Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Elenco discorda de Juvenal: trabalho de Leão é mais do que razoável

Juvenal Juvêncio desembarcou de Curitiba após a eliminação na Copa do Brasil dizendo que Emerson Leão permanecia no cargo de técnico do São Paulo mesmo fazendo um trabalho ‘razoável’ e por falta de opções no mercado. Mas os jogadores reiteraram a posição de apoio ao chefe. O termo usado pelo presidente para definir o desempenho do técnico gerou discordância no elenco.

‘Não vejo o São Paulo como razoável. Se olharem os números do ano, a equipe tem um bom desempenho, são poucas as equipes que têm o nosso índice. Cada uma faz sua análise no momento da derrota, mas acho que o razoável é porque ainda não conquistamos o título’, indicou Cícero.

O argumento do meio-campista é exatamente o mesmo que o ex-goleiro recorre sempre que se sente pressionado: o aproveitamento do time. Na temporada em que a equipe igualou a maior sequência de vitórias da história do clube (11), o Tricolor de Leão conquistou neste ano 70,4% dos pontos que disputou, com 23 vitórias, cinco empates e sete derrotas.

Diante das análises de falta de padrão tático no time, os atletas defendem o chefe. ‘Pega o primeiro jogo do ano e o último: o entrosamento é bem melhor. Houve uma evolução nítida. Mas todos têm muito a evoluir ainda’, apontou Denis, reiterando obediência a Leão, a quem dá méritos pelos sucessos que a equipe atingiu em 2012.

‘O time procura sempre fazer o que o Leão pede, jogar da melhor maneira tática possível. É uma pessoa de muita experiência, muitos anos no futebol. Temos que procurar fazer o que ele pede para que as vitórias apareçam. Para mim, tem sido muito bom trabalhar com ele. Estou aprendendo bastante’, elogiou o goleiro.

Alguns atletas até assumem a culpa pelo desgaste na temporada por preferirem atuar no Campeonato Brasileiro em vez de se pouparem para a Copa do Brasil neste primeiro semestre. ‘Temos jogado direto e há um desgaste evidente, mas o jogador também quer entrar em campo e jogar. É algo que não justifica a derrota’, argumentou Cícero. ‘É normal da temporada, não podemos colocar a culpa no desgaste’, completou Cortez.A defesa a Leão é a segunda forte manifestação de confiança do grupo neste ano. Em maio, quando a diretoria impôs o afastamento de Paulo Miranda, tirando-o até da concentração, o técnico discordou e ganhou apoio incondicional do elenco.

A posição é mantida sempre com cuidado para não criticar nenhum dirigente, principalmente Juvenal Juvêncio. ‘O Leão está conosco, o Juvenal disse que ele permanece. Perdemos duas semifinais, mas temos de dar a volta por cima’, indicou Cícero.

‘Estamos no caminho bom, certo. Todos sabem o que fazer. Precisamos acertar detalhes, conversar um com o outro. A equipe começou em formação, mas tem mostrado resultado. Temos de chegar à decisão e concretizar com título. A reformulação não vai até o fim do ano e temos de dar uma resposta rápida’, concluiu o meio-campista.