Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sexo forçado: o lado obscuro da indústria pornô no Japão

Como a indústria do pornô japonesa, que fatura 4,4 bilhões de dólares por ano, alicia e obriga meninas a estrelar filmes eróticos

Ela tinha 23 anos e sonhava em ser uma estrela da música quando foi abordada por um homem em uma movimentada rua de Tóquio, com a oferta de trabalho como modelo. Ao aceitar, caiu na armadilha de uma rede de coerção que arrasta milhares de jovens do Japão a participar de filmes pornôs todos os anos. Aroma Kurumin, cujas cenas gravadas em 2013 ainda circulam na internet, apesar de seus esforços para tirar as imagens do ar, é uma das vítimas das produtoras de filmes eróticos. Trata-se de um fenômeno antigo, que só agora começou a ser revelado.

Veja também

“Pensei que era a oportunidade para realizar o meu sonho”, conta a jovem. O pesadelo começou com uma entrevista e uma sessão de fotos sem roupa — na promessa de que só teria que posar assim uma vez — para uma famosa revista sensacionalista. A “agência de modelos”, então, a convidou para outra sessão de fotos e filmagens em Saipan, no Oceano Pacífico. Lá, Aroma se viu cercada de homens e pressionada a rodar cenas quentes pelas quais depois recebeu um pagamento ínfimo. “Tudo aconteceu muito rápido. Quando me recusava a fazer algo, eles diziam que essa era a melhor forma de começar uma carreira musical e insistiam até eu ceder”, lembrou ela, educada em um país onde a mulher nunca deve dizer “não”, ainda mais quando jovem.

Aroma Kurumin é o apelido que agora ela usa como youtuber e ativista para conscientizar outras meninas sobre essa situação e evitar que mordam a isca da poderosíssima indústria pornô japonesa, na qual conglomerados que monopolizam redes de TV, gravadoras, editoras de livros, agências de “talentos” e produtoras de filmes são máquinas de sugar aspirantes ao estrelato, que se tornam presas fáceis nas mãos de charlatões.

“O problema existe há anos, mas só agora começamos a falar dele”, diz a coordenadora e advogada da ONG que apoia vítimas do tráfico sexual Lighthouse, Aiki Segawa, acrescentando que o fenômeno “continua sendo um tabu no Japão”.

Com sede na capital, a organização recebeu só neste ano mais de 40 pedidos de ajuda de meninas obrigadas fazer pornô. Em geral, a vítima é mulher, tem entre 18 e 25 anos e o sonho de brilhar em uma carreira no mundo da moda, música ou cinema. Além dos “caça-talentos”, que abordam meninas na rua, a indústria do pornô se vale de anúncios em revistas, na internet e até publicidade em caminhões, prometendo excelentes salários para trabalhar meio expediente como modelo ou comissária de bordo. As interessadas vão a entrevistas onde são convencidas a assinar contratos confusos, e depois chantageadas de diversas formas para participar das filmagens. Algumas são ameaçadas fisicamente e até estupradas. As cenas são gravadas e distribuídas como filmes, segundo Aiki Segawa.

Em um relatório recente, a ONG Human Rights Now revelou o caso de uma jovem que se matou depois de ver seus vídeos espalhados na rede e não conseguir impedir a distribuição. “As vítimas se sentem muito envergonhadas e assustadas para pedir ajuda ou relatar sua experiência”, afirmando a coordenadora da Lighthouse, destacando que quase sempre elas “se culpam e acreditam ser as responsáveis pela situação”.

Uma pesquisa feita no início deste ano pelo governo com 2.500 aspirantes ao estrelado revelou que 27% das jovens contratadas por “agências de talentos” foram chamadas para gravar cenas de sexo, e 8% delas aceitaram. Diante disso, foi decidido fazer uma campanha de conscientização.

As ONGs exigem leis de trabalho mais rígidas — para prevenir os abusos –, maior controle sobre as “agências de talentos” e que os filmes sejam supervisionados para garantir que todos os atores participam com pleno consentimento. Aiki Segawa, no entanto, admite ser “difícil” controlar a gigantesca indústria do pornô japonês, uma das maiores do mundo, com faturamento de 4,4 bilhões de dólares por ano e uma crescente projeção mundo afora.

(Com agência EFE)

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Nelson Nunes

    Tão inocente…ao ouvir um pedido para fazer fotos nuas deveria ter dito não. Provavelmente agora reclama porque ganhou pouco, como ela mesmo diz.

    Curtir

  2. Esorso Elizabeth

    Que tal usar o único neurônio disponível, fazer aulas de tae ken do, e dar um golpe certeiro nas partes baixas do gigolo?

    Curtir

  3. Marcos Ficarelli

    O Japão sempre liderou em pornografia de foto e video. “Hentai” (ou sexo forçado) é um must no país que sempre tentou coibir, mas não consegue. É sexo sujo.

    Curtir

  4. No Japão tem meninas que ficam nas estações de trem e metro e ficam se oferendo para os caras (tudo muito discreto, que é a maneira japonesa) em troca de hospedagem em hotel de luxo com tudo pago pelo cara. Elas comem e bebem o mais caro, e em troca fazem “aquilo” com ele…obs: eu moro no Japão.

    Curtir

  5. Kadú Otávio

    Elas não são obrigadas e nem não são retardadas, elas sabem o que faz uma atriz pornô.

    Curtir

  6. Passei aqui só para ver a já esperada boçalidade dos comentários.

    Curtir

  7. Nikos Magnus

    A indústria pornográfica japonesa prospera porque existem milhares de clientes. Esses clientes não foram educados para lidar com o sexo oposto, e isso tudo vem da forma como os japoneses enxergam os relacionamentos. Nas escolas, meninos e meninas quase não se falam porque “isso pega mal”. Quando adultos não conseguem relacionamentos “normais”. O jeito então é apelar para vídeos eróticos, e achar que vivem a realidade, enquanto tudo isso é pura ilusão. Quando percebe, continua só da mesma maneira.

    Curtir