Copa América: Neymar é flagrado xingando o colombiano Zúñiga

Antes de ser expulso, atacante se desentendeu com o lateral várias vezes e relembrou uma ligação que recebeu depois de ter a costela fraturada na Copa do Mundo

A lesão que tirou Neymar da Copa do Mundo de 2014, evidentemente, não foi esquecida pelo atacante brasileiro. No reencontro com o colombiano Camilo Zúñiga, responsável pela joelhada nas costas que fraturou sua terceira vértebra lombar há pouco mais de um ano, o capitão da seleção brasileira esteve muito nervoso em campo e foi expulso na derrota por 1 a 0, em Santiago. A rivalidade entre Neymar e Zúñiga foi flagrada pelo Canal +, da Espanha, que captou lances quentes, como mãos no rosto, empurrões e ofensas ao defensor.

Irritado com a força excessiva de Zúñiga na marcação, Neymar perdeu a cabeça em certos momentos. Num deles, xingou o defensor. “Camilo!, Camilo! Depois me liga pedindo desculpas. Seu filho da p…”, gritou o brasileiro, ironizando uma ligação telefônica feita pelo colombiano após a Copa do Mundo, pedindo perdão por ter tirado Neymar da semifinal do Mundial.

Leia também:

Neymar, por enquanto, está suspenso por um jogo

Armero critica Neymar: ‘Tem que saber perder’

Neymar tem noite desastrosa e é suspenso – e culpa arbitragem

Colômbia vence Brasil por 1 a 0 e Dunga perder a primeira

Seleção foi um desastre, mas futebol na Globo às 21h pode ser bom…

Os jogadores já haviam se reencontrado num amistoso entre as seleções em Miami, no ano passado. Na ocasião, Zúñiga tomou a iniciativa e deu um abraço em Neymar. Já na Copa América, a harmonia do jogo passado ficou de lado e, por vezes, as divididas foram quentes. Neymar ainda se desentendeu com Jeison Murillo e Carlos Bacca antes de ser expulso.


Julgamento – A CBF pedirá nesta sexta-feira ao Tribunal Disciplinar da Conmebol a absolvição de Neymar por sua expulsão depois do jogo contra a Colômbia. O craque já não irá enfrentar a Venezuela no domingo por estar suspenso pelo acúmulo de dois cartões amarelos e o departamento jurídico da entidade acredita que a pena não deve ser aumentada. “Entendemos que, por ele ser primário, a suspensão por uma partida já é mais do que suficiente”, disse o diretor jurídico da CBF, Carlos Eugênio Lopes. “E ele é alvo de violência, provocações. Isso desestabiliza.” A decisão do tribunal será tomada na tarde desta sexta-feira.

A CBF alega que Neymar foi vítima de provocação, por parte dos jogadores colombianos e até da arbitragem e que o jogador não ouviu o apito do juiz Enrique Osses finalizando a partida entre Brasil e Colômbia e, pensando que a bola ainda estava em jogo, chutou-a em direção ao gol e atingiu o lateral Pablo Armero.

(com Estadão Conteúdo)