Blatter diz que Platini tentou intimidá-lo. Ex-jogador rebate as acusações

O presidente da Fifa acusou o mandatário da Uefa de ameaçá-lo de prisão caso concorresse ao cargo máximo da instituição. Platini classificou a história como "ridícula".

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou neste sábado que foi ameaçado pelo francês Michel Platini, atual presidente da Uefa e candidato a suceder o suíço na entidade máxima do futebol, durante o congresso realizado no fim de maio, em Zurique. Platini teria dito que Blatter iria para a prisão caso não desistisse de disputar as eleições naquele evento. Blatter fez a afirmação ao jornal holandês De volkskrant, para o qual concedeu longa entrevista. Ao ser questionado sobre sua relação com Platini, Blatter afirmou ter recebido a ameaça através do seu irmão, Peter Blatter. “Durante um almoço, Platini sentou ao lado do meu irmão na mesa e disse: ‘Diga a Sepp [apelido de Blatter] para desistir das eleições ou ele será preso'”, disse o presidente da Fifa.

Após o almoço, o mais alto representante da Fifa notou que seu irmão estava chorando. “Perguntei a ele o que tinha acontecido, e falei: ‘Não fique triste, vou ganhar'”, explicou na entrevista, acrescentando que só soube o que tinha ocorrido depois do pleito. Blatter renunciou ao cargo quatro dias depois de ser reeleito, após os escândalos de corrupção na Fifa que levaram à prisão de vários dirigentes. Perguntado sobre os motivos para Platini fazer tal ameaça, Blatter desconversou. “Vocês terão que perguntar a ele sobre isso. Eu não sei o que se passa na cabeça dele”, declarou.

VEJA TAMBÉM

Blatter acusa França e Alemanha de tentarem influenciar escolha da sede da Copa

O mandatário da Uefa e candidato à presidência da Fifa, Michel Platini, classificou as acusações como “ridículas”. “Essa história inventada é a última de uma série de tentativas de Zurique para distrair o mundo dos problemas reais que a Fifa enfrenta”, disseram fontes próximas a Platini. As novas eleições da Fifa serão realizadas no dia 26 de fevereiro de 2016. O francês desponta como o grande favorito ao angariar apoio em diferentes confederações. Até a Conmebol já declarou voto em Platini, mesmo contando com um candidato entre os seus filiados. O brasileiro Zico conta com o suporte da CBF para entrar no pleito.

(Com agências Estadão Conteúdo e EFE)