EUA, México e Canadá planejam Copa conjunta; Trump não é problema

Países da América do Norte cogitam sediar, juntos, o Mundial de 2026

A Concacaf, federação que gere o futebol nas Américas Central e do Norte, discute uma possível candidatura conjunta para a Copa do Mundo de 2026 com Estados Unidos, México e Canadá como sedes. O presidente da entidade, Victor Montagliani, afirmou nesta quinta-feira que o controverso muro que o presidente americano Donald Trump planeja construir na fronteira com o México não seria um obstáculo para a organização.

“Trump tem sido bastante consistente em seu apoio aos eventos globais e esportivos ao longo de sua carreira como empresário. Não acho que isso mudaria necessariamente agora que ele é um presidente”, afirmou Montagliani. “É importante, se vamos fazer algo assim, que o façamos bem do ponto de vista esportivo e administrativo, antes de nos preocuparmos com algo acima disso.”

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, já declarou diversas vezes ser a favor de candidaturas conjuntas, com até quatro países-sede. Para o chefe da Concacaf, a expansão do torneio de 32 para 48 seleções em 2016 aumenta as chances da candidatura americana.

“Especialmente com 48 seleções e a infraestrutura aumentada que isto necessita, não só de um ponto de vista de estádios, mas centros de treinamentos, hotéis e todas as outras coisas, ter a oportunidade com três ou mais países que são geograficamente próximos, seria sensato”, disse.

Montagliani não descartou a possibilidade de jogos da fase de grupos serem realizados também na América Central ou Caribe. “Provavelmente em curto prazo, aqui na Concacaf, iremos sentar em uma mesa e ver como seguiremos em frente. Você precisa olhar para a economia também, pesar o custo-benefício, mas acho que as possibilidades são infinitas”

A Copa do Mundo de 2018 será realizada na Rússia, e o Catar receberá a competição em 2022. Por isso, o continente americano é visto como favorito para receber o torneio de 2026, já que as regras da Fifa estabelecem um “rodízio de continentes” que restringiria Europa e Ásia como sedes. Apesar disso, a China, com todo seu poderio econômico, já trabalha nos bastidores para “furar” o rodízio e sediar o torneio.

Outras opções seriam África e Oceania, que ainda não têm nenhum plano organizado. Uruguai e Argentina querem sediar a Copa do Mundo de 2030, numa celebração ao centenário da competição inaugurada em 1930 em Montevidéu. Até hoje a única Copa com sede conjunta foi a de 2002, na Coreia do Sul e no Japão, vencida pela seleção brasileira.

(Com agência Reuters)