Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Buffon e Daniel Alves: sem medo do Real Madrid

Atletas mais vitoriosos do clube italiano compareceram à entrevista que antecede a decisão da Liga dos Campeões, em Cardiff, no País de Gales

A Juventus chega à final da Liga dos Campeões diante do Real Madrid cheia de confiança. Nesta sexta-feira, a equipe italiana escalou seus dois atletas mais vitoriosos para a entrevista coletiva que antecede a decisão no estádio Millenium, em Cardiff, no País de Gales. Para o brasileiro Daniel Alves e o italiano Gianluigi Buffon, e também para o técnico Massimiliano Allegri, a Juventus não deve nada aos atuais campeões.

O brasileiro ficou satisfeito ao ouvir de um jornalista que é o jogador que mais vezes venceu o Real Madrid, somando as partidas por Sevilla e Barcelona. “Acho que esse é um dado para assustá-los. Esses números fazem com que o favoritismo não seja todo deles (…) Vamos enfrentá-los com o respeito devido, mas com ambição e sem medo da história do Real Madrid.

Ídolo do Barcelona, Daniel Alves ainda deu uma alfinetada nos rivais ao lembrar que o gol do título do Real sobre a Juventus em 1998, de Pedrag Mijatovic, deveria ter sido anulado. “Somos uma equipe experiente com a fome de um jovem, porque temos essas feridas do passado , seja porque faz mais de 20 anos que a Juventus não ganha a competição ou porque perdeu a última final para o Real Madrid com um gol impedido…”

Buffon, que aos 39 anos busca seu primeiro título na competição, se disse extrememente motivado. “Vencer me provocará uma alegria imensa. Não há nada mais bonito que poder receber um prêmio depois de muito suor.” O veterano goleiro disse não se importar com as discussões sobre suas chances de vencer a Bola de Ouro numa disputa com Cristiano Ronaldo.  “Nem passa pela cabeça me comparar com Cristiano, temos papéis totalmente distintos. Vou seguir fazendo meu trabalho. O tema Bola de Ouro me agrada, mas é secundário, o que importa é ganhar amanhã, o resto não me afeta.

Confira abaixo as principais declarações da coletiva da Juventus:

Daniel Alves:

Experiência – Vocês já fizeram três perguntas sobre idade. Eu e o Gigi (Buffon) somos jovens (risos). Devemos falar do profissional e não de sua idade. Devemos encarar esse momento com alegria e a paixão que nos move nesse esporte. Não é preciso ter pressa ou estar ansioso para jogar essa partida.

Chance de terceira “Tríplice Coroa” – “Não penso nisso, cada dia devemos fazer algo novo, diferente, isso fica para a história. Não vivo pensando nas minhas conquistas, esse é um esporte em equipe.”

Ferrari prometida – “A única motivação extra que temos foi o nosso presidente dizer que alguns cavalinhos vermelhos (Ferraris) podem aparecer passeando. É uma motivação grande, ainda mais para os amantes de carros. Por isso, espero que levantemos a taça e o presidente cumpra sua palavra (risos).”

Gianluigi Buffon:

Cristiano Ronaldo – “Cristiano Ronaldo é um modelo de atleta para todos, tanto os grandes como os pequenos. Todos devem se inspirar nele.”

Daniel Alves – “Pensava que aos 39 anos eu não tinha mais nada para aprender, mas, sinceramente, aprendi muito com Dani. Ele me surpreendeu e me motivou muito. Jogadores como ele são capazes de ganhar muitas vezes e seguirem. É preciso ter humildade para isso”

Dificuldades – “É um grande desafio. Nos momentos de sofrimento, a presença dos torcedores irá nos ajudar a lutar, contra-atacar e resistir ao Real Madrid. Devemos nos manter serenos e tranquilos.”

Teto retrátil – “Já joguei em estádio fechado e não há nada demais. Se está lá é para ser usado, ainda mais se é uma medida para preservar o campo de jogo.”

Zidane – “Não me surpreende o fato de reencontrá-lo agora no banco, porque a qualidade que tinha para jogar vejo que mantém como treinador. Tem o ‘pedigree’ dos vencedores, mas acho que ninguém vence sempre na vida e espero que ele perca amanhã, o que não mancharia em nada a sua grande carreira.”

Massimiliano Allegri

Confiança – “Chegamos à partida com serenidade e tranquilidade, mas cientes de que temos de fazer todo o possível para levar a taça para casa. Vamos com tudo o que temos, sabendo que enfrentaremos o Real Madrid, uma equipe com muita história no torneio. Estamos aqui para jogar uma final que fecha uma temporada extraordinária.”

Traumas de 1998, 2003 e 2015 – “Não temos de pensar no que aconteceu há 10, 20 ou 50 anos. Amanhã é a final e temos de fazer todo o possível para conquistar o título. (…) A diferença para 2015 é que agora estamos na final com mais convicção. Há dois anos não tínhamos, talvez, essa confiança. Agora fizemos uma campanha muito bonita e chegamos com um foco diferente.”

Higuaín – “Ele não tem de provar nada a ninguém. Já mostrou que sabe marcar gols muito importantes, como contra o Monaco. No entanto, quando não marcou, também jogou de forma espetacular. Estou otimista que ele fará um grande jogo.

Bale ou Isco? – Isco dá ao Real Madrid uma capacidade de improvisar. Falamos e preparamos para as duas situações. Bale tem velocidade e com dois passes já estão em nossa área. Com Isco eles têm mais fantasia, mas são mais desordenados na defesa.