Contra Coxa, São Paulo crê em fase fora de casa para Adilson vencer

Adilson Batista está no comando de seu segundo clube no Campeonato Brasileiro, mas não venceu nenhum dos sete jogos em que esteve envolvido até agora. Nesta quarta-feira, às 21h50 (de Brasília), o técnico tenta desencantar em duelo contra o Coritiba, na sua segunda partida no São Paulo justamente no Paraná, Estado que deixou quando saiu do Atlético-PR com cinco derrotas nas seis primeiras rodadas.

Embora vice-líder, o Tricolor ainda convive com a pressão das eliminações no Paulistão e na Copa do Brasil, da recente troca de treinador e, principalmente, a distância de seis pontos que deixou o primeiro colocado Corinthians abrir. Para diminuí-la, a força reside em um retrospecto como visitante que é superado apenas pelo arquirrival do Parque São Jorge.

Com a nona melhor campanha como mandante, com dez pontos conquistados, a equipe teve os mesmos 66,6% de aproveitamento de longe do Morumbi, somando 12 dos 18 pontos possíveis. Se perdeu para Corinthians e Flamengo, bateu adversários como Fluminense, Atlético-MG, Ceará e Inter em sua viagens, com destaque para a vitória por 3 a 0 no Beira-Rio que tirou o ídolo Paulo Roberto Falcão do comando do Colorado.

‘A gente está muito bem fora de casa. Contra o Inter, jogamos bem, fomos seguros e quando saímos para o ataque fizemos os gols. Mas não nos desligamos por um minuto. Lá [no Couto Pereira] o campo é grande, temos que ter a consciência de estarmos ligados até o final para trazer um bom resultado’, ensinou Rhodolfo, um dos que se preocupam com o clima de caldeirão do estádio.

‘É sempre difícil jogar fora de casa. O Coritiba é forte, tem a força da torcida, é um estádio que dá bastante pressão. Mas o nosso time está amadurecendo e sabendo jogar como visitante. Fizemos bons jogos e é sempre importante vencer fora porque, de certa forma, recupera os pontos perdidos em casa. Temos que manter o que estamos fazendo para buscar a vitória’, falou Juan.

O São Paulo, entretanto, terá que provar mais uma vez seu poderio fora de casa passando por tudo isso. A boa notícia para o Tricolor é que não há nenhum novo desfalque. Adilson Batista deverá mandar a campo exatamente a mesma escalação de sua frustrante estreia no clube: um empate por 2 a 2 com o Atlético-GO em um Morumbi de público recorde, no sábado passado.Para aliviar a má impressão, a ordem é corrigir os erros defensivos e de finalização que atrapalharam a tentativa do técnico em renascer no futebol após fracassar em Corinthians, Santos e Atlético-PR em menos de um ano.

‘Todos conhecemos o Adilson há tempos pelo trabalho dele no Cruzeiro. E muitos aqui já foram campeões antes também. Mas temos que ser campeões de novo e começar por este campeonato. É chegar perto do Corinthians para ajudar o Adilson e nós mesmos na busca por este título’, prometeu Rhodolfo.

Ocupando uma posição intermediária na tabela de classificação, o Coxa precisa fazer a lição de casa, já que como visitantes não vem tendo um bom aproveitamento na competição. Uma vitória diante de seu torcedor dará ao time a chance de entrar no G-4 e começar a planejar uma arrancada para se aproximar dos líderes. Um tropeço, por sua vez, dependendo dos resultados, pode aproximar o fantasma da zona de rebaixamento.

O técnico Marcelo Oliveira tem dois problemas para escalar o time. O meia Tcheco, que vem em grande fase, recebeu o terceiro cartão amarelo e cumpre suspensão automática, assim como o volante Leandro Donizete, o motor do meio-campo coxa-branca, que foi expulso diante do Bahia.

Para a vaga do armador, existem várias opções. Gil para um time mais conservador e Éverton Ribeiro caso a escolha seja atacar mais. Até mesmo o renegado Davi pode reaparecer. Na proteção da zaga, William é nome quase certo.

O volante Léo Gago, que além de forte na defesa é uma boa opção nos chutes de longa distância, acredita que o Tricolor mostrará mais do que sua qualidade natural: entrará em campo mordido após o empate em casa diante do Atlético Goianiense. ‘Vai ser um jogo difícil. Eles empataram em casa e querem recuperar os pontos fora. Temos de nos cuidar e tomar conta da situação. Precisamos fazer um bom jogo’, avaliou.

FICHA TÉCNICA

CORITIBA X SÃO PAULO

Local: Estádio Major Antônio Couto Pereira, em Curitiba (PR)

Data: 27 de julho de 2011, quarta-feira

Horário: 21h50 (de Brasília)

Árbitro: Antonio de Carvalho Schneider (RJ)

Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia (Fifa-RJ) e Luiz Muniz de Oliveira (RJ)

CORITIBA: Edson Bastos; Jonas, Pereira, Émerson e Eltinho; William, Léo Gago, Éverton Ribeiro (Davi) e Rafinha; Marcos Aurélio e Bill

Técnico: Marcelo Oliveira

SÃO PAULO: Rogério Ceni; Jean. Xandão, Rhodolfo e Juan; Denílson, Carlinhos Paraíba, Wellington e Rivaldo; Lucas e Dagoberto

Técnico: Adilson Batista