Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ronaldo pede saída de Del Nero e apoia criação de liga independente

O empresário disse ter certeza que em algum momento a investigação atingirá a cúpula da CBF e manifestou apoio à criação de uma liga de clubes independente

Descontente com a administração de Marco Polo Del Nero, Ronaldo pediu a renúncia do atual presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF). Na manhã desta quarta-feira, em São Paulo, ele ainda disse apoiar a criação de uma liga independente de clubes. “Adoraria que ele renunciasse, porque não tem dado um grande exemplo e é evidente a relação que tem com o ex-presidente José Maria Marin. Portanto, seria um bom momento para renunciar. Mas é necessário esperar as investigações para não fazer pré-julgamentos antes que as conclusões sejam publicadas.”

Secretário-geral da CBF descarta renúncia de Del Nero

Del Nero nega renúncia e diz que ‘não há nada’ contra ele

Del Nero defende Marin e culpa gestão de Ricardo Teixeira

Apesar disso, Ronaldo disse ter certeza que em algum momento a investigação atingirá a cúpula da CBF e manifestou apoio à criação de uma liga de clubes independente. “Sou a favor. Tenho conversando com muita gente, pessoas de dentro e de fora do futebol, criadores de ligas na Europa. Estou fazendo alguns planejamentos e formando a minha opinião. A CBF vive um momento de nenhuma credibilidade. De qualquer forma, é importante acompanhar o desenrolar de toda a história.”

Suíça deve extraditar Marin por considerar provas ‘suficientes’

Ricardo Teixeira coloca à venda sua mansão em Miami

PF indicia ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira por quatro crimes

Durante os últimos anos, Ronaldo conviveu com a cúpula da CBF: em 2011 foi convidado a integrar o Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo 2014 por Ricardo Teixeira, antecessor de Marin. Ele é sócio de uma equipe de futebol nos Estados Unidos desde dezembro, o Fort Lauderdale Stikers, que disputa a NASL, a segunda maior liga de futebol do país, e que era do empresário J. Hawilla até setembro de 2014. Ronaldo descartou a possibilidade de assumir algum cargo diretivo no Brasil e incitou os admiradores do esporte a se manifestarem por mudanças.

As ligações entre J. Hawilla, a CBF e Ricardo Teixeira

De repórter de campo a alvo do FBI: os negócios de J. Hawilla

Caso Fifa: J. Hawilla admite culpa e devolve R$ 473 milhões

“Tanto no futebol como na política, a pressão popular é o que o poder mais teme. É o momento de cobrar transparência e honestidade para que os dirigentes tratem o esporte da maneira correta. O futebol deveria ser só entretenimento e os corruptos devem ser punidos exemplarmente.”

(Com agência Gazeta Press)