Espanhola que perdeu olho em batida é encontrada morta

Maria de Villota tinha 33 anos e sofreu um terrível acidente enquanto testava um carro da Marussia no ano passado. A causa da morte ainda não foi divulgada

A piloto Maria de Villota, após acidente em que perdeu o olho direito

A piloto Maria de Villota, após acidente em que perdeu o olho direito (VEJA)

“Ela era muito querida por todos nós, por toda a família do automobilismo”, disse Fernando Alonso, que usou uma estrela no capacete em homenagem a Maria depois de seu acidente, em 2012

A espanhola Maria de Villota, piloto que sofreu um gravíssimo acidente testando um carro de Fórmula 1 no ano passado, foi encontrada morta nesta sexta-feira, em Sevilha. A causa da morte não foi divulgada pela família, que anunciou o falecimento através da página de Maria no Facebook. Ela tinha 33 anos. O corpo foi encontrado num quarto de hotel. Ela daria uma palestra em Sevilha nesta sexta. De acordo com o jornal espanhol Marca, a assistente pessoal da piloto chamou os serviços de emergência ao encontrá-la desacordada pela manhã. Em entrevista ao diário esportivo, o presidente da Federação Espanhola de Automobilismo, Carlos Gracia, disse ter informações de que Maria morreu de causas naturais.

Leia também:

Piloto espanhola da Marussia recebe alta depois de 23 dias

Piloto da Marussia diz que lembra dos detalhes de acidente

“Queridos amigos, Maria nos deixou. Teve que ir para o céu, como todos os outros anjos. Agradecemos a Deus por esse um ano e meio a mais que a deixou conosco”, diz a mensagem assinada pela família, fazendo referência ao período em que Maria de Villota lutou para se recuperar das sequelas da batida. O acidente fez com que ela perdesse o olho direito, mas a espanhola vinha mostrando grande evolução – chegou a visitar o paddock do GP da Espanha deste ano. O trágico acidente aconteceu no aeroporto de Duxford, na Inglaterra, quando ela testava um carro da equipe Marussia. Ela dirigia em linha reta quando perdeu o controle e se chocou com um trailer. Sofreu uma perfuração no crânio e teve de enfrentar diversas cirurgias.

A piloto espanhola Maria de Villota

A piloto espanhola Maria de Villota (VEJA)

Filha do ex-piloto de Fórmula 1 Emilio de Villota, Maria competiu na Fórmula Superliga e tinha como grande objetivo repetir a experiência do pai e chegar à categoria de elite do automobilismo mundial. O acidente, sofrido enquanto ela era piloto reserva da Marussia, acabou com suas pretensões. Os pilotos que se preparam para a disputa do GP do Japão, neste fim de semana, se disseram chocados com a notícia da morte da espanhola. O compatriota Fernando Alonso ficou muito abalado. “Não sei o que dizer, acabam de me contar. É preciso rezar por ela e pela família. Ela era muito querida por todos nós, por toda a família do automobilismo”, disse o piloto da Ferrari, que usou uma estrela no capacete em homenagem a Maria depois de seu acidente.

Rubens Barrichelo no GP de San Marino, em 1994

Niki Lauda no GP da Alemanha, 1976

Christian Fittipaldi no GP da Itália, 1993

Mark Webber no GP da Europa, 2010

Jacques Villeneuve e Ralf Schumacher na Austrália, 2001

Robert Kubica no GP do Canadá, 2007

Jacques Villeneuve e Ricardo Zonta no GP da Bélgica, 1999

Luciano Burti e Eddie Irvine no GP da Bélgica, 2001

Mark Webber e Fernando Alonso no GP do Brasil, 2003

Nelson Piquet nas 500 Milhas de Indianápolis, 1992

Nelson Piquet no GP de San Marino, 1987

Gerhard Berger no GP de San Marino, 1989

Ayrton Senna no GP do México, 1991

Alessandro Zanardi no GP da Alemanha da Indy, 2001

Ralf Schumacher e Barrichello no GP da Austrália, 2002

(Com agência Gazeta Press)