Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Tite ‘filtra’ perguntas para conter entusiasmo com chance de título

A possibilidade matemática de o Corinthians antecipar o título brasileiro para domingo, na penúltima rodada do Campeonato Brasileiro, gera muita expectativa no clube. Para conter o entusiasmo com essa boa oportunidade de ser campeão, o técnico Tite diz que gostaria até de não conceder entrevista durante esta semana. Mesmo assim, conversou por 42 minutos com jornalistas no início da tarde desta terça-feira.

‘Não começa…’, brincou o treinador, logo em sua primeira resposta, a fim de podar perguntas sobre o título. No meio da entrevista, quando foi questionado sobre o que faria de diferente nesta semana decisiva, ele reforçou o desejo de não se expor tanto diante dos microfones. ‘Filtrar a mídia. Gosto da relação profissional, de trocar ideias. Levo muitas delas para os atletas. Mas confesso que, neste momento, prefiro me retardar mais ou ficar mais quieto no meu canto. Os assessores de imprensa me avisam quais temas vão surgir na coletiva, converso com eles. Mas não fico elaborando respostas também. Chego e digo que não quero falar ou que só falarei na semana seguinte. E o resto (da rotina) será normal’.

O Corinthians é o primeiro colocado do Campeonato Brasileiro com dois pontos acima do vice-líder Vasco e cinco para o terceiro colocado Fluminense. Se bater o Figueirense, no domingo, e contar com tropeço do Vasco no domingo, o time paulista antecipa a conquista. Tite pode ser campeão brasileiro pela primeira vez, até por já ter se frustrado com o vice quando era atleta.

‘Essa possibilidade é matemática, depende de combinação de resultado, mas antes disso vem você construir uma boa semana de trabalho, fazer bem o dia a dia e inclusive administrar essas perguntas de que pode ser campeão. Tenho experiência suficiente para não contar antecipado. Por respeito profissional aos demais clubes e ao meu trabalho’, justificou o comandante, que, por outro lado, não esconde que pensa, desde a última vitória, em ser campeão em Florianópolis.

‘Agora se gera uma expectativa maior, e o momento tem que ser de descanso, de trabalho. Não gosto muito de dar entrevista, eu me reservo, prefiro ficar mais junto da minha família. Fui almoçar e reparei o quanto minha filha cresceu, como ela começou a enxergar as coisas. Quem tem filha sabe o que estou falando (risos). Mas dali a pouco, já me veio o futebol de novo, que hoje teria trabalho novamente. Ela olhou para mim e disse ‘pai, eu estou aqui, volta’ (risos)’, reconheceu.