Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Patinador importado pelos russos conquista primeira medalha

Viktor Ahn, campeão olímpico em 2006 pela Coreia do Sul, mudou de nacionalidade depois ser dispensado. Putin não ia deixar essa oportunidade escapar

Mudar de nacionalidade para competir por outro país não é novidade – o Brasil mesmo tem três desses atletas em sua delegação que disputam os Jogos Olímpicos de Sochi. Mas quantas vezes já se ouviu dizer que um país abriu mão de um de seus campeões? É o caso do patinador de velocidade russo Viktor Ahn, que conquistou a medalha de bronze na prova dos 1.500 metros em pista curta, nesta segunda-feira. Ahn competirá em outras três provas em Sochi, a próxima na quinta-feira. Até 2010, Viktor se chamava Ahn-Hyun Soo e competia pela Coreia do Sul. Bastou ficar de fora da equipe que foi aos Jogos de Vancouver para que decidisse “desertar”.

Leia também:

Brasileiros competem nesta terça no esqui cross country

Cinco motivos para acompanhar o curling em Sochi-2014

Domingo no parque? Nem todos compraram essa ideia

A patinação de velocidade é um dos pontos forte do programa olímpico coreano. Há quatro anos, Ahn não obteve bons resultados nas seletivas nacionais e foi dispensado da equipe que foi ao Canadá na Olimpíada de 2010. À época, ele tinha 24 anos e o título de campeão olímpico em três provas diferentes. Já não tinha um bom relacionamento com a federação de seu país, principalmente por causa dos frequentes choques entre seu pai e os dirigentes, e desde 2008 sofria com uma grave lesão em um dos joelhos. Não defender o título olímpico causou a ruptura com a Coreia.

Leia também:

Julia Lipnitskaia, coração gelado

Protestos contra a lei anti-gay russa? Apenas da porta pra fora

Na abertura dos jogos, uma nova velha Rússia

O atleta então passou a buscar uma nação pela qual pudesse voltar a competir. Seu pai foi à internet e começou a sondagem. Segundo um ex-treinador, ele estava dividido entre Estados Unidos e Rússia. Os americanos lhe ofereciam a tradição na modalidade, mas não tinham uma grande contrapartida em dinheiro. Os russos, por sua vez, além de um bom dinheiro, fariam sua naturalização sem pestanejar – o processo nos EUA seria bem mais burocrático, demorado.

Naturalização feita, era necessário escolher um nome russo. Ahn escolheu Viktor que, de acordo seu perfil no site da federação russa, foi uma homenagem ao cantor soviético, de origem coreana, Viktor Tsoi. Seus “antigos” conterrâneos não guardam mágoas do patinador – uma enquete realizada no ano passado aponta que 61% dos sul-coreanos entendem a decisão de Ahn em competir pela Rússia.