Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Corintiano que disparou sinalizador em boliviano ganha cargo na Gaviões

Agora maior de idade, autor do disparo que matou Kevin Espada em fevereiro de 2013 foi readmitido na torcida organizada

O torcedor corintiano Helder Alves Martins, que assumiu o disparo do sinalizador que matou o boliviano Kevin Espada, na partida entre Corinthians e San Jose, em Oruro, na Bolívia, pela Copa Libertadores de 2013, está de volta à Gaviões da Fiel. Ele ganhou um cargo no Departamento de Bandeiras na sede da torcida organizada, no bairro Bom Retiro, em São Paulo. A informação foi confirmada por integrantes da Gaviões.

Depois de trabalhar por um ano na área de atendimento ao cliente de uma grande rede de salas de cinemas e se manter no anonimato, o torcedor (agora maior de idade) voltou a frequentar a sede da Gaviões da Fiel no ano passado e parece ter sido aceito novamente. Ele havia sido considerado culpado pelos torcedores por manchar a imagem da torcida.

Relembre:

Em 2013: ‘Minha vida acabou’, diz menor que assumiu o crime

Na Bolívia, a confissão de menor de idade não convence

VÍDEO: Os 12 corintianos presos na Bolívia

Jogos e preces: a vida dos corintianos presos em Oruro

Corintianos libertados na Bolívia desembarcam no Brasil

No dia 20 de fevereiro de 2013, o jovem boliviano Kevin Spada, de 14 anos, foi assassinado com um tiro de sinalizador, disparado por um integrante da torcida do Corinthians, no jogo contra o San Jose. Doze torcedores ficaram detidos na Bolívia, o que iniciou uma longa negociação que envolveu políticos e membros da embaixada brasileira no país.

Sete torcedores foram soltos em junho de 2013, enquanto os cinco restantes aguardaram mais dois meses até serem libertados. Helder, então com 17 anos, assumiu a autoria do disparo do rojão que matou Kevin assim que desembarcou em São Paulo.

Outros dois torcedores foram identificados pela polícia boliviana como autores do disparo. Helder não sofreu nenhuma punição judicial. O processo foi arquivado em agosto de 2013 pela Justiça brasileira.

(Com Estadão Conteúdo)