Preocupações da Fifa são ‘naturais e legítimas’, diz CBF

Ricardo Teixeira emite comunicado oficial para minimizar um novo conflito entre o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke

O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, resolveu intermediar o atrito entre o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke. Em comunicado oficial, Teixeira amenizou o conflito ao dizer que as preocupações da Fifa em relação à preparação do Brasil para a Copa do Mundo de 2014 são “naturais e legítimas”.

“As preocupações da Fifa em relação aos preparativos de todas as Copas do Mundo são naturais e legítimas”, afirmou Teixeira, em uma tentativa de tranquilizar a Fifa. “A entidade pode ficar tranquila porque o Brasil e seu povo têm competência e seriedade para organizar uma Copa do Mundo impecável, inesquecível”, assegurou.

Blog De Paris: Valcke “Chute no traseiro” soa pesado, mas na França não é tanto quanto no Brasil

O dirigente, que também preside o Comitê Organizador Local (COL) da Copa, se manifestou em resposta à decisão de Rebelo, que no sábado vetou o nome de Valcke nas negociações entre o governo e a Fifa. A reação do ministro do Esporte foi consequência das cobranças do secretário-geral. Na sexta-feira, Valcke disse que o Brasil precisaria levar “um chute no traseiro” para acelerar as reformas dos estádios e as obras de infraestrutura.

Teixeira, porém, buscou minimizar as declarações de Valcke sobre a demora na aprovação da Lei Geral da Copa. “Algumas questões na organização da Copa do Mundo podem parecer que avançam lentamente. Mas em todo processo democrático as discussões devem ser amplas e sempre levar em conta os interesses do povo. O Brasil não tem um dono, é uma democracia sólida e reconhecida mundialmente. O país e seus três poderes devem ser respeitados sempre”, destacou o presidente da CBF.

As declarações de Rebelo e Valcke podem atrapalhar a visita do secretário-geral ao Brasil a partir do dia 12. Após ser informado do veto do ministro do Esporte, Valcke classificou a atitude do governo brasileiro de “infantil”, mas confirmou a viagem que terá por objetivo conferir o andamento das obras voltadas à realização da Copa do Mundo e da Copa das Confederações.

(Com Agência Estado)