Santos: festa tem Pelé, Neymar, meninos e camisa azul

Ídolos do passado exibiram taça da Libertadores; Neymar jogou com crianças

“Sempre disse que não fiz nada sozinho. Agradeço a todos que estão ao meu lado. Esse legado que deixamos no Santos só Deus pode explicar”, discursou Pelé

O Santos reuniu seus ídolos do passado e do presente neste sábado, na Vila Belmiro, para comemorar os 100 anos de sua fundação. Pelé chegou de helicóptero e desfilou com a Copa Libertadores ao lado de seus ex-companheiros de time. Neymar e Ganso jogaram com crianças – e o craque popstar foi marcado de perto pelos pequenos fãs. Após um amistoso entre os craques do passado do Santos e a visita de Pelé à Vila Belmiro, o estádio virou palco de uma partida entre o time principal, incluindo Neymar e Paulo Henrique Ganso, e os verdadeiros “meninos da Vila” – 100 crianças selecionadas pelo clube. O jogo durou cerca de 30 minutos e as equipes empataram em 2 a 2, com Edu Dracena e Ganso marcando para os profissionais.

Leia também:

Leia também: Santos Futebol Clube: 100 anos, dez partidas, um rei

Antes de a bola rolar, o presidente Luis Álvaro de Oliveira Ribeiro apresentou o terceiro uniforme do time, na cor azul-turquesa. No novo uniforme alternativo do Santos, as marcas que patrocinam o clube estão escritas na cor preta, em concessão feita pelas empresas, que aceitaram mudar seus logotipos na camisa santista. Durante o confronto, a criançada se divertiu com os seus ídolos e ainda viu o atacante Neymar ser “expulso”. O locutor do evento perguntou à torcida se desejaria repetir o que foi feito em um jogo do Santos em 1968, quando Pelé foi expulso em um amistoso na Colômbia e o público fez com que o árbitro fosse excluído da partida e o craque voltasse a campo. Logo depois, Neymar voltou ao gramado e participou do restante da partida.

Legado –Pelé conseguiu dividir os holofotes com Neymar – o ex-jogador desceu na Vila Belmiro de helicóptero carregando o troféu da Libertadores, conquistada três vezes, sendo duas com ele dentro de campo, em 1962 e 1963. Saudado pelos torcedores, Pelé fez um discurso oficial em que lembrou os seus companheiros de clube. “Estou muito feliz de reencontrar amigos aqui, mas triste por não estarem todos. Tenho certeza que estão acompanhando ao lado de Deus. Sempre disse que não fiz nada sozinho. Agradeço a todos que estão ao meu lado. Esse legado que deixamos no Santos só Deus pode explicar. O Santos representou bem o país em lugares que nem sabiam o que era o Brasil”, disse.

Pelé disse que esta e as futuras gerações do clube devem trabalhar para manter o Santos como um dos mais conhecidos e vencedores do mundo. “Agora é continuar com as novas gerações. Sou um homem de três corações, mas só uso um. Como o Zagallo falou, vocês vão ter que me aguentar por muito tempo.” Falando ao lado do governador Geraldo Alckmin, que é santista, Pelé relembrou os tempos em que não havia TV em cores nem internet para exibir suas façanhas ao resto do planeta. “Hoje é muito fácil mostrar o que se faz para o mundo. Antes, a gente tinha que ir em cada lugar do mundo pra mostrar”, disse ele ao comentar as excursões do Santos pelo exterior. Pelé defendeu o clube por 18 anos e marcou 1.091 gols em 1.116 jogos.

(Com Agência Estado e agência Gazeta Press)