Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Direção da CBF não aceita ter técnico estrangeiro

José Maria Marin, ainda presidente da CBF, e seu sucessor eleito, Marco Polo Del Nero, rejeitam todas as pressões para trazer um treinador de outro país

A chance de a seleção brasileira ter um técnico estrangeiro no lugar de Luiz Felipe Scolari é zero. José Maria Marin, ainda presidente da CBF, e seu sucessor eleito, Marco Polo Del Nero, rejeitam todas as tentativas ou pressões para trazer um treinador de outro país. Nem mesmo nomes badalados como o português José Mourinho e o espanhol Pep Guardiola animam a dupla de dirigentes. Marin, um nacionalista de carteirinha, jamais admitiu contratar um técnico que não fosse um brasileiro. Quando demitiu Mano Menezes em novembro de 2012, com a aprovação de Del Nero, o presidente da CBF recebeu algumas sondagens da possibilidade de trazer um treinador europeu, como Guardiola, mas siplesmente disse não.

Leia também:

No maior pesadelo do futebol do Brasil, Alemanha faz 7 a 1

Irritado, Felipão comemora semifinal e diz que Brasil perdeu por pane em seis minutos

Parreira fala em “trabalho perfeito” e não se arrepende de discurso sobre favoritismo

As marcas incríveis dos alemães no massacre do Mineirão

Com a saída de Luiz Felipe Scolari após a Copa do Mundo, os apelos por um técnico de fora do Brasil crescem. Marin e Del Nero ainda não se manifestaram a respeito do futuro de Felipão, mas já sinalizam que o sucessor deve mesmo ser um brasileiro. Marin promete aparecer na tarde desta quinta-feira na Granja Comary para conversar com os jogadores e com Felipão e sua comissão técnica. A CBF não confirmou se o dirigente faria algum pronunciamento. Marin, segundo Felipão, deu todo apoio ao treinador e aos atletas ainda nos vestiários do Mineirão após a derrota por 7 a 1 para a Alemanha, na última terça, e ficou nisso.

Leia também:

‘Sei como Felipão está se sentindo’, afirma técnico alemão

Para Felipão, metade de seu time estará de volta em 2018

Empresário de Neymar ofende Felipão nas redes sociais

Em São Paulo, fontes ligadas ao futebol garantem que o acordo da CBF com Tite está selado. Ele seria uma sugestão de Del Nero, entusiasmado com o trabalho do treinador no Corinthians. Marin também tem simpatias por Muricy Ramalho, por causa da sua forte ligação com o São Paulo.

Amistosos – A seleção brasileira voltará a jogar ao menos quatro vezes neste ano após a Copa. Em 5 de setembro, a equipe enfrenta a Colômbia, em Miami, no jogo que pode marcar o reencontro de Neymar e Camilo Zúñiga, o jogador que o tirou da Copa. Quatro dias depois, o Brasil enfrentará o Equador, em Nova Jersei. Em 11 de outubro, o Brasil fará um clássico contra a Argentina, em Pequim, na China. O último amistoso acontecerá em 12 de novembro, em Istambul, contra a Turquia.

Siga no Instagram: uma seleção de fotos exclusivas em @vejanoinsta

(Com Estadão Conteúdo)