Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Polícia prende 7 em ação contra manipulação de resultados

Operação Game Over investiga fraude entre apostadores, treinadores e jogadores de divisões inferiores do país. Ex-goleiro está entre os detidos

Sete pessoas foram presas nesta quarta-feira durante a Operação Game Over, do Departamento Estadual de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), iniciada nesta manhã. A ação combate fraudes em resultados de jogos de futebol e cumpriu dez mandados de prisão e dois de busca e apreensão na capital paulista, Bauru e Sorocaba, além de Rio Preto, no Estado de São Paulo, e em cidades do Rio de Janeiro e do Ceará.

A polícia investiga uma quadrilha que manipula o resultado de partidas de futebol, principalmente, nas séries A2 (segunda divisão) e A3 (terceira divisão) do Campeonato Paulista e séries principais do Norte e Nordeste. A operação segue em andamento e o inquérito está sob segredo de Justiça.

Leia também:

Fifa e Interpol lançam novo programa contra manipulação

No futebol, um em dez já recebeu proposta de manipulação

Blatter minimiza o escândalo de manipulação de resultados

De acordo com a denúncia, o grupo pagava a treinadores e atletas para “entregar” jogos e manipular os resultados. Entre os detidos está o ex-goleiro do América (SP), Carlos Henrique Franco Luna, de 33 anos. Ao ser preso em sua casa, em São José do Rio Preto, Luna disse que sempre foi honesto e não tinha nada a ver com o esquema. A polícia não informou qual seria o papel do ex-goleiro na fraude. Ele foi levado à capital para prestar depoimento.

Em Bauru, duas pessoas (pai e filho), que não tiveram os nomes divulgados, foram presas na operação. Os detidos foram levados para a 5ª Delegacia de Repressão aos Delitos de Intolerância Esportiva (Drade) do Departamento Estadual de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), em São Paulo.

De acordo com a Polícia Civil, a investigação apurou que o resultado dos jogos era manipulado para beneficiar asiáticos que faziam apostas pela internet. O dinheiro para comprar técnicos e jogadores vinha de bolsas de apostas da China, Malásia e Indonésia. O esquema era chefiado por um agenciador carioca e um ex-jogador de futebol que atuou na Indonésia.

(com Estadão Conteúdo e Agência Brasil)