Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Candidato à presidência da Fifa planeja Copa com 40 seleções

Suíço Gianni Infantino se inspira no novo formato da Eurocopa e diz que torneio ampliado traria "novo entusiasmo"

O suíço Gianni Infantino, candidato à presidência da Fifa apoiado pela Uefa (após a suspensão de Michel Platini), pretende alterar o formato da Copa do Mundo caso vença a eleição marcada para 26 de janeiro de 2016. Infantino revelou nesta terça-feira que terá como uma de suas principais plataformas ampliar o número de seleções participantes do torneio de 32 para 40.

Em entrevista à agência Associated Press, Infantino explicou que a decisão de tentar ampliar a Copa do Mundo foi baseada na Eurocopa. O torneio continental passará de 16 para 24 seleções a partir da edição de 2016, na França, e a mudança foi promovida justamente pela administração de Platini, presidente da Uefa, com o próprio Infantino, secretário-geral da entidade, entre os apoiadores.

Leia também:

Presidente da federação alemã renuncia após escândalo sobre Copa de 2006

Blatter revela acerto para Copas na Rússia e nos EUA e ataca Platini e Sarkozy

Fifa confirma 7 candidatos à presidência, com Platini em condicional

Platini admite pagamento sem contrato e diz ser ‘à prova de balas’

“Eu acredito em expandir a Copa do Mundo baseado na experiência que tivemos na Europa com a Eurocopa. Olhe para as Eliminatórias: alguns times que nunca se classificaram, agora conseguiram, e alguns que sempre iam, não conseguiram. Isso mudou a dinâmica e criou um novo entusiasmo”, disse o dirigente durante campanha pela América do Sul.

Apesar da pretensão de Infantino, a mudança não ocorreria imediatamente, porque as Eliminatórias para a Copa de 2018, na Rússia, já estão em andamento. Para 2022, também seria difícil, uma vez que a Fifa já encontra dificuldade para espremer os 64 jogos do Mundial em 28 dias no torneio que acontecerá entre novembro a dezembro, diferentemente do tradicional padrão de junho a julho.

Infantino, de 45 anos, foi a principal surpresa entre os postulantes ao comando da Fifa, tendo confirmado sua candidatura somente horas antes do prazo final, no último dia 26 de outubro. O secretário-geral da Uefa ganhou força na entidade europeia depois que seu presidente, Platini, foi suspenso por suspeita de corrupção e sua candidatura ao comando da Fifa entrou em condicional.

(com Estadão Conteúdo)