Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Brasil derrota Argentina e fatura Superclássico

Por Felipe Mendes

São Paulo – Com muita disposição e pouca inspiração, a seleção brasileira venceu a Argentina por 2 a 0, na noite desta quarta-feira, no Estádio Mangueirão, em Belém, e faturou o título do Superclássico das Américas. Lucas e Neymar, responsáveis pelos gols da partida, foram os principais jogadores da equipe de Mano Menezes.

A vitória marca o resultado mais expressivo do treinador à frente da seleção. Além do título do torneio amistoso, Mano conseguiu seu primeiro triunfo sobre uma equipe de expressão, ainda que o rival não tenha contado com seus principais atletas. O técnico acumulava três derrotas (para Argentina, França e Alemanha) e dois empates (Holanda e, de novo, Argentina) contra adversários de peso.

Com quatro novidades em relação ao empate sem gols no jogo de ida, em Córdoba, Mano contou com Cortês, Rômulo, Lucas e Borges, artilheiro do Brasileirão, entre os titulares. Mas foi Lucas quem roubou a cena, ao lado de Neymar. Em sua estreia como titular, o meia do São Paulo criou as melhores jogadas na etapa inicial e foi o autor do primeiro gol da partida.

Depois da vitória sobre os argentinos, a seleção voltará a campo no dia 7 de outubro para disputar amistoso com a Costa Rica, em San José. Na sequência, a equipe de Mano Menezes enfrentará o México, em Torreón, no dia 11. Em novembro, o adversário será o Gabão, na África.

O JOGO – Empurrada por cerca de 43 mil torcedores presentes no Mangueirão, a seleção brasileira partiu para o ataque logo no início do segundo duelo do Superclássico. Com muita disposição e pouca inspiração, os comandados de Mano Menezes controlaram o meio-campo com facilidade nos primeiros minutos da etapa inicial, mas sucumbiram aos próprios erros e à falta de entrosamento.

As poucas boas jogadas foram consequência do brilho individual de Neymar e Lucas, os principais jogadores do time na partida. Em seu primeiro lance, o jogador do Santos avançou pelo meio e bateu rápido, da entrada na área, e exigiu difícil defesa do goleiro Orión.

Aos 38, Neymar desperdiçou a melhor chance brasileira na primeira etapa. Após grande jogada de Lucas pelo meio e cruzamento rasteiro de Borges pela direita, o santista furou na pequena área, enganado por um desvio da zaga argentina. Enquanto os jovens atacantes lideravam o time, Ronaldinho tinha uma atuação discreta. Ele teve duas boas chances em cobranças de falta, porém, finalizou longe do gol.

Pelo lado argentino, Montillo e Guiñazu tiveram dificuldade para comandar uma Argentina ainda mais limitada que o Brasil. Os visitantes não deram trabalho ao goleiro Jefferson nas poucas vezes em que chegaram ao ataque.

Depois de um fim de primeiro tempo apático, o jogo ganhou em movimentação no início da segunda etapa. Aos 7 minutos, a Argentina levou perigo pela primeira vez, em finalização de Fernández na pequena área. Jefferson fez a defesa à queima-roupa.

O Brasil respondeu com um contra-ataque fulminante. Danilo acionou Lucas, que arrancou pela direita, invadiu a área e bateu na saída do goleiro Órion. Embalada pelo gol, a seleção se soltou mais em campo e não teve dificuldade para buscar o segundo gol.

Aos 29 minutos, Cortês iniciou jogada com Diego Souza, que investiu pela esquerda e cruzou para Neymar mandar para as redes. A bola desviou na zaga, na pequena área, antes de entrar. A Argentina ainda tentou descontar o placar nos minutos finais, mas Jefferson mostrou firmeza no gol brasileiro e assegurou o resultado com duas grandes defesas.

Ficha Técnica:

Brasil 2 x 0 Argentina

Brasil – Jefferson; Danilo, Dedé, Réver, Cortês (Kleber); Ralf, Rômulo, Ronaldinho, Lucas (Diego Souza); Borges (Fred) e Neymar. Técnico: Mano Menezes.

Argentina – Orión; Cellay, Desábato e Sebá; Pillud (Mouche), Fernández, Canteros (Bolatti), Guiñazu, Papa; Montillo e Viatri. Técnico: Alejandro Sabella.

Gols – Lucas, aos 8, e Neymar, aos 29 minutos do segundo tempo.

Cartões amarelos – Desábato e Viatri (Argentina).

Árbitro – Jorge Larrionda (Fifa-Uruguai).

Renda – R$ 2.579.160,00.

Público – 35.642 pagantes (43.038 no total).

Local – Estádio Mangueirão, em Belém (PA).