Eles exigem trabalho,
muito trabalho

Por que é tão difícil definir
os músculos abdominais


Claudio Rossi
SOLANGE FRAZÃO
41 anos, apresentadora de televisão

Poucas mulheres têm o abdome tão definido como Solange Frazão. Por causa das calças, saias e shorts de cintura baixa que adora usar, a apresentadora dá preferência aos exercícios que esculpem os músculos inferiores do abdome. Solange costuma fazer dois tipos de exercício para esse grupo muscular. O mais puxado é aquele em que ergue e abaixa as pernas em três séries de 270 movimentos cada uma. Para deixar o treino ainda mais puxado, ela usa caneleiras de 3 quilos em cada uma das pernas

"Passo longe dos doces. O que os olhos não vêem, o abdome não sente"

A musculatura do abdome é como se fosse um grande retângulo plano. Por se tratar de uma estrutura lisa, torna-se muito difícil defini-la. É o exato oposto do que ocorre com os bíceps, por exemplo. Os músculos dessa parte do braço têm uma forma arredondada, parecida com a de uma bola de futebol americano, que é bem mais fácil de moldar. Como se não bastasse a lisura, os nove músculos que compõem o grande retângulo do abdome dividem-se em três grandes grupos, os quais têm de ser trabalhados isoladamente para crescer e aparecer. Daí existirem vários tipos de exercícios abdominais. Tudo seria mais simples se o abdome tivesse alguma semelhança com o antebraço – a maioria dos dezenove músculos deste último pode ser trabalhada conjuntamente por meio de um único exercício.


ADRIANE GALISTEU,
30 anos, apresentadora de televisão

Três vezes por semana, Adriane Galisteu faz 1 000 abdominais, em séries de cinqüenta. Ela dá preferência aos exercícios que fortalecem os músculos laterais. Suas séries são simples: sem sobrecarga de peso e feitas no chão. Além da musculação, Adriane ainda corre de 6 a 8 quilômetros por dia, na esteira. Ela aboliu de seu cardápio bebidas alcoólicas, refrigerantes e gorduras. Chocolate, apenas uma vez por ano, na Páscoa

"Quando eu era pequena, a todo momento minha mãe me alertava para contrair a barriga. Acho que vem daí minha preocupação de estar sempre com o abdome em forma"

Patricia Santos/Folha Imagem

A busca por uma barriga rija e definida, como se vê, exige um programa de exercícios muito bem arquitetado. Musculação apenas não costuma bastar. É preciso também praticar exercícios aeróbicos, os mais eficientes na queima de gordura. O ideal é combinar, alternadamente na semana, três dias de musculação com dois de aeróbicos. O melhor programa de abdominais é o que preconiza que cada um dos três grandes grupos musculares seja trabalhado num dia da semana. O maior deles é o reto abdominal: dois feixes de fibras que saem da parte inferior do peito e vão até a região pubiana. Quando bem malhado, ele ganha três linhas horizontais – aquelas que separam os gomos de músculos. O segundo grupo muscular a ser desenvolvido é o transverso, localizado na camada mais interna da barriga. Fortalecê-lo é importantíssimo, porque ele serve de base de sustentação para a parede abdominal. Por fim, há os músculos abdominais oblíquos externos e internos, que percorrem as laterais da barriga. São eles que, enrijecidos, definem a cintura. É preciso também dar atenção ao ritmo imposto aos exercícios. Abdominal correto é aquele que se faz lentamente, com poucas séries e muitas repetições. Por último, mas não menos importante, vem a dieta. Todos os alimentos muito calóricos, especialmente os doces, devem ser banidos do cardápio do aspirante a abdome definido. Excesso de calorias transforma-se em acúmulo de gordura, principalmente na região da cintura. Esta é, aliás, uma dificuldade suplementar. Além de ser difícil definir os músculos do abdome, é preciso secar boa parte da gordura que o recobre.


Chico Barros/Ag. Lumiar
CACO RICCI,
25 anos, modelo

Famoso pelos músculos que parecem rasgar-lhe as laterais do abdome, Caco Ricci não poupa esforços para preservar uma das barrigas mais invejadas do mundo da moda. Seu programa de abdominais é pesadíssimo. Geralmente, ele usa caneleiras de 3 quilos em cada uma das pernas. A principal característica do treinamento de Ricci é realizar os movimentos muito lentamente, como aquele em que ele leva quarenta segundos para erguer e abaixar as pernas. Quantas repetições? O modelo só encerra um exercício quando "a dor se torna insuportável"

"Conquistei esse abdome com muito esforço, sentindo cada gota de suor"

Se você segue um programa pesado de abdominais, faz exercícios aeróbicos, tem uma alimentação regrada e, apesar de todo o esforço, não consegue ter um abdome dos sonhos, é bom lembrar-se do peso da genética no trabalho de definição muscular. Só os privilegiados podem ter um abdome de tanquinho como o da foto que ilustra o início desta reportagem. Mas isso não significa que os exercícios devam ser abandonados. Com persistência, é possível conquistar um abdome duro como tábua, ainda que sem os ambicionados gominhos. Convenhamos que isso é bem melhor do que uma barriga com a consistência de uma gelatina.


MARCOS PASQUIM,
34 anos, ator

Em diferentes dias da semana, o ator trabalha os músculos superiores e os inferiores. Para cada um dos grupos musculares, faz três séries de exercícios, que variam de oito a quinze repetições. Pasquim sempre teve um abdome privilegiado pela genética, mas, ao ser escalado para viver o galã sem-camisa de Kubanacan, os diretores da novela da Rede Globo exigiram que ele esculpisse ainda mais a musculatura. A recomendação foi seguida à risca: em menos de um ano, Pasquim adquiriu 7 quilos de pura massa muscular

"No fundo, musculação para mim é um sacrifício. Gosto mesmo é de jogar bola, capoeira e de surfar"

 

Guerra aos pneus
     
  Você fecha a boca, passa fome com regimes de faquir, emagrece, mas eles continuam lá. Pesadelo estético predominantemente feminino, os pneus têm também um forte componente genético. Filhas de mães com pneus têm 60% mais probabilidade de vir a desenvolvê-los do que as filhas de mulheres de "cinturinha de pilão". Se o pai também carrega um depósito de gordura nas laterais da cintura, esse índice sobe para 80%. A guerra contra os pneus requer, portanto, muito esforço. Além de seguir uma dieta equilibrada, é preciso praticar atividades aeróbicas (aquelas que realmente emagrecem) e recorrer aos abdominais. É, não tem jeito. Você terá de se dedicar com afinco aos exercícios para o abdome, especialmente aqueles que trabalham os músculos laterais. A preocupação com os pneus é tão grande que, nos últimos anos, surgiu uma indústria de tratamentos cosméticos destinados a combatê-los. Não se deixe, no entanto, levar pela promessa de que é possível sumir com os pneus da noite para o dia, de uma vez por todas. Se tivessem de escolher o mais seguro (e menos enganoso) de todos esses tratamentos estéticos, os especialistas mais sérios recomendariam a drenagem linfática. Trata-se de uma massagem, feita manual ou mecanicamente, com ação direta no sistema linfático. Ela estimula a eliminação de toxinas e líquidos, o que pode ajudar a acabar com o depósito de gordura nas laterais da cintura. Mas não existem milagres, lembre-se.