Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Keila Costa ganha prata na abertura da Diamond League

Por Amanda Romanelli

Doha – Keila Costa conquistou um bom resultado na etapa de abertura da Diamond League, nesta sexta-feira, em Doha, e confirmou sua presença na disputa do salto triplo na Olimpíada de Londres. Única brasileira na competição do Catar, que marcou o início do circuito mundial que reúne a elite do atletismo, ela fez a marca de 14,31 metros, índice A para os Jogos Olímpicos, e ficou com a medalha de prata.

Na prova desta sexta-feira, Keila Costa foi superada apenas pela casaque Olga Rypakova, que venceu com 14,33 metros. Já a francesa Francoise Mbango Etone completou o pódio, ao levar bronze com 14,09 metros. “Foi uma felicidade gigante, tanto conseguir o índice A (da Olimpíada) quanto a segunda posição em uma prova muito bacana”, comemorou o técnico da brasileira, Neílton Moura.

Além da tranquilidade de treinar especificamente para a Olimpíada, Neílton disse que o resultado desta sexta-feira abriu portas para Keila. “É muito importante uma prata numa Diamond League, porque facilita a entrada dela em outros torneios internacionais. Se o atleta tem a chance de ir para uma prova que todo mundo quer e não faz um bom resultado, queima a ficha”, explicou o técnico.

Agora, Keila tenta conseguir o índice também no salto em distância, na qual esteve nas duas últimas edições da Olimpíada. Para isso, precisa atingir a marca de 6,75 metros – atual campeã olímpica, Maurren Maggi já está classificada para Londres. Ela volta a competir na quarta-feira, no GP de Atletismo de São Paulo. Depois, disputa o GP Brasil, no domingo seguinte, no Rio.

RESULTADOS – Doha recebeu nesta sexta-feira a primeira das 14 etapas desta edição da Diamond League, que reunirá novamente a elite do atletismo mundial em competições pelo mundo e com prêmios milionários. Em outro destaque do dia no Catar, o norte-americano Justin Gatlin venceu o duelo com o jamaicano Asafa Powell e conquistou a medalha de ouro na prova dos 100 metros.

Campeão olímpico dos 100 metros nos Jogos de Atenas, em 2004, Gatlin já enfrentou uma suspensão de quatro anos por doping, entre 2006 e 2010. Agora, ele está tentando voltar ao alto nível, como mostrou nesta sexta-feira, ao vencer com o tempo de 9s87. Assim, superou Asafa Powell, antigo recordista mundial da prova, que terminou em segundo lugar em Doha, com a marca de 9s88.