Sono

Durma com os anjos

Descansar não é apenas bom para as crianças, mas
uma das ferramentas básicas de seu desenvolvimento

Por que a chupeta acalma o bebê?

Sugar é uma necessidade intuitiva desde os primeiros dias de vida. No bebê, isso produz prazer, alegria e tranqüilidade

Na hora de ir para a cama, as crianças fazem o que está a seu alcance para que os pais não saiam do quarto e elas não precisem dormir. Prepare-se. Seu filho está caindo de sono, mas resistirá bravamente enquanto tiver forças. Vai ficar com sede, vai querer ouvir uma história a mais, uma música e, se nada disso funcionar, pode recorrer ao expediente infalível: pedir beijinhos. Se os pais saem do quarto e o filho está no berço, chora. Se já tem sua cama, chora também e vai atrás. Como são profissionais da manha e realizam as cenas com talento, muitas vezes as crianças acabam conseguindo o que querem. Segundo um estudo sobre sono infantil publicado pelo pediatra Richard Feber, da Universidade Harvard, não resta dúvida. Essa novela e também a maior parte dos distúrbios relativos ao sono são causadas pela falta de rotina, por falta de disciplina, e não por um problema realmente grave.

Observe-se o exemplo do casal Antônio Di Gianni e Cleide Machado, de São Paulo, pais de Leonardo, de 1 ano e 8 meses. Quando seu filho era menor e chorava durante a noite, Cleide o levava para a cama do casal. Aquilo que parecia ser um gesto de amor se tornou um problema, pois Leonardo passou a não ter horário certo para dormir e ainda insiste em ter a mãe a seu lado até pegar no sono. Se o menino acorda e ela não está lá, chora. "Acordo quebrada, como se tivesse trabalhado a noite inteira", diz Cleide. Estabelecer uma rotina, como propõe o estudo de Harvard, não é tão difícil quanto parece (veja algumas sugestões) e é fundamental. Quando a criança dorme, isso não é bom apenas para os pais, que podem descansar um pouco. O sono da criança merece atenção especial porque dormir é uma grande ferramenta para o desenvolvimento cerebral.

Pesquisas recentes mostram que, entre os 3 e os 6 meses de vida, toda vez que a criança dorme estão sendo formadas proteínas fundamentais para sua memória, sua capacidade de aprendizado e seu crescimento corporal. Isso ocorre porque, nos bebês, a fase de sono predominante é a mais leve, conhecida no jargão especializado como REM, iniciais de rapid-eye-movement, ou movimentos oculares rápidos. É na fase REM que acontecem os sonhos, o metabolismo é ativado e o cérebro, organizado. Quando o ser humano vai crescendo, a maior parte do tempo dormido acontece na etapa NREM, iniciais de non-rapid-eye-movement, a fase de sono profundo que traz descanso para o corpo e menor atividade física e muscular. "À medida que o sistema nervoso da criança vai amadurecendo, ela precisa cada vez menos do estado REM", diz o neurologista Ademir Baptista Silva, do laboratório de sono da Universidade Federal de São Paulo.

Por mais incômodo que seja deixar a criança chorar no berço, os pais não devem ceder à tentação de tirá-la dali. "Se ela for pega no colo ao chorar, vai sempre repetir a cena", explica Nilzete Liberato Bresolin, da Sociedade Catarinense de Pediatria. Muitas vezes elas acordam chorando durante a noite porque tiveram um pesadelo. Nessa hora, é preciso abraçá-las, acalmá-las e colocá-las normalmente para dormir. A experiência mostra, no entanto, que as crianças submetidas a uma rotina acordam menos do que as outras. Daí a importância de impor certas regras. Dormir com os pais, só em casos excepcionais, como doença. A restrição vale até para os bebês em fase de amamentação, que, no máximo, podem dormir num berço ao lado da cama dos pais. Ainda assim, por tempo limitado. O alerta vale também para os pais que recorrem a artifícios para o filho pegar no sono, como ligar a televisão ou, acredite-se, oferecer passeios de carro. Esses expedientes podem funcionar, mas prejudicam a criança e tiranizam os adultos.

Como fazer seu filho ir para a cama

Aos pediatras recomendam alguns truques para que as crianças brinquem durante o dia e, chegada a noite, durmam. Como as crianças são diferentes entre si, as regras que valem para uma podem não servir para outra. Eis algumas sugestões:

Estabeleça uma rotina. Defina um procedimento padrão para quando a noite cai. Se você definir que a ordem é banho, jantar e cama, faça sempre assim. Para as mais agitadas, um banho morno sempre acalma. Contar histórias, também.

Desligue a criança. No final do dia, fuja das brincadeiras mais agitadas, como jogar bola ou cantar "marcha soldado".

Acalme a casa. Na hora de fazê-la dormir, apague a luz do quarto, fale mais baixo, diminua o volume da televisão. A casa não precisa de silêncio absoluto, mas mesmo os adultos têm dificuldade para dormir com nível alto de ruído.

Dê-lhe meia hora. Criança pequena geralmente associa o ato de dormir com separação dos pais. Para fazer essa transição da melhor forma possível, se puder fique com ela a última meia hora do dia.

Nada de colo. Quando colocar seu filho para dormir, evite pegá-lo no colo ou acariciá-lo até que caia em sono profundo. Ponha-o no berço ou na cama. Se ele se acostuma com tanto mimo, você não terá mais sossego.




Copyright © 1998, Abril S.A.

Abril On-Line