Rodrigo Paiva é demitido após 12 anos na CBF

Entidade dispensou oito profissionais que estiveram na Copa do Mundo

Além do técnico Luiz Felipe Scolari e de sua comissão técnica, a CBF demitiu Rodrigo Paiva, que ocupava o cargo de diretor de comunicação desde 2002. A informação foi confirmada pelo próprio Paiva ao site da ESPN Brasil, na tarde desta terça-feira. Durante a Copa do Mundo, ele foi punido pela Fifa por agredir um jogador do Chile durante a vitória do Brasil nas oitavas de final, no Mineirão.

Leia também:

Em PLACAR de agosto de 2008: Perfil de Rodrigo Paiva, o sombra

Chileno agredido chama Rodrigo Paiva de “delinquente”

Técnico chileno recusa proposta da CBF, diz jornal

CBF aceita pedido de demissão e Felipão deixa seleção

Fred lamenta fracasso: “A cicatriz fica, mas a vida segue”

Datafolha: 83% dos estrangeiros aprovam organização da Copa

Também foram demitidos o analista de desempenho Thiago Larghi, o preparador físico Paulo Paixão, o médico José Luis Runco e o treinador de goleiros Carlos Pracidelli, além do auxiliar técnico Flavio Murtosa, do coordenador Carlos Alberto Parreira e do técnico Luiz Felipe Scolari.

Carreira – Paiva é formado em jornalismo e fez marketing esportivo nos Estados Unidos. Foi remador do Flamengo e cabo eleitoral da campanha de Marcia Braga à presidência do clube em 1990. Com a vitória do cartola, virou funcionário e deixou a Gávea em 1999, ao ser contratado pelos empresários de Ronaldo para cuidar da imagem do jogador. Ele já havia feito trabalho semelhante por cinco anos com Romário no Flamengo.

Em 2002, foi contratado pela CBF para trabalhar também como assessor da entidade. A relação profissional com Ronaldo chegou ao fim em 2005, por divergências em relação ao casamento do atacante com Daniela Cicarelli. Paiva seguiu na CBF e era também diretor de Comunicação do comitê Organizador Local da Copa do Mundo.