Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Elenco do Colo Colo dá apoio a jogador ameaçado por barras bravas

Santiago do Chile, 10 abr (EFE).- Os jogadores e a comissão técnica do Colo Colo deram apoio nesta terça-feira ao atacante Carlos Muñoz, ameaçado por integrantes de uma torcida organizada da equipe – conhecidos no Chile como ‘barras bravas’.

‘Queremos ter por perto os torcedores do Colo Colo, mas não queremos delinquentes, e esses são atos que vamos denunciar sempre’, disse o técnico, Ivo Basay, em uma entrevista coletiva.

O atleta denunciou há poucos dias que foi ameaçado por Francisco Muñoz, líder da ‘Garra Blanca’, conhecido pelo apelido de ‘Pancho Malo’. Segundo a versão do jogador, ‘Pancho’ o chamou na sexta-feira passada na concentração do time e disse que o atleta tivesse cuidado porque iria ‘lhe causar perigo’.

O caso provocou grande polêmica no Chile e reabriu o debate sobre o apoio que muitos clubes dão a certo tipos de torcedores.

Basay reconheceu que mantém uma boa relação com a barra brava do Colo Colo, embora tenha tomado distância da mesma por conta dos ‘atos de marginalidade’ denunciados por Muñoz.

‘Nos criticar porque jogamos mal faz parte, mas não vamos permitir sob nenhum ponto de vista que aconteça o que aconteceu com nosso atleta’, declarou o técnico do time chileno.

O capitão da equipe, Esteban Paredes, também saiu em defesa de seu companheiro e disse que este tipo de ocasiões ‘fazem muito mal ao futebol’.

O defensor Luis Mena, agradeceu o apoio da torcida, mas declarou que as ameaças aos jogadores ‘sujam o futebol’.

O líder da barra brava, no entanto, defende sua inocência e apresentou nesta terça uma denúncia perante a Promotoria de Santiago, para que sejam averiguadas as supostas ameaças relatadas pelo jogador.

O atleta se afastou de todas as polêmicas na concentração da seleção chilena, que se prepara para o amistoso de quarta-feira contra o Peru.

O técnico do time nacional, o argentino Claudio Borghi, elogiou a coragem do atacante ao denunciar publicamente o ocorrido, embora tenha afirmado que outras pessoas do mundo do futebol são as que devem liderar a luta contra os torcedores violentos.

‘Ainda estou esperando que muita gente fale do que está acontecendo. Tomara que seja em breve e que ‘Carlitos’ fique afastado desta situação’, encerrou Borghi. EFE