Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

“Não fosse por Ali, não estaria aqui hoje”, diz LeBron James

Emocionado, o astro do Cleveland Cavaliers falou sobre a contribuição de Muhammad Ali na criação de ídolos globais e na luta contra o preconceito racial

O maior de todos os tempos não é menor, inclusive, que uma final de campeonato. Por essa razão, a morte de Muhammad Ali foi tema obrigatório nas entrevistas concedidas um dia antes do Jogo 2 das finais da NBA, a liga de basquete americana. Dando uma pausa nos cometários sobre confronto entre Cleveland Cavaliers e Golden State Warriors, os principais astros da disputa falaram sobre a perda e o legado do ex-boxeador.

“Hoje posso ir a China ou a qualquer lugar do mundo e as pessoas sabem meu nome e reconhecem meu rosto. Dou todo o crédito a Muhammad Ali porque ele foi o primeiro ícone do esporte. Ele é o ‘Goat’ (acrônimo em inglês para maior de todos os tempos) e isso tem zero a ver com seus feitos dentro do ringue”, disse um emocionado LeBron James em sua entrevista antes de entrar em quadra para treinar.

Mais do que responsável pela construção da figura de ídolo esportivo, Ali é definitivamente símbolo da luta contra o preconceito racial nos Estados Unidos. E LeBron fez questão de ressaltar sua importância nas conquistas sociais do país. “Não fosse por Muhammad Ali, um atleta como eu hoje não estaria aqui dando entrevistas. Não poderia frequentar restaurantes. Não poderia entrar em lugares antes proibidos para negros não fosse por caras como Muhammad Ali, Jim Brown, Oscar Robertson, Bill Russell, Lew Alcindor, Jackie Robinson entre outros.”

Vitórias importantes, evidentemente, mas que não representaram a erradicação do preconceito. O próprio LeBron foi vítima de diversos ataques pessoais ao longo de sua carreira. Sua postura combativa nesses episódios é outro exemplo da influência de Ali em sua carreira. “Sim, tive momentos adversos na vida e, sim, tive que lidar com muitas coisas enquanto profissional. E falei sobre esses problemas, coisa que outros atletas talvez não tenham feito. Mas sinto que é meu dever carregar esse bastão de caras que fizeram isso antes de mim.”