Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

‘SuperStar’ tem falha técnica e consagração de Paulo Ricardo

No penúltimo dia de audições do programa, telão parou de funcionar logo na primeira apresentação, e o jurado preferido dos candidatos atingiu o limite de oito afilhados

O penúltimo dia de audições do SuperStar, da TV Globo, foi marcado pela falha técnica do telão principal do cenário, que parou de funcionar logo na primeira apresentação, e pela consagração do jurado “queridinho” dos participantes, Paulo Ricardo. O cantor foi escolhido como padrinho por mais três bandas, e com isso chegou a oito afilhados no programa, o que o impede de adotar novos grupos.

LEIA TAMBÉM:

‘SuperStar’ retorna com novos jurados e menor poder de decisão do público

‘SuperStar’: Fernanda Lima cobra opinião de Sandy e Thiaguinho

Sandy, a jurada fofa que ninguém quer no ‘SuperStar’

O telão, que serve como cortina para que a banda não veja a reação dos jurados, parou de funcionar já no primeiro show da noite. A repórter Rafa Brites, nos bastidores, e a apresentadora Fernanda Lima chegaram a improvisar para que a produção do reality show tivesse tempo de consertar o problema. A tentativa não deu certo, e a produção optou por descartar o telão no primeiro bloco, aberto pelo grupo Zueira, de Porto Alegre, com o pagode de sua própria autoria Música Boa, apresentado de frente para o júri. Com 79% da aprovação do público, a banda foi classificada sem o recurso que faz o telão subir quando o candidato atinge o mínimo de 70% dos votos do público, e escolheu como padrinho o também pagodeiro Thiaguinho.

Os gaúchos do Stereosound tocaram Around the World, do grupo de rock americano Red Hot Chili Peppers, e conseguiram 74% dos votos dos espectadores, além da aprovação dos três jurados. Paulo Ricardo, escolhido como padrinho, foi o primeiro a votar, seguido por Sandy e Thiaguinho. Ensaiando uma postura mais crítica, a jurada, apesar do voto “sim”, ressalvou que a versão do conjunto foi muito parecida com a canção original.

Depois, o grupo Scalene, de Brasília, cantou a composição própria Surreal e conquistou a maior taxa de aprovação da noite, 89% dos votos do público, além do “sim” de cada membro do júri. A banda, que tocou no festival Lollapalooza deste ano, se parece com uma mistura da brasileira Los Hermanos com a britânica Coldplay, com um ritmo mais ágil. Pela segunda vez na noite, Paulo Ricardo foi escolhido padrinho.

Em seguida, os cariocas do Falange tocaram o hit Demons, da banda americana de indie rock Imagine Dragons. Apesar dos 74% dos votos do público, o grupo não agradou a todos os jurados, tanto que Paulo Ricardo foi o único a votar a favor — e automaticamente se tornou padrinho da banda, que completou a lista de oito possíveis apadrinhadas pelo fundador do RPM.

Já com o telão de volta, o grupo Os Gonzagas recebeu os aplausos da plateia e dos jurados com o baião Vem Morena, clássico de Luiz Gonzaga – daí o nome da banda -, que levantou o público com o ritmo mais animado. Sandy, escolhida como madrinha da banda de João Pessoa, Paraíba, fez elogios, mas ressaltou um problema de afinação e aconselhou que os músicos aumentassem um pouco o tom.