Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Nadal enfrenta ucraniano (e cansaço) na decisão no Rio

Espanhol sofreu para derrotar o compatriota Pablo Andujar na noite de sábado

“Podem pensar que um jogador como eu, que ganhei tudo, não valoriza um jogo como esse. Mas é das pequenas coisas que nascem as grandes coisas”

O espanhol Rafael Nadal fez o que todos esperavam e chegou à decisão do Rio Open. Mas a disputa da semifinal, na noite de sábado, foi mais dura do que se imaginava: durou 2 horas e 46 minutos e só foi decidida num 12 a 10 no tie-break do terceiro set contra seu compatriota Pablo Andujar. Agora, para ser campeão do mais importante torneio de tênis da América do Sul, o número 1 do mundo precisará superar o ucraniano Alexandr Dolgopolov, 54º do ranking, além do cansaço. O Rio Open é o primeiro torneio que Nadal disputa desde a final do Aberto da Austrália, em 26 de janeiro. A final acontece às 17 horas (de Brasília) deste sábado.

Leia também:

Nadal dá show, mas diz que ainda sente dores nas costas

Rafael Nadal, 800 jogos, estreia com nova vitória no Brasil

Nadal revela preocupação com lesões, mas não quer parar

Rafael Nadal: ‘Vivi meu pior momento no tênis na Austrália’

“Ganhar uma partida quando se joga mal tem seu valor, talvez até mais que quando se joga bem. Isso indica que houve luta e superação. É preciso ter humildade, lutar, correr e tentar seguir adiante. A partida de hoje valia 180 pontos, a final vale 300 pontos. Podem pensar que um jogador como eu, que ganhei tudo, não valoriza um jogo como esse. Mas é das pequenas coisas que nascem as grandes coisas”, afirmou Nadal depois da partida. A condição física preocupa, e o jogador entrará em quadra para a decisão pouco mais de 18 horas após vencer Andujar pela semifinal. Para o espanhol, o adversário pode encontrar um cenário favorável. Ele também reclamou das bolas usadas no torneio. “Eu espero estar bem. Creio que as condições de jogo são melhores para ele, que é um jogador agressivo. Será um adversário difícil, acredito que as condições serão favoráveis a ele. Ele tem um jogo ordenado, agressivo. A bola é a mesma de sempre, continua sendo ruim. Há um ano jogamos com ela, e o pessoal da ATP deveria trocá-la. Não faz sentido continuar com uma bola tão ruim.”

O espanhol também explicou a dor que sentiu na mão durante o terceiro set. “Foi uma cãibra, creio que por desidratação, mas acredito que não será problema para domingo.” Já Pablo Andujar lamentou a derrota, mas se mostrou satisfeito pelo atuação. “Foi uma das melhores partidas da minha vida, quem sabe a melhor”, afirmou. “Mas lamento ter tido dois match points e não ter aproveitado”. Questionado sobre por que não tinha conseguido a vitória mesmo que ele mesmo afirmasse ser aquela uma de suas melhores partidas da carreira, Andujar não titubeou na resposta. “É muito fácil de responder: esse jogo era contra Rafa Nadal”, resumiu.

(Com Estadão Conteúdo e agência EFE)