Inglaterra aprova regra de punição por simulação

Casos serão avaliados por equipe formada por ex-árbitro, ex-treinador e ex-jogador e poderão receber dois jogos de suspensão

A Associação de Futebol da Inglaterra (FA, na sigla em inglês) anunciou nesta quinta-feira que começará a aplicar punições retroativas a jogadores que tenham enganado árbitros com simulações que resultem em pênaltis ou expulsões de adversários.

De acordo com a entidade, um grupo de especialistas formado por um ex-árbitro, um ex-treinador e um ex-jogador avaliará imagens dos lances e, em caso de conclusão de ação deliberada pelo atleta para tentar induzir o árbitro a uma marcação em favor de sua equipe, ele poderá ser suspenso por dois jogos.

“Embora tentativas de enganar o árbitro ao fingir faltas e lesões sejam consideradas ofensas puníveis por comportamento antidesportivo, o fato de que essas simulações estejam dando certo e gerando pênaltis e expulsões nos leva a procurar uma pena mais severa”, explicou a FA, por meio de nota publicada em seu site oficial.

A regra valerá a partir da próxima temporada do futebol inglês e é similar ao sistema já adotado pela associação na verificação de lances que deveriam gerar expulsões e que são despercebidos pelas equipes de arbitragem. Nestes casos, quem analisa os lances retroativamente, por meio de imagens, é um grupo formado apenas por ex-árbitros.

(Com Estadão Conteúdo)