Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ponte Preta supera o Comercial e se mantém entre os oito melhores

A Ponte Preta parece ter se recuperado de vez da acachapante goleada que sofreu para o Santos e conquistou sua segunda vitória seguida no Campeonato Paulista. Dessa vez, a vítima da Macaca foi o Comercial, que não conseguiu segurar o eficiente setor ofensivo dos alvinegros e acabou derrotado por 1 a 0, no Moisés Lucarelli.

O grande atrativo desta partida foi a estreia oficial do técnico Geninho e do atacante Leandro no Bafo. No entanto, a dupla pouco pôde fazer pela equipe de Ribeirão Preto e acabou sendo ofuscada pelo meia Enrico, que aproveitou a oportunidade criada por Roger para marcar o seu primeiro gol pela Ponte Preta.

A vitória nesta rodada manteve o time de Campinas na oitava colocação do Paulista, com 21 pontos ganhos. Já o Comercial se complicou ainda mais na tabela de classificação e caiu para a vice-lanterna do torneio. Neste momento, o clube está no 19lugar, com apenas sete pontos conquistados.

O jogo – Em seus primeiro minutos, o confronto entre as equipes foi movimentado, com espaços para os dois clubes chegarem ao ataque. Mesmo com a liberdade dada pelos dois setores defensivos, a deficiência técnica apresentada no meio-campo acabou comprometendo o rendimento dos times e anulou a possibilidade de um gol sair logo após o apito inicial.

A grande oportunidade da primeira etapa aconteceu aos 13 minutos de jogo, quando Diego Sacoman aproveitou a confusão na área para chutar de canhota. A bola acabou sendo travada pelo defensor adversário e sobrando novamente para o zagueiro ponte-pretano, que não conseguiu aproveitar o lance e chutou novamente em cima de seu marcador.

O Comercial chegou a responder aos 28 minutos, com Sidny. O experiente atacante Enílton fez boa jogada e rolou na direita para seu companheiro. O atleta chegou batendo de primeira e exigiu uma grande defesa do goleiro Lauro.

Sem se importar com a boa chegada do Bafo, os donos da casa continuaram pressionando a zaga do Comercial e chegaram ao gol aos 30 minutos da primeira etapa. No seu reencontro com a torcida ponte-pretana, Roger recebeu passe de Enrico e fingiu o chute. O meia passou nas costas do atacante, que tocou a bola para que o jogador chutasse no canto, sem chances para o goleiro Alex.

Grande responsável pela pressão exercida no primeiro tempo, Roger ainda teve duas oportunidades para balançar as redes, mas não conseguiu vencer a zaga adversária nestas ocasiões. O avançado ainda acertou um belo cruzamento no início do segundo tempo e quase deu mais uma assistência para Wescley balançar as redes adversárias.

Mesmo superior em campo, a Macaca não conseguia concluir as chances criadas em gol. O meia Renato Cajá continuava infernizando os defensores do Bafo, ao mesmo tempo em que Roger abria espaços na marcação e conseguia criar grandes oportunidades para seus companheiros. Entretanto, o time pecava muito na hora de concluir à meta adversária, frustrando o torcedor campineiro que torcia para a Ponte aumentar a vantagem no placar.

A ineficiência nas finalizações da Ponte Preta ficou clara aos 36 minutos, quando Renato Cajá foi derrubado dentro da área. O árbitro da partida assinalou a penalidade máxima e Roger tomou a bola para tentar o gol em seu retorno ao Moisés Lucarelli. Após tomar pouca distância, o centroavante acabou cobrando mal e desperdiçou o lance. A falha acabou irritando Gilson Kleina, que não hesitou em tirar o atleta e colocar Leandrão logo em seguida.

O desperdício de chances claras deixou os torcedores ponte-pretanos desesperados e deixou Gilson Kleina furioso após mais um pênalti desperdiçado. O zagueiro Fabão acabou desviando a bola com o braço, dentro da área, caracterizando a infração. Na cobrança, Renato Cajá chutou no canto esquerdo e viu Alex se esticar todo para praticar a defesa que colocou números finais ao confronto.