Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Dunga defende Oscar, o pior em campo no Chile

Treinador diz que meia do Chelsea "puxou todos os contra-ataques", mas lamentou as escolhas erradas de todos os atletas do setor de criação

O técnico Dunga optou por blindar seus atletas depois da derrota da seleção brasileira por 2 a 0 para o Chile, em Santiago, na estreia das Eliminatórias da Copa de 2018, na noite desta quinta-feira. Em meio a várias atuações apagadas do Brasil, o meia Oscar teve a pior participação: errou passes simples, ficou preso na marcação dos chilenos e ainda pecou nas finalizações. Ainda assim – e até para justificar a sua escolha de mantê-lo em campo os 90 minutos -, Dunga defendeu o jogador do Chelsea após a partida.

“O Oscar alternou durante toda a partida, mas se você olhar nossos contra-ataques, todos foram puxados por ele”, disse o treinador na entrevista coletiva. Dunga preferiu dividir a responsabilidade entre todos os atletas do setor de criação e admitiu sua frustração. “Willian, Oscar, Douglas Costa tomaram decisão. Tivemos cinco contragolpes que seriam fatais se a gente tivesse tomado a decisão certa. Aí não estariam falando que estava faltando esse ou aquele jogador. É claro que todo grande jogador faz falta”, disse, citando a ausência de Neymar, suspenso.

Leia também:

Para Dunga, Brasil fez ‘jogo parelho’ contra o Chile

Equador surpreende e bate a Argentina em Buenos Aires

Na zona mista, Oscar, que retornou ao time após lesão que lhe tirou da Copa América, admitiu a decepção com sua participação e lamentou um erro em tentativa de passe para Hulk, quando a partida estava 0 a 0 e ele poderia ter finalizado. “Saio triste porque estávamos bem. Acho que no final eu poderia ter finalizado melhor. A melhor opção era ter chutado com a canhota.”

Um dos atletas mais experientes do grupo, o lateral-direito Daniel Alves pediu calma à seleção para a sequência das Eliminatórias. “Tudo que é feito com tranquilidade tem resultados melhores. Se você tiver caos em função dos resultados, dificilmente terá equilíbrio. Na seleção, sempre é obrigação vencer. Algumas vezes as coisas funcionam, outras não, mas temos de continuar acreditando no nosso trabalho.” Na terça-feira, dia 13, o Brasil enfrentará a Venezuela, na Arena Castelão, em Fortaleza.

(com Estadão Conteúdo)