Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Paulistão 2015 terá o ingresso mais caro do Brasil: 40 reais

Estadual tem cada vez menos atrativos, mantém formato esdrúxulo e limita uso dos jovens talentos – e ainda vai cobrar um preço abusivo do torcedor paulista

A cerimônia em que foram sorteados os grupos do Campeonato Paulista de 2015, na segunda-feira, mostrou novos sinais do descompasso entre as ideias dos cartolas e a realidade do esporte no país. Além de limitar o número de atletas inscritos no torneio a 28 por equipe, em uma clara tentativa de impedir que os clubes grandes escalem equipes mistas ou reservas, a entidade presidida por Marco Polo Del Nero, futuro presidente da CBF, manteve o preço mínimo de 40 reais por ingresso em todas as partidas da competição, seja na capital ou no interior, uma medida já utilizada – sem sucesso, diga-se – na edição deste ano. Apesar de estar mais esvaziado e desinteressante a cada ano que passa, o Paulistão se mantém como o campeonato mais caro do Brasil, com bilhetes mais salgados até do que os do Campeonato Brasileiro ou da Copa do Brasil, que não estabelecem preço mínimo para as entradas.

Leia também:

Paulistão terá regra para combater escalação dos reservas ​

Eufóricos com Dunga, Marin e Del Nero já ‘apagaram’ 7 a 1

Finais dos Estaduais tem público ruim

Paulistão 2015

Grupo A

São Paulo, Ituano, Mogi Mirim, São Bernardo e Red Bull Brasil

Grupo B

Corinthians, Ponte Preta, Audax, Rio Claro e São Bento

Grupo C

Palmeiras, Botafogo, Portuguesa,

Linense e Marília

Grupo D

Santos, Penapolense, Bragantino, XV de Piracicaba e Capivariano

Neste ano, o Campeonato Paulista teve média de público de 5.675 torcedores por partida – a maior entre todos os Estaduais, mas ainda assim muito baixa. Com o ingresso mínimo a 40 reais (20 reais a meia-entrada), as equipes do interior sofreram para levar mais de 3.000 pessoas a seus estádios, apesar de o torneio ser o único em que suas cidades têm a chance de receber os quatro grandes do estado. Nem mesmo o surpreendente campeão Ituano lotou sua casa: teve média de apenas 4.856 torcedores por jogo, apesar de a cidade de Itu ter quase 150.000 habitantes. Nos outros grandes Estaduais do país, os preços são bem inferiores: no Rio, não há limitação do preço dos ingressos, e em Minas e no Rio Grande do Sul, o valor não passa de 20 reais. É verdade que esses campeonatos também apresentam médias de público ridículas – o Campeonato Carioca levou 2.828 pessoas, em média, aos estádios -, mas os torcedores se livraram pelo menos dos preços abusivos nas bilheterias.

Nenhuma das vinte equipes do Paulistão aprovou o preço estabelecido para os ingressos. No Brasileirão, apenas o Corinthians vem cobrando mais do que 40 reais como valor mínimo – o que, aliás, vem causando mal-estar entre a diretoria e os torcedores. Del Nero tentou minimizar o estrago ao afirmar que há formas de baixar os preços, com promoções para sócio-torcedores e pacotes para vários jogos. Ainda assim, é pouquíssimo provável que os estádios estejam cheios na edição de 2015, que manteve o formato esdrúxulo do ano passado, no qual equipes podem ser eliminadas na primeira fase mesmo tendo somado mais pontos que os concorrentes. Apesar da insatisfação com o formato injusto e com os ingressos caros, a medida que mais chamou a atenção no sorteio de segunda foi o limite de 28 inscritos por clube. O presidente do São Paulo, Carlos Miguel Aidar, foi o único dirigente a criticar abertamente a medida. Ele afirmou que a equipe pretendia utilizar o Paulistão para testar atletas jovens e dar ritmo aos reservas, escolha absolutamente correta, sobretudo para uma equipe que tem tudo para participar da Copa Libertadores. A única boa notícia é que o Paulistão será mais curto em 2015: graças a apelos do Bom Senso FC, o torneio começará em 1º de fevereiro e se estenderá até 8 de abril.