Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Chile atropela Bolívia na maior goleada da Copa América: 5 a 0

Donos da casa jogavam pelo empate, mas não se limitaram a aproveitar o regulamento

A seleção chilena fez a alegria de sua torcida nesta sexta-feira no Estádio Nacional, em Santiago, ao golear a Bolívia por 5 a 0, manter a invencibilidade e se classificar para as quartas de final da Copa América com a primeira colocação do grupo A.

As duas equipes entraram em campo com vaga no mata-mata já garantida, mas brigavam pela liderança da chave. Os donos da casa jogavam pelo empate, mas não se limitaram a aproveitar o regulamento, fez mais uma vítima e foi a sete pontos, quatro a mais que o adversário. O Equador derrotou o México por 2 a 1 e ficou em terceiro lugar, com três pontos, um a mais que o representante da Concacaf.

O Chile voltará a campo na próxima quarta-feira, novamente no Monumental, para encarar o melhor terceiro colocado de toda a primeira fase. A Bolívia, por sua vez, aguarda o segundo colocado do grupo C, de Brasil, Venezuela, Colômbia e Peru.

Foram necessários apenas dois minutos de bola rolando para que ‘La Roja’ fizesse 1 a 0. Medel lançou para a área, Sánchez tentou o domínio e errou, mas acabou dando ótimo passe para Aránguiz, que chegou batendo no cantinho direito.

Ainda no primeiro tempo, aos 36, Sánchez enfim desencantou na Copa América. O jogador do Arsenal recuperou a bola, tocou para Valdivia e apareceu na área para, de peixinho, completar o levantamento do ‘Mago’.

Na etapa final, a partida foi disputada em ritmo de treino, mas mesmo assim outros gols saíram. Aos 20 minutos, Aránguiz aproveitou cruzamento rasteiro de Henríquez, tirou da marcação e chutou firme.

O quarto do Chile foi uma pintura. Medel tocou para o meio, se infiltrou entre os zagueiros e, após lindo passe de Valdivia em elevação, matou no peito e, sem deixar cair, encobriu o goleiro. Quem fechou a conta foi o zagueiro boliviano Raldés, que tentou cortar o passe longo vindo por baixo e acabou também tocando por cima de Quiñónez.

(Com agência EFE)