Na semi, Itália vem quente – mas a Espanha está fervendo

Desejo de vingança pela derrota na Eurocopa deverá impulsionar a Azzurra na quinta. Mas atletas da Fúria nem pensam em voltar para casa sem o título inédito

“Entendo que a Espanha seja a ameaça que pode impedir o Brasil de conseguir o título, por isso temos essa torcida contra nós nas partidas”, disse Del Bosque, já pensando na final

Espanha e Itália fazem nesta quinta-feira, pelas semifinais da Copa das Confederações, uma reedição do duelo que decidiu a Eurocopa de 2012. Vicente Del Bosque e seus comandados não têm dúvidas de que o implacável massacre da Fúria naquela ocasião – 4 a 0 em Kiev – fará a Azzurra vir quente para Fortaleza em busca da desforra. Mas o treinador, por sua vez, trata de avisar: a Fúria está absolutamente pronta para qualquer desafio. “Este jogo certamente terá um gosto de revanche para a Itália, pois as lembranças da Eurocopa ainda estão muito frescas. Do nosso lado, todavia, estamos muito bem preparados, já mais acostumados ao clima, com um grupo muito forte e entrosado. Não será fácil para eles”, afirmou Del Bosque. O meio-campista Sergio Busquets foi além e deixou a falsa modéstia de lado. “Por sermos campeões da Europa e do mundo, somos favoritos contra a Itália.”

Leia também:

Protocolar, Espanha bate Nigéria no Castelão e pega Itália

Espanha dá olé na posse de bola (e também na defesa)

Matador Torres, suplente pé-quente, fica perto de recorde

Ao vencer a Nigéria por 3 a 0 no Castelão, neste domingo, a Espanha chegou a mais um número histórico: 28 jogos oficiais sem derrota, superando o recorde da França, que entre 1994 e 1999 se manteve imbatível por 27 partidas. O último revés da Fúria em campeonato aconteceu há três anos, na abertura da Copa do Mundo da África do Sul, 1 a 0 para a Suíça. Contudo, a grande escrita que os espanhóis querem derrubar no Brasil é a de jamais ter vencido a Copa das Confederações. Em 2009, a então campeã européia refugou e perdeu para os Estados Unidos na semifinal. “A Copa das Confederações é o que nos falta e, desta vez, se pode ver que desde a primeira partida estamos no caminho certo”, declarou o artilheiro Fernando Torres.

Em caso de uma vitória sobre a Itália, o último obstáculo entre a Fúria e o caneco será o vencedor da partida entre Brasil e Uruguai, que fazem a outra semifinal na quarta, em Belo Horizonte. Vicente Del Bosque não quis fazer prognósticos para uma possível decisão – mas comentou o fato de que a Espanha, em todos os jogos da primeira fase, foi vaiada pela torcida brasileira. “Isso não me surpreende. Entendo que a Espanha seja a ameaça que pode impedir o Brasil de conseguir o título, por isso temos essa torcida contra nós nas partidas”, resignou-se o treinador. “Mas não tenho do que reclamar de nossa estadia. Fora de campo, nos passeios e traslados, o carinho dos brasileiros tem sido muito grande”, revelou. Em caso de uma final, isso tem data para acabar.