entra em campo com o favoritismo ao seu lado. A Argentina é a zebra. Você não verá Alejandro Sabella abrindo seu time como irresponsavelmente fez Scolari no Mineirão. Ele sabe de seus limites e das virtudes do adversário. A Argentina jogará fechadinha. A defesa, antes tão criticada, faz uma Copa muito boa. Na semifinal, a Holanda de Van Persie e Robben quase não conseguiu criar. À frente da zaga, está um Mascherano que se agiganta a cada jogo. Sabella deve trancar-se atrás como fez contra os holandeses, jogando por uma bola de Messi. Se ela não vier, que se decida nos pênaltis.

SCHWEINSTEIGER - O meia simboliza a equipe mais simpática desta Copa do Mundo

SCHWEINSTEIGER – O meia simboliza a equipe mais simpática desta Copa do Mundo (VEJA)

A Alemanha partirá para o jogo, controlará a posse de bola. Não poderá ser diferente, é a natureza dessa seleção, a que mais trocou passes no Mundial. O entrosamento dos alemães, juntos há pelo menos seis anos, chegou ao nível da perfeição na semifinal. Schweinsteiger, Kroos, Khedira e Özil, com a ajuda de Müller, mais adiantado, envolveram o time brasileiro como se atuassem contra juvenis.

Jogassem dez vezes, eu diria que os alemães venceriam cinco, os argentinos duas e haveria três empates. Mas é apenas um jogo, só um. A Alemanha, a seleção mais simpática da Copa, deverá ter o apoio dos brasileiros que forem ao Maracanã. Mas haverá também uma invasão argentina. Será uma grande final, europeus contra sul-americanos, um duelo de estilos, um confronto que opõe também o arcaico e o contemporâneo. Digno de uma ótima Copa do Mundo.

COMO FAZER O DOWNLOAD DAS REVISTAS – Para quem já é assinante de VEJA para tablets e iPhone, nada muda. Para os outros, basta baixar o aplicativo de VEJA ou acessar o IBA, a banca digital da Editora Abril.