Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Hamilton vence GP da Itália e fica perto de igualar ídolo Senna

Vettel foi o segundo. Felipe Massa segurou terceiro lugar e completou pódio em Monza

O britânico Lewis Hamilton, da Mercedes, nunca escondeu a admiração por Ayrton Senna, e neste domingo o fã deu passo importante para igualar o ídolo. Hamilton conquistou sua 40ª vitória na Fórmula 1, no Grande Prêmio da Itália, disputada no circuito de Monza, em que Felipe Massa foi ao pódio. Agora, o inglês precisa vencer somente mais uma corrida para igualar as 41 bandeiradas de Senna.

“Este fim de semana foi simplesmente fantástico. Foi perfeito para mim, não sei se alguma vez tive outro assim”, afirmou. “Tudo isso, no entanto, eu não teria alcançado sem minha equipe. É um time extraordinário e o que conseguimos juntos é tão especial, que estou realmente grato por ter trabalhado tão duro neste fim de semana. Estes caras fazem um trabalho imenso”, disse o piloto.

O atual campeão mundial e líder desta temporada, conseguiu o chamado ‘Grand Chelem’, ou seja, fez a pole, a melhor volta e ainda cruzou a linha de chegada com êxito de ponta a ponta. Além disso, Hamilton foi o mais rápido nos três treinos livres realizados, para deixar o fim de semana ainda mais perfeito.

O pódio da prova foi completado pelo alemão Sebastian Vettel, da Ferrari, em segundo, e por Felipe Massa, que precisou se segurar no fim, em luta com o companheiro de Williams, o finlandês Valteri Bottas. Nico Rosberg, por sua vez, abandonou na antepenúltima volta e viu o parceiro de Mercedes abrir 53 pontos de frente.

Suspeição – A vitória de Hamilton foi confirmada após a Federação Internacional de Automobilismo (FIA) optar por não punir o piloto inglês e a Mercedes, apesar da pressão em um dos pneus do seu carro não estar em conformidade com a determinação da Pirelli, a fornecedora de compostos na Fórmula 1.

A pressão do pneu traseiro esquerdo de Hamilton estava 0,3 psi (libra força por polegada quadrada) abaixo do mínimo de 19,5 psi exigido antes do início da prova deste domingo. Mas os comissários de pista do GP da Itália optaram por não puni-lo porque a pressão estava no nível correto quando os pneus foram montados no carro.

“Os comissários determinaram que a pressão dos pneus nos carros em questão estavam de início na recomendação mínima da Pirelli quando eles foram colocados no carro. Ao fazer essa determinação sobre as pressões, os comissários observaram que os cobertores de aquecimento de pneus foram desligados da sua fonte de energia, como é o procedimento normal, e os pneus estavam significativamente abaixo da temperatura máxima no momento da medição da FIA no grid, e as temperaturas eram significativamente diferentes de outros carros medidos no grid”, explicou a FIA.

“Os comissários decidiram não tomar nenhuma ação adicional. No entanto, os comissários recomendam que o fabricante de pneus e a FIA realizem novas reuniões para fornecer uma orientação clara para as equipes sobre os protocolos de medição”, concluiu.

Com a manutenção do resultado final do GP da Itália, Hamilton quase dobrou a sua vantagem na liderança do Mundial de Pilotos para o alemão Nico Rosberg, seu companheiro de equipe na Mercedes e que também estava sob investigação, cujo motor pegou fogo nas voltas finais do circuito de Monza. O inglês está com 252 pontos, enquanto o alemão soma 199.

(Com agência EFE)