Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Doping: mais de 1.000 atletas russos se beneficiaram de esquema

Relatório McLaren confirma "conspiração e acobertamento" no esporte russo, realizados com apoio do governo do país, entre 2011 e 2014

A segunda parte do relatório McLaren, que analisa casos de doping no esporte, apresentou dados chocantes nesta sexta-feira: mais de 1.000 atletas russos, de 30 modalidades, se envolveram ou se beneficiaram de práticas de doping patrocinado pelo governo do país entre 2011 e 2015.

O documento independente, confeccionado a partir de solicitação da Agência Mundial Antidoping (Wada) afirma que existiu uma “conspiração” na Rússia, realizada com apoio de autoridades do Ministério do Esporte e com apoio da agência local antidoping e do Centro de Preparação das Equipes Nacionais.

“Podemos confirmar o que anunciamos no primeiro relatório: aconteceu um acobertamento, que começou em 2011 e seguiu até depois dos Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi. Um acobertamento que evoluiu até níveis sem precedentes”, afirmou o professor Richard McLaren, da Western University do Canadá.

Antes dos Jogos Olímpicos do Rio, realizados em agosto, seu informe preliminar apontou como o consumo de substâncias proibidas por atletas russos era promovido por programas secretos do governo russo, contando inclusive com o apoio dos serviços de inteligência.

Richard McLaren

Richard McLaren apresenta o seu relatório (Peter Power/Reuters)

As revelações levaram centenas de atletas e entidades a pedir a suspensão de toda a delegação russa dos Jogos do Rio, mas a opção do Comitê Olímpico Internacional (COI) foi a de manter a Rússia no grande evento e suspender apenas os integrantes do atletismo e aqueles que não conseguissem provar que estavam limpos. Na época, McLaren acusou o COI de não entender que o doping era generalizado e organizado pelo estado russo.

Agora, suas conclusões revelam a dimensão do escândalo que envolveu diretamente o ex-ministro do Esporte da Rússia, Vitaly Mutko. O braço direito do presidente Vladimir Putin não foi autorizado a viajar ao Rio de Janeiro, mas o Kremlin, em vez de demiti-lo, o promoveu ao cargo de vice-primeiro-ministro.

“Houve uma sistemática manipulação de controle de doping. Mais de mil atletas podem ser identificados como tendo beneficiados de manipulações”, explicou McLaren nesta sexta-feira. Nos esportes de verão, esse número seria de pelo menos 600 e os nomes já foram repassados às federações internacionais.

Mais de 500 casos que deveriam ser positivos foram testados como “positivos” nos exames internacionais, permitindo que pudessem competir em provas internacionais e mesmo nos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres.

(com agências EFE e Estadão Conteúdo)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Gerador emprego

    Olha aí exemplo de honestidade de comunistas…só mentira…. teorias de conspiração…falcatruas… enganação… alienação…enquanto isso os líderes vivem como na monarquia…povo oprimido e perdido no caos…isso tem ser extinto do mapa…e vai ser com internet questão tempo pra termos estruturas pra volte democracia direta…aí essa cambada que hj líder vão carregar caixas

    Curtir

  2. Democrata Cristão

    O Rato Putin KGB está com saudade da URSS, aliás, tanto a URSS como a Alemanha Oriental, está com a sua Stasi, tinha a mesma prática de doping nas Olimpíadas.

    Curtir

  3. Fábio Luís Inaimo

    Vai confiando em PuTrin….o novo Hitler !!!

    Curtir