Promotoria espanhola aceita substituir pena de Messi por multa

Atacante do Barcelona deve trocar 21 meses de prisão por multa de 255.000 euros

Lionel Messi não deve ser preso pelas acusações de fraude fiscal. A Promotoria da Espanha aceitou substituir a condenação de 21 meses de prisão que o Tribunal de Barcelona impôs ao atacante argentino por uma multa de 255.000 euros (cerca de 948.000 reais). O craque do Barcelona e seu pai, Jorge, são acusados de sonegar 4,1 milhões de euros referentes a direitos de imagem do jogador, entre 2007 e 2009.

Em sua carta ao Tribunal, a promotoria sugeriu que as penas de prisão de Messi (21 meses) e de seu pai (15 meses) sejam substituídas pela multa máxima, que é de 400 euros por dia – o jogador pagaria 255.000 euros e seu pai 180.000 euros. Mesmo que o tribunal não execute a sentença, é pouco provável que Messi e seu pai sejam presos, pois não têm antecedentes criminais e aceitaram devolver a Fazenda os 4,1 milhões de euros fraudados.

Fator Cristiano – Em mais um capítulo da rivalidade que extrapola os gramados entre Barcelona e Real Madrid, Carles Vilarrubí, vice-presidente do clube catalão, afirmou nesta quinta-feira que a posição da Promotoria Espanhola de “livrar” Messi da prisão tem ligação com o fato de Cristiano Ronaldo também ter sido acusado de fraudar o fisco (em 14,7 milhões de euros).

“É difícil imaginar que isso aconteceria se não houvesse um caso parecido com outro jogador”, acusou Vilarrubí, em entrevista à rádio RAC1. Segundo ele, a tendência é que aconteça o mesmo com Cristiano Ronaldo. “Eles não querem que se materialize a fotografia de Cristiano no banco dos réus, situação que Messi teve de passar.” O atacante do Real Madrid, no entanto, segue alegando inocência e se nega a pagar a quantia que a Justiça Espanhola solicita até o momento.

Villarubí ainda disse defender a “presunção de inocência de Cristiano”, mas ironizou o tratamento dado ao rival. “Messi foi tratado como um mafioso à frente de uma família organizada para delinquir”, enquanto o “o Ministro da Fazenda exigiu em suas declarações a presunção de inocência para Ronaldo.”

(com agência EFE)