‘The Voice Brasil’: Claudia Leitte só quer a nata

Técnica aparece com o time mais forte depois segundas audições às cegas

Claudia Leitte, técnica do 'The Voice Brasil'

Claudia Leitte, técnica do ‘The Voice Brasil’ (VEJA)

Claudia Leitte voltou com força total para a segunda temporada do The Voice Brasil. Dos cinco candidatos que reuniu até agora em seu time, quatro tiveram de ser disputados com pelo menos mais um técnico. Quando isso acontece, fica com o concorrente a decisão de escolher de qual equipe quer fazer parte. E algumas das vozes que se apresentaram mais poderosas nestas audições às cegas optaram por ela – contrariando muitas vezes os gritos de “Lulu, Lulu” do público. “A plateia realmente tem uma opinião forte, mas vou com o coração”, justificou Sam Alves na última quinta-feira, depois de fazer virarem também as cadeiras de Carlinhos Brown, Daniel e Lulu Santos com When I Was Your Man.

Leia também:

Leia também: Segundo dia de audições às cegas foi marcado pelo arrependimento

Jullie, a jovem ousada que cantou a música própria Gasolina, inaugurou o time. Para ela, bateram Claudia e Lulu (ela primeiro), e a escolha foi certeira: “Admiro muito mulheres fortes no palco”. Antes ela havia tentado Dom Paulinho Lima, o primeiro a subir ao palco e arrebatar os quatro mentores com Let’s Get it On. Ele optou por Lulu. Naquele primeiro dia de seleção, porém, Claudia ainda conquistou outra candidata que deixou todos de queixo caído: Gabby Moura, cantando Coqueiro Verde. Só Janaina Cruz foi escolha única da tutora, que já adotou um tom professoral para aconselhar a intérprete de I Will Always Love You: “Adorei você. Mas, como sua técnica, eu quero te ouvir cantando outras músicas”.

Na segunda semana, além de Sam Alves, ela ainda precisou disputar Débora Cidrack com Carlinhos Brown. A intérprete de Stronger foi convencida pelo discurso da técnica. “Fiquei emocionada ao te ouvir cantar. Acho que isso é o que a gente procura aqui. Gosto quando vem com força e paixão. Vem comigo?” A candidata apenas sorriu e soltou um “está bem”, já esticando os braços para a nova tutora. Mas isso foi uma raridade. Discurso não é o forte de Claudia Leitte. Depois de escolher Jullie, ela disse que hava batido “com muito combustível”, fazendo um trocadilho infame com a música Gasolina. Para Sam, ela soltou: “Quero ser o seu Senhor Miyagi. Lembra? Daniel San…” O pupilo só conseguiu soltar uma risada sem graça.

Leia também:

Leia também: Sam Alves desbanca Bruno Mars e é 1º lugar no iTunes

Futuro – Há de se convir, porém, que ninguém está atrás do discurso de Claudia Leitte. A cantora, que defende seu time como uma mãe cuida dos filhos, não os abandona mesmo depois do fim do programa. E não precisa nem ser da sua equipe. Prova disso é Mira Callado, que começa a ser empresariada pela cantora, apesar de ter disputado a primeira temporada ao lado de Carlinhos Brown. A ex-participante é a primeira a fechar contrato com a empresa da cantora, a 2Ts, criada para investir na carreira de outros músicos. E o The Voice Brasil, segundo a própria Claudia, é um dos meios mais eficientes de levá-la a novos artistas. Neste caso, a convivência durante três meses com a técnica pode ser mais de meio caminho andado.

Leia também:

‘The Voice Brasil’ precisa retomar campanha #batedaniel

‘The Voice Brasil’ impulsiona até carreira de eliminados

Sam Alves

Quando as cadeiras dos quatro técnicos se viraram nas audições às cegas, todos já sabiam que Sam Alves estava garantido na final da segunda temporada do The Voice Brasil. Conforme o programa avançava – e sua torcida crescia nas redes sociais – a vitória ficava mais perto. Até que se consumou fácil. Saiu do time de Claudia Leitte para gravar o primeiro CD pela Universal, com as versões apresentadas no programa e uma música autoral: Be With Me, que já teve clipe lançado no YouTube. Faz shows pelo Brasil e concorre ao Prêmio Multishow 2014, na categoria Experimente.

Gustavo Fagundes

O estudante de Medicina encantou técnicos e público não só pela voz, mas também pela beleza envolta em um belo par de olhos claros. Foi pupilo de Lulu Santos, acabou eliminado e resgatado por Claudia Leitte, mas caiu antes da final da primeira temporada da competição. Ainda assim, foi contratado pela Universal – a mesma gravadora que fecha com o campeão -, lançou um EP e foi eleito uma das apostas do ano pelo iTunes.

Dom Paulinho Lima

Arrebatou os quatro técnicos nas audições às cegas da segunda temporada, com a voz moldada para a black music. Avançou até a semifinal, quando o técnico Lulu Santos não perdoou erros na letra da música BR3 e decidiu cortá-lo – foi um dos momentos mais controversos do programa, com grande revolta dos fãs pelas redes sociais. Vida que segue, fechou com a gravadora do vencedor Sam Alves e ainda teve o CD lançado ao mesmo tempo.

Lucy Alves

Com a inseparável sanfona, Lucy Alves fez de suas apresentações uma reverência à música nordestina, e se tornou a queridinha do técnico Carlinhos Brown na segunda temporada. Chegou à final, mas foi superada por Sam Alves. Ao lado dele e dos outros dois finalistas, Rubens Daniel e Pedro Lima, correu o Brasil com a The Voice Tour. Foi contratada pela Universal e teve o CD lançado na mesma leva de Dom Paulinho Lima e Sam. Tem uma agenda movimentada de shows desde então.

Pedro Lima

Saiu de um concurso de cantar no chuveiro, promovido pelo Mais Você de Ana Maria Braga, direto para o palco do The Voice Brasil. Só viu a cadeira de Lulu Santos se virar, e encontrou no técnico o maior apoiador. Era um dos favoritos da segunda temporada, saiu em turnê pelo Brasil com os finalistas, mas viu a vitória ficar com Sam. Cruzou a Europa em uma série de shows e voltou ao país lançando uma canção inédita, Inverno.

Ellen Oléria

Foi a vencedora da primeira temporada do programa, o que lhe garantiu contrato com a gravadora Universal (além de um carro e 500.000 reais em dinheiro). O CD, lançado em julho de 2013 com participação do ex-tutor Carlinhos Brown em uma das faixas, arrebatou crítica e público. Tem clipe novo lançado este ano, para a música Córrego Rico. Antes de participar do reality, já havia gravado outros dois álbuns: Peça (2009) e Ellen Oléria e Pretutu ao Vivo no Garagem (2012).

Ju Moraes

Tinha só três anos de carreira quando chegou ao The Voice Brasil e escolheu compor a equipe de Claudia Leitte. Assinou contrato com a mesma gravadora da vencedora Ellen Oléria. Lançou o CD e DVD Em Cada Canto um Samba, com participações da ex-técnica e de Carlinhos Brown.

Danilo Dyba

Único homem a conquistar uma das oito vagas da final da primeira temporada do programa, vibrou quando o sertanejo Daniel bateu para ele nas audições às cegas. Manteve contato de perto com o técnico mesmo depois do programa, e chegou a abrir alguns shows dele. Assinou também com a Universal, para gravar o primeiro CD e já prepara o segundo álbum.

Ludmillah Anjos

Babado, Confusão e Gritaria era o bordão usado por ela no The Voice Brasil, e virou também o nome do seu CD. Ex-pupila de Carlinhos Brown, perdeu a vaga final para a campeã Ellen Oléria. Sempre foi mais reconhecida pelo show no palco do que essencialmente pela voz. Já cantou com Daniela Mercury e foi a atração principal de um festival de música brasileira na Europa.

Mira Callado

Era do time de Carlinhos Brown, mas foi por Cláudia Leitte que ela foi mais abraçada depois do programa – Mira Callado tem a carreira agenciada pela cantora. “Gosto muito dela e acredito no seu trabalho”, disse a técnica.