Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Obras no Engenhão começam ainda este mês

Consórcio da Odebrecht vai arcar com os custos, mas pretende entrar na Justiça contra responsáveis pelo projeto para pedir indenização por prejuízos

O canteiro de obras começa a ser montado ainda neste mês no Engenhão para o início da reforma do estádio – que está interditado desde o dia 26 de março, quando foram constatados problemas na estrutura da cobertura. O cronograma dos trabalhos foi divulgado nesta segunda-feira, em entrevista coletiva concedida pelo secretário municipal de Obras do Rio de Janeiro, Alexandre Pinto, pelo representante do Consórcio Engenhão, Marcos Vidigal, pelo presidente da RioUrbe, Armando Quiroga, e pelo procurador-geral do município, Fernando Dionísio.

Leia mais:

Leia mais: Prefeitura interdita Engenhão por problemas estruturais

Segundo a prefeitura, todas as etapas das obras começam ainda neste ano e o estádio deve ser reaberto em novembro de 2014. Em agosto, começa o processo de montagem das gruas, o escoramento da cobertura e a fabricação de peças para o reforço da estrutura. Em setembro, a cobertura será desmontada e, em dezembro, passa a ser feito o reforço da cobertura e dos arcos.

Os trabalhos serão tocados pelo Consórcio Engenhão – composto por Odebrecht e OAS -, apesar de ele não ter sido responsabilizado pelas falhas. Uma comissão designada pela prefeitura para analisar todos os laudos técnicos concluiu que o que houve foi um erro de projeto. O estádio começou a ser construído pela empreiteira Delta, que abandonou a obra na metade, e o desenho da cobertura foi feito pela empresa Alfa. “Vamos executar a obra para que cessem os prejuízos verificados”, disse Vidigal.

Apesar disso, a RioUrbe e o Consórcio Engenhão planejam acionar judicialmente os responsáveis pelo erro no projeto assim que a investigação for concluída. O consórcio pedirá o ressarcimento das obras, e a prefeitura quer ser indenizada pelo tempo que o estádio ficará fechado. “A prefeitura vai buscar os responsáveis pelos danos efetivos e morais, porque ficaremos com o estádio fechado por um longo tempo”, explicou Quiroga, acrescentando que o município não desembolsará nenhuma quantia com a reforma e terá do novo consórcio uma garantia de cinco anos após as obras.

Leia também:

Leia também: Engenheiros ainda não sabem como consertar o Engenhão