Matthäus esculhamba geral: Platini, Zico, Guardiola e jogadores da seleção brasileira

O ex-capitão da seleção da Alemanha desejou o melhor a Joseph Blatter e defendeu Dunga, técnico do Brasil: "não é culpa dele".

Lothar Matthäus, primeiro jogador eleito melhor do mundo em eleição da Fifa, em 1991, decidiu menosprezar candidatos à presidência da entidade depois de Joseph Blatter anunciar sua saída. O alemão desqualificou Michel Platini e ridicularizou a tentativa do brasileiro Zico. “��É uma piada e nada mais. Serve de propaganda para ele, que está muito longe, no Brasil.”� O capitão da seleção alemã em 1990 disse ao jornal O Globo que não acredita que “um ex-jogador possa ser dirigente só por ter jogado e treinado alguns times, é preciso mais”.

Zico rebateu as críticas sem ampliar a polêmica. “A opinião é um direito dele. Só se esqueceu que fui secretário nacional de Esportes (no governo Collor), que participei de comitês de Copas do Mundo e trabalhei como dirigente de clube. A minha candidatura é séria e segue firme.” O ídolo flamenguista ainda afirmou que América do Sul e Europa estão no mesmo nível. “O fato de eu estar no Brasil não diz nada, porque a Europa não é melhor que a América do Sul e vice-versa.”

Matthäus ainda atacou Platini, atual presidente da Uefa. “��Platini apoiou a candidatura do Catar para ser sede da Copa de 2022. O filho dele trabalhou para uma empresa catariana. São as mesmas pessoas. É preciso transparência”��, cobrou. Blatter entregou o cargo em 2 de junho, quatro dias após ser eleito para o seu quinto mandato consecutivo na presidência da Fifa, pressionado pela exposição de casos de corrupção na entidade. O suíço segue como interino até novo pleito e tem o apoio de Matthäus. “��Talvez Blatter fique no cargo. Fez um grande trabalho e desejo o melhor, porque não é possível controlar todas as pessoas.”

VEJA TAMBÉM

Blatter diz que Platini tentou intimidá-lo. Ex-jogador rebate as acusações

��Em relação ao futebol brasileiro, o antigo meio-campista defendeu Dunga. “��Fomos contemporâneos. Ele tem uma mentalidade alemã e tenta empregar isso na seleção. Se os jogadores não correspondem, o que pode fazer? Não é culpa dele.” Ele aproveitou para criticar os jogadores brasileiros, afirmando ter ficado triste com o desempenho apresentado na Copa de 2014. “Meu coração chorava quando via o Brasil em campo”. Polêmico, o ex-jogador ainda atacou Pep Guardiola, técnico do Bayern de Munique, time pelo qual Matthäus atuou em 13 temporadas, sendo heptacampeão nacional. “��O Mourinho é mais técnico e diz as coisas na cara, é direto. Guardiola, seja transparente.”

(Com agência Gazeta Press)