Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mesmo com triunfo, Felipão avisa: ninguém está garantido

Depois das duas últimas conquistas de Copa das Confederações, seleção teve seis trocas para o Mundial. Técnico diz que 'portas ainda estão abertas a todos'

“A porta nunca está estreita. Vamos ver como os outros estão jogando, é claro. Todos serão observados e, se convocados, serão bem recebidos. Estamos abertos a todos”, disse o técnico

Bola de Ouro, Chuteira de Bronze, medalha de campeão e quatro troféus de melhor atleta da partida. Neymar saiu tão carregado de prêmios da Copa das Confederações que se arrisca a ter de pagar taxa de excesso de bagagem no voo que o levará para Barcelona, sua nova cidade. Ao receber o último deles, a taça de craque da final contra a Espanha, definida por votação popular, o camisa 10 da seleção brasileira apareceu no auditório do Estádio do Maracanã ao lado do técnico Luiz Felipe Scolari. Foi questionado sobre a adaptação no novo clube e como isso pode influenciar em seu desempenho no Mundial do ano que vem. Sorridente e empolgado, Neymar disse que vai evoluir ainda mais no Barcelona e retornar ainda melhor para disputar a Copa no Brasil. Foi quando Felipão avisou: “Primeiro tem que ser convocado, né?”. Os dois riram do que foi, é claro, uma brincadeira. A provocação do chefe, no entanto, guarda um fundo de verdade. Sempre atento ao comprometimento dos atletas, o técnico revelou que já comunicou ao grupo campeão que o título erguido no domingo não significa um lugar cativo na lista dos 23 chamados para a Copa. “A gente não promete que este grupo seja o do Mundial. E todos eles já sabem disso.”

Leia também:

Brasil desbanca Espanha, levanta a taça a retorna ao topo

Seleção: quem ganhou e quem perdeu pontos com o chefe

Milagre no Rio: espanhóis vestem sandálias da humildade

Brasil x Espanha, a grande final: o que você não viu na TV

Leia também:

Neymar: antes de operar a garganta, um grito de campeão

Felipão, de novo campeão: patriotismo, coração e carisma

Enquanto o Brasil celebra, Elvis manda recado à Espanha

Final comprova: o futebol, apaixonante, não é matemática