Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Lusa começa mal, mas reage e segura empate ante Boa com dez em campo

A festa estava toda preparada para comemorar os 63 pontos da Portuguesa e o virtual retorno à primeira divisão do Campeonato Brasileiro. Mas o atrevido time do Boa Esporte justificou a sua boa campanha na Série B (é o quinto colocado) e deu trabalho aos lusitanos, arrancando um empate por 1 a 1 na noite desta terça-feira, no Canindé.

Com o resultado, os anfitriões chegaram aos 61 pontos conquistados e seguem com larga vantagem na liderança do Campeonato Brasileiro da Série B. Já a equipe de Varginha permanece na quinta colocação, mas pode ser ultrapassado pelo Sport no complemento da rodada.

Os paulistas voltam a campo na próxima terça-feira, também no Canindé, onde recebem o Vitória, às 20h30 (de Brasília). No mesmo horário, os mineiros visitam o ABC, no estádio do Frasqueirão.

O Jogo – Os jgoadores da Portuguesa entraram no gramado do Canindé festejados pela possibilidade de atingir a pontuação de 63, tida como o necessário para conseguir o acesso à Série A, e ainda contaram com uma homenagem ao narrador Osmar Santos para se inspirarem durante a partida. Logo aos cinco minutos, porém, o Boa calou os torcedores.

Moisés tabelou bem com Ramon e, de muito longe, arriscou. A bola saiu forte e pegou o goleiro Weverton adiantado, entrando no ângulo direito da meta do arqueiro lusitano, que chegou a encostar na redonda. Atordoada, a Lusa demorou um pouco a se achar.

A primeira boa chance veio com o meia Marco Antônio, que arriscou de fora da área, mas mandou nas mãos de Luiz Henrique. Logo na sequência, no entanto, Moisés invadiu a área e foi derrubado por Weverton, em lance que provocou muitas reclamações dos visitantes. O árbitro mandou seguir a jogada.

Em superioridade numérica, os visitantes, que se limitavam a sair nos contra-ataques, passaram a tocar bola no meio-campo. As oportunidades que chegavam mais perto do gol da Lusa vinham em faltas, mas, mesmo assim, o Boa não conseguia chances claras.

Os melhores lances, assim como nos primeiros 45 minutos, saíam dos pés do habilidoso Moisés, que atormentava o lado esquerdo da zaga lusitana. No melhor de seus lances, já aos 40 minutos, ele invadiu a área e bateu cruzado, obrigando Weverton a fazer grande defesa. No último lance, Maranhão cruzou e Ramon acertou o travessão.

Alguns impedimentos duvidosos ainda ajudaram os donos da casa, que seguraram a igualdade até o fim e, se não conseguiram a vitória, ao menos diminuíram o número de embates restantes para consolidação do acesso.