Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Mayra Aguiar, bronze no judô, é a 4ª medalhista do Brasil

Derrotada por sua arquirrival na semifinal, a brasileira da categoria meio-pesado sobe ao pódio com vitória sobre holandesa. Judô do país já soma 18 medalhas

Na história do Brasil nas Olimpíadas, o judô tem dezoito medalhas contra dezesseis da vela, que iniciou a edição atual com a primazia

Depois de quatro dias sem medalhas nos Jogos Olímpicos de Londres, o Brasil retorna ao pódio – e, mais uma vez, graças ao judô. Depois do ouro de Sarah Menezes e do bronze de Felipe Kitadai no sábado, Mayra Aguiar, de 20 anos, conquistou o bronze nesta quinta-feira, na ExCel Arena, na categoria meio-pesado, para lutadoras de até 78 quilos. Na decisão da medalha, Mayra derrotou a holandesa Marhinde Verkerk por ippon, logo no começo do combate, recuperando-se de um difícil revés na semifinal. Depois de mostrar seu poder de superação, a judoca comemorou muito o bronze. A medalha, a quarta do Brasil nesta Olimpíada, foi conquistada na véspera de seu aniversário – na sexta, Mayra completa 21 anos – e diante do primeiro-ministro britânico David Cameron e do presidente russo Vladimir Putin, que acompanharam as finais bem ao lado do tatame. (Cameron foi pé-frio: na decisão do ouro, a britânica Gemma Gibbons foi derrotada pela americana Kayla Harrison). Assim como Sarah Menezes, Mayra é integrante da geração 2016 da equipe olímpica brasileira – jovem e talentosa, tem tudo para brilhar no Rio de Janeiro. Ainda assim, a atleta encerra sua participação com a sensação de que poderia ter ido mais longe. Na comissão técnica da equipe brasileira, apostava-se muito em Mayra, já que ela vinha de excelente sequência de lutas e tem crescido na carreira nos últimos anos.

Depois de quase meio século no programa olímpico – a modalidade estreou em Tóquio-1964 -, o judô vai se consolidando como maior fonte de medalhas para as delegações brasileiras nos Jogos. Na história do Brasil nas Olimpíadas, o judô tem dezoito medalhas contra dezesseis da vela, que iniciou a edição atual com a primazia. Dos quatro pódios conquistados pelo país em Londres, três foram do judô. Uma novidade nesse desempenho, porém, é a superioridade da equipe feminina. Até Pequim-2008, o Brasil jamais havia conseguido uma medalha no judô entre as mulheres. Desde o bronze de Ketleyn Quadros, já foram mais duas medalhas, com Sarah Menezes e, nesta quinta, com Mayra Aguiar. Mayra, que chegou a Londres como número 1 no ranking mundial de sua categoria, era cotada para o ouro olímpico, mas parou na sua adversária mais dura: a americana Kayla, de 22 anos, que já havia derrotado a brasileira na final do Mundial de 2010. Antes do início do torneio olímpico, Kayla tinha vencido 19 de suas 21 lutas no ano – e Mayra tinha sido uma das duas atletas a bater americana, na final do Grand Slam 2012, em Paris. Na semifinal entre as duas, o clima de rivalidade era nítido – e a derrota por ippon, no fim do combate, foi muito sentida pela brasileira. Em sua segunda Olimpíada (em Pequim-2008, ela competiu em uma categoria abaixo, para lutadoras de até 70 quilos), Mayra é gaúcha e agora mira nos Jogos do Rio – terá 24 anos na primeira edição disputada no país.