Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Luis Fabiano reina em treino de finalizações cheio de erros

Após comandar uma atividade predominantemente física e de leves trabalhos com bola pela manhã nos campo do CCT da Barra Funda, Emerson Leão encerrou os exercícios do dia de reapresentação praticando finalizações à tarde. Entre uma série de erros, acompanhou um excelente aproveitamento de Luis Fabiano.

Foi em uma atividade deste tipo que o técnico usou o apelido ‘Fabuloso’ de forma irônica para provocar o camisa 9 durante seus equívocos. Nesta terça-feira, entretanto, o dia foi do centroavante, autor de quatro gols nas únicas duas vitórias do São Paulo nas últimas 12 rodadas do Campeonato Brasileiro.

O treinador variou os tipos de exercícios, mantendo somente a obrigação de tabela antes que alguém chutasse, com duplas definidas. O centroavante, que teve o volante Dener como companheiro, acertou a maioria de suas tentativas, de pé esquerdo, direito ou cabeça.

Luis Fabiano se empolgava com seu desempenho. Comemorava cada bola que colocava nas redes, provocava o colega Dener, chamando-o de ‘Soneca’, e brincava até com os defensores, que faziam trabalho separado do outro lado do campo. A contratação mais cara da temporada no futebol brasileiro até abria os braços simbolizando seu reinado no treino.

Poucos poderiam fazer o mesmo. Dener e Lucas foram outros que mostraram pontaria. Outros, porém, deixaram Leão irritado. Principalmente Henrique. O técnico chegou a parar a atividade logo após o atacante isolar uma bola. Reuniu o grupo e deu uma bronca no craque do último Mundial sub-20 na frente de todos.

Willian José também foi outro que ouviu bastante, mas balançava a cabeça, enquanto Henrique precisava ser chamado com gritos. Marlos e Dagoberto completaram a lista entre os que foram repreendidos, assim como Casemiro, dono de rendimento irregular – fazia um golaço e, na sequência, mal corria atrás da bola.

Leão alternou tabelas rasteiras, cruzamentos na primeira e segunda trave, bolas ajeitadas com a mão, chutes dentro e fora da área. E a maior parte de seus comandados mal conseguia finalizar em direção à meta. ‘Vamos acertar esse gooooool!’, esbravejou o chefe em um momento, colocando as mãos na bocas, gritando para o alto.

As broncas, entretanto, são mais uma forma de acelerar a melhora. ‘Não quero ver o gol. Quero que eles pratiquem o chute de esquerda, em diagonal… É a postura do corpo’, comentou o comandante