Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil vendeu a Copa? Teorias se espalham pela web

Autor das supostas denúncias também revelou venda da Copa de 1998

A histórica goleada da Alemanha sobre a seleção brasileira na semifinal da Copa do Mundo gerou comoção nas redes sociais nos últimos dois dias. Rapidamente, teorias da conspiração para justificar a maior derrota da história do futebol brasileiro se espalharam. A mais popular delas afirma que o Brasil vendeu a Copa para a Fifa em troca do título olímpico em 2016 e de um novo Mundial no país até 2030. A denúncia se assemelha à célebre carta que acusava a venda da Copa de 1998 à França. Na época, o escândalo foi discutido na CPI da CBF/Nike e até o atacante Ronaldo foi convocado a depor, para explicar a convulsão que teve horas antes da final.

Leia também:

As marcas incríveis dos alemães no massacre do Mineirão

Zagueiro diz que Alemanha não quis humilhar o Brasil

Programa de televisão argentino ironiza lesão de Neymar​

Empresário de Neymar ofende Felipão nas redes sociai

Vários e-mails atualmente “denunciam” a venda desta Copa nas redes sociais. Os textos apresentam detalhes distintos, mas quase todos partem do mesmo autor: Gunther Schweitzer, o mesmo homem que denunciou a venda da Copa de 1998. Em alguns textos, Schweitzer é apresentado como diretor de jornalismo dos canais ESPN. Em outros, o nome aparece com o mesmo suposto cargo de 16 anos atrás: diretor da Rede Globo.

Além da troca de favores entre Brasil e Fifa, outra teoria da conspiração foi levantada nos últimos dias: a de que Neymar não teria efetivamente se lesionado na partida contra a Colômbia. Sites brasileiros e colombianos divulgaram imagens da chegada do atleta ao hospital de Fortaleza. Nelas, o paciente aparece com o rosto coberto e sem as tatuagens que o atacante possui no braço direito. Houve ainda quem adaptasse a história e afirmasse que Neymar simulou a lesão, pois foi o único que não concordou em vender a Copa à Fifa.

Leia também:

Parreira fala em “trabalho perfeito” e não se arrepende de discurso sobre favoritismo

Para Felipão, metade de seu time estará de volta em 2018

‘Sei como Felipão está se sentindo’, afirma técnico alemão

Abaixo, a reprodução de uma “denúncia” que circula pelas redes sociais:

“Fato comprovado:

O Brasil VENDEU a copa do mundo para a FIFA. Os jogadores titulares brasileiros foram avisados, às 13:00 do dia 08 de Julho (dia da semifinal), em uma reunião envolvendo o Sr. José Maria Marin (na única vez que o presidente da CBF compareceu a uma preleção da seleção), o Técnico Luiz Felipe Scolari, o Sr. Marco Polo Del Nero (Presidente Eleito da CBF), e o Sr. Ronald Rhovald, representante da patrocinadora Nike. Os jogadores reservas permaneceram em isolamento, em seus quartos ou no lobby do hotel.

A princípio muito contrariados, os jogadores se recusaram a trocar a vaga na final pelo titulo Olímpico em 2016 (único torneio que o Brasil ainda não venceu) e a promessa de uma nova Copa até 2030 no Brasil. A aceitação veio através do pagamento total dos prêmios, US$700.000,00 para cada jogador, mais um bônus de US$400.000,00 para todos os jogadores e integrantes da comissão, através da empresa Nike.

Além disso, os jogadores que aceitarem o contrato com a empresa Nike nos próximos 4 anos terão as mesmas bases de prêmios que os jogadores de elite da empresa, como Ibrahimovic, Wayne Rooney, Andrés Iniesta e Frank Ribery.

Mesmo assim, David Luiz se recusou a jogar, mas mudou de opinião em seguida, depois de uma longa reunião com Carlos Alberto Parreira e Flávio Murtosa, aonde receberam uma ligação de um representante da Nike que ameaçou retirar seu patrocínio recém-renovado e um dos maiores da empresa.

Assim, combinou-se que o Brasil seria derrotado durante a prorrogação, porém a apatia que se abateu sobre os jogadores titulares fez com que a Alemanha, que absolutamente não participou desta negociação, marcasse, em duas falhas simples do time brasileiro, os primeiros gols.

O Sr. Joseph Blatter, presidente da FIFA, cidadão franco-suíço, aplaudiu a colaboração da equipe brasileira, uma vez que o campeonato mundial não é vencido pela Alemanha desde 1990 e o mesmo é tratado como o complemento ideal para confirmar a soberania do país na Europa como potência econômica e esportiva, além de ser a única federação que fazia oposição a presidência do Sr Blatter.

Garantiu, também, ao Sr. José Maria Marin, através de seu sucessor, Marco Polo Del Nero e do Secretário Geral da FIFA, Sr Jeromé Valcke, que o Brasil teria seu caminho facilitado para o hexacampeonato de 2018.

Gunther Schweitzer

Diretor de Jornalismo dos Canais ESPN”

Siga no Instagram: uma seleção de fotos exclusivas em @vejanoinsta