Terezinha Guilhermina lamenta eliminação: ‘Falhei’

Principal velocista brasileira na Paralimpíada, atleta de 37 anos queimou a largada nos 200 metros rasos, sua principal prova

A velocista brasileira Terezinha Guilhermina amargou mais uma grande decepção na Paralimpíada do Rio de Janeiro. Depois de ser desclassificada na última sexta-feira da prova dos 100 metros rasos – acusada de ter sido “puxada” por seu guia, Rafael Lazarini – a atleta considerada “a cega mais rápido do mundo” foi desclassificada da final de sua prova favorita, os 200 metros rasos, ao queimar a largada da corrida, nesta terça-feira, no Engenhão.

A atleta de 37 anos, que compete na categoria T11 (cegos totais), disse que “não sabia se ria ou se chorava”, após a decepção. “Nunca tinha queimado a largada em 16 anos de carreira e o destino decidiu que iria acontecer isso em uma final da Paralimpíada na minha casa. Quando o Rafael me disse que tinha queimado a largada, eu falei que não tinha sido eu. Mas realmente falhei e quero pedir desculpas ao Brasil”, lamentou a mineira.

Leia também:
Terezinha Guilhermina: ‘O esporte me abriu todas as portas’
Bolt posta foto com Terezinha Guilhermina em apoio aos Jogos

“Foi um acidente. Não saí de casa pensando que iria acontecer isso, mas acontece. Não estava preparada para ser desclassificada e, sim, para fazer o meu melhor. Mas eu ainda sou a Terezinha e ninguém vai acabar com a minha carreira”, afirmou a atleta.

A atleta, que sofre de retinose pigmentar, doença que provoca a perda gradual de visão, também destacou o carinho da torcida após a eliminação. “Sei que muitas pessoas vieram no estádio para ver a minha corrida. Elas poderiam ter me vaiado, mas me aplaudiram. Este é o meu maior presente. Depois de tudo o que aconteceu hoje, eu ouvi os aplausos e comecei a saltar. Era o mínimo que poderia fazer para retribuir o carinho.”

Terezinha já ganhou seis medalhas em Jogos Paralímpicos (três ouros, uma prata e dois bronzes). Também já ganhou 12 medalhas em Mundiais (oito ouros e quatro pratas) e nove medalhas em Jogos Parapan-Americanos (oito ouros e uma prata). Ela ainda tem chances de buscar medalha no Rio de Janeiro, no revezamento 4×100 metros T11 e nos 400 metros T11.